s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Valter Silva Gonalves
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
aguinwa@gmail.com
Biografia

Valter Silva Gonçalves


Quiçá acreditasse

 

Acreditasse num novo dia 

A mudança e o desenvolvimento

fariam parte da consciência

 

Ai suku yangué

Olha pelo compositor fático

Dele vieram e virão luzes!

 

Já se dançou a crítica

dos seus sonetos

Pelos tímpanos morrem

os seus lamentos

 

Vejo a vassoura

varrendo palcos 

Quiçá chaves 

abrirão plateias trancadas

 

Fruto do mistério 

do outro critério

lá do outro tempo

resolvido à lápis 

 

Por cá não se chora

putrifica-se por dentro

Amordaçados ditados

Rebeldes encarcerados

 

Mudanças acreditadas

Folêgos em, garrafas

Relações importadas

Crenças empacotadas

 

Um compasso pelo transferidor

Delineares ao criador

Valor algum ao acricultor?

Respeitassem o professor!

Capacita o novo edificador.

 

Acreditasse nalgum dia

África e o mundo em sintonia

O rosto inocente com alegria

Dadas as mãos por harmonia

 

**********

Era uma vez um filho bastardo de nome, Sociedade, seu pai chamava-se, Política e sua madrasta, Medea. Em tempos idos, o pai casara-se com uma mulher de valores e princípios de nome, Cultura, mulher de sofrimento e batalha. Desse relacionamento gerou-se um pródigo de nome, Proletariado. Com o tempo foram assolados por circunstâncias catastróficas e, como o gênero masculino nunca agradece, procurou consolo e amparo em outros braços e marés. Já no cônjuge, Medea, gerou um filho magno chamado, Jornalista. A nova mulher e o recém-nascido trouxeram, euforia, soluções, harmonia e péssimos hábitos à casa. Motivos mais do que suficientes para levarem as mãos, ao queixo do homem. Passava noites com insônia rememorando a sua primeira mulher, pois, idade traz experiência e juventude entusiasmo. Pensara em sua ex-mulher e seu filho, mas por ironia do destino ela casara-se com um grande homem de nome, Sabedoria. Seu filho por ele foi criado e educado. Cultura que, agora se encontrara, gerou novos filhos, gêmeos ímpares. Uma menina de nome, Arte e, um rapaz chamado, Saber. Proletariado tinha agora dois irmãos para desabafar. Confiava menos na irmã, pela tendência que, muitas raparigas têm de se apegar aos pais. Pois, no passado certos amigos do pai influenciaram na separação dos cônjuges, mas em um ele confiava, pois, era o conselheiro e patrão do seu pai. Desde que lhe foi apresentado nunca mais se esqueceu do seu nome (Lei), a apresentação ocorreu no seu primeiro mês de gestação. Passou-se algum tempo, quando a nobre família recebeu uma carta de um cavaleiro de nome, Equilíbrio, dizia ser irmão da Política e que, estava desposto a ajudar no que fosse necessário. Na carta descrevera, as razões do seu sumiço. Contava também a história romântica que teve até se casar com a mulher dos seus sonhos, a mesma sofria com os males dos seus irmãos amigos e do irmão do marido. Ela chamava-se, Natureza, era um ser único, já mais comparada ou vista em qualquer outro lugar! Na carta mencionara também alguns amigos que poderiam olhar por eles durante a sua cruzada de volta a família. Falou da Lei e, sua querida esposa, Legislação. Dos primos da referida, o Juiz e o Jurista. Frisou os jovens que, passavam a vida brigando mas, eram audazes, um deles chamava-se Direito e o outro Código Civil. Seu irmão Cartório, os mordomos chamavam-se presidentes, eram prestáveis e astutos... 

 

Aguinaldo Gonçalves


 


 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s