s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Fernando Antonio Garrido
Nacionalidad:
Portugal
E-mail:
FERNANDOGARRIDO@NETCABO.PT
Biografia

Rua de Sant\'Ana

Estreita e imperfeita, és tu rua velha.

Pela tua calçada medieval, eu nasci…

Nas tuas pedras Românicas eu vivi.

Tua antiguidade sentia a restaurar,

Saltei pela tua inclinação Românica

Em pleno começo de Pena Ventosa.

Entras no burgo como uma vitória

Onde, outrora existia o teu arco.

Ainda hoje a santa chora a sua morte.

Onde prende a tua história

Onde contas glórias.

Onde poetas e trovadores,

Não deixaram morrer o teu encanto.

Em pleno coração do Porto,

Também és parte da humanidade.

Garrett, deixou-te imortalizada,

Com um romance de outrora.

No teu olhar canta a Igreja dos Grilos,

Com um canto de arte sacra.

Também tu és uma arte de rua santa,

Embelezada sobre muitas décadas.

Das fachadas da minha infância,

em plena Sé do Porto, tens uma herança.

Choram os meus olhos, à tua importância.

 

Farol

 

Não te imagino sem o mar

Nem a tua luz como imagem

Esses olhares que tu prendes

Na cegueira de uma margem.

 

Ao vir de longe das viagens

É sempre um sonho te avistar

Correndo das tempestades

Seguindo o teu chamar.

 

Muitos de santo te fazem

Em muitas costas o teu altar

Muitas vezes os salvastes

Do inferno em pleno mar.

 

Aos teus braços…

Aos portos chegaram

Na partida te ignoraram

Mas, tu farol

Iluminas sempre o mar.

 

 

Palavras escavadas

 

Sinto as palavras a escorregarem

Em ideias na sua tinta de raiz clara

Nas suas linhas fazê-las correrem

Do esforço em escava-las e junta-las.

 

Escreve-las no tempo e sem lugares

Entrelaçadas dirigidas ao teu olhar

Escalando com folhas em branco

Espero no descanso dos teus braços.

 

O teu nome é uma fonte de poemas

Onde procuro saciar nesse alimento

De palavras pintadas dos teus sorrisos

Misturadas sem ver mal nenhum nisso.

 

São palavras ditas com os teus lábios

Efeito em mim como um sedativo mortal

Só a leitura do teu corpo é um antídoto

Nas minhas letras como simples mortal

Cobre-me o túmulo com as letras letais.

 

 

 

 

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s