s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Eliane Pereira Machado Soares
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
elianema@ufpa.br
Biografia

Eliane Pereira Machado Soares

Mora em Marabá, Estado do Pará- Brasil. Autora de “Crisálida”, livro de poemas premiado pelo Instituto de Artes do Pará, Prêmio Max Martins de Poesia, ano de 2012. Participou de duas antologias poéticas: Antologia Cidade Vol. II (2010) e “Ao Marulhar do Tocantins”, 2013.

 

MEIO DIA

 

Um sol, 

(sou  o Estrangeiro), 

eterno a pino,

delirante,

inclemente,

tirano,

de desatino.

 

Mas não suficiente

para clarear este caminho

 

de precipício  e pedras soltas

em que anda trôpego

e de pés descalços

o meu destino.

 

CIVITAS

 

Lá do alto, a cidade

parece não sentir medo

parece não ter maldade:

 

De noite,  vê-se carro e muita luz,

de  dia casa, nuvem e garoa

rio, mata e às vezes ponte

mas não se vê  gente, pessoa.

 

Tudo parece certo,  lá do alto a cidade,

Não fosse chegando perto

cimento, asfalto e a humanidade.

 

ID

 

É tarde, a noite avança,

Eu me conheço

tenho medo

de mim.

Sei quando isso começa,

não tem enredo

só o início  de um longo  fim.

Evito o espelho

mas há música ao longe

(ou talvez só o eco de uma fera

 que se  insurge,

espreita, tensa,

ruge).

Me dispenso, me  aconselho.

Me enfrento  , me faço a cruz

abro  os olhos, saio do escuro,

acendo a luz.

Ainda estou  lá.

na sombra ,

na gota que respinga,

não estou dentro nem fora

nada é maior e faz sentido

só esse agora.

O tempo é lento

me vingo no relógio

sinto amor, desejo , ânsia

e ódio.

No vidro frio,

deixo a marca de um fôlego

de arritmia.

Finjo coragem,

preparo as armas

enfrento a personagem:

meu medo  é o  meu guia

 

[...]

 

Combati ,

um mal combate,

perdi a luta, alma vazia

guerreiro ao solo.

Fico feliz.

Enfim é dia.

 

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s