s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Roberto Bordin [Cnsul - Gramado-RS]
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
Casablanca, o poema

No sei porque,
mas me deu uma vontade
de falar de Casablanca.
No tem nada a ver
Nunca fui l
O filme? Vi uma p de vezes
Por qu Casablanca?
No tenho um bar
Nosso amor no comeou
Nem terminou em Paris
No estamos em guerra
Nem muito menos separados
[Ainda bem!]
No vou esperar voc
Entrar pela porta,
Linda como sempre
E saudar o pianista
Pelos velhos tempos
Pedindo saudosa:
Toque, Sam, aquela msica
No, nada disso.
Casablanca? Por qu?
Por, ser, quem sabe,
Uma linda histria
Triste, mas bela
No igual a nossa,
No tem final feliz
Mas eu posso dizer
A qualquer hora
Toque outra vez, Sam!

Distncia

Ns estamos to distantes
Separados por um longo espao
Quilmetros e quilmetros
Nossas vozes se cruzam
Nossas palavras tambm
E sempre fica a ausncia
Nossa ausncia de ns dois
E sempre fica aquele vcuo
Um vazio. Um nada. Um abismo
Minha mo crispa-se sentida
Ela sua como se estivesse chorando
Pela ausncia de tua mo to longe
Ela gela pela falta do teu calor
Pra no ar, trmula, numa tentativa
De alcanar voc l longe.
Ela recolhe-se triste, fechada
Mas com uma ponta de esperana
Breve, muito breve, ela vai encontrar voc

Greta Garbo

Musas servem para inspirar o poeta
Musas servem para conduzir o homem
A ver mais que uma musa,
deslumbrar um mito
Greta Garbo, o mito
Greta Garbo, a deusa
No auge, na fama
Com todos os homens
Aos seus ps...
Virou-se
No olhou para trs...
I want to be alone!
Ficaste sozinha
Longe do mundo
Te homenageio
Diferente
De todas
Teu poema mudo
No h msica
S o silncio
J que voc foi embora
Um minuto de silncio
Por voc.

Biografa:

Roberto Bordin

Publicitrio formado pela ESPM, trabalhou na rea de Marketing [Philips, Telefunken, Camargo Correa entre outras], desenvolvendo roteiros de comerciais, vdeos institucionais e de treinamento. Escreve para teatro desde 1976, teve peas encenadas e premiadas em So Paulo, Paran, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Prmios
Obra: Bastam para danar um bom bolero
1978 - Premio Sectur Prefeitura Santos 1o. Lugar melhor texto

1979 - Pea escolhida para representar a cidade de Sorocaba no Festival Estadual de Teatro Amador de So Paulo e Festival Nacional de Teatro de Ponta Grossa. Encenada pelo Grupo Teatral Mar

1979 - Premio Joraci Camargo Melhor Autor Festival Nacional de Teatro em Ponta

Grossa. Prmios tambm para ator, diretor e iluminao

1980 - Melhor montagem do ano por grupo local Curitiba.

2000 - Escolhida para representar a cidade de Sorocaba no Festival Nacional de Teatro de

Ponta Grossa e no Mapa Cultural Paulista. Encenada pelo Grupo Teatral Mar

comemorando 21 anos da primeira montagem recebeu prmio de melhor ator, coadjuvante e iluminao.

traduzida para o castelhano

Obra: Tu Devi Esser Mia
1980 - melhor pea adulta no 1o. Concurso de Dramaturgia Prmio Cruz e Sousa -SC

1981 - Publicada em livro pela Fundao Catarinense de Cultura. Indita

Traduzida para o francs

Obra: Um cinema chamado Brasil
1980 meno honrosa no 1o. Concurso de Dramaturgia Prmio Cruz e Sousa - SC

1982 3o. lugar Concurso de Dramaturgia da Pref. Municipal do Guaruj

Obra: A Vampira da Favela
1983 - 3o. lugar - Prmio Prefeitura Municipal do Guaruj

Encenada pelo Grupo Teatral Mar Sorocaba - 1984

Obra: Os Trens No Esperam os Passageiros
1984 Meno Honrosa Premio Prefeitura Municipal do Guaruj

Como poeta, iniciei ano passado. Tenho escrito mais de uma centena de poemas. Maioria deles publicado no site planeta literatura.

rodin@estadao.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s