s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Pedro Valdoy [Cnsul - Lisboa Norte]
Nacionalidad:
Portugal
E-mail:
Biografia
A Garcia Lorca

As cinco da tarde
as meninas passeiam
com seus vestidos de festa
alegres com a sua inocncia

s cinco da tarde
as papoilas vibram
com o vento
no deslize sereno

s cinco da tarde
tangem violinos
na perenidade
do amor perdido

s cinco da tarde
os sinos da aldeia
tocam a rebate
na travessura incompleta

Mas s cinco da tarde
meu corao
balbucia e pensa
numa alma congnere

Mas s cinco em ponto
no alvoroo da tourada
na algazarra dos aplausos
um corpo cai e uma me chora.

***

pera

No silncio da sala
a audio
estremecia meu corpo
com aquela rea
de Tosca
A beleza o encanto
rodeava-me
coberto de sensaes
na delcia da rea
entoada por Plcido Domingo

Sentia uma sensao de bem estar
corroer meu corpo
deliciado irrequieto
perdido na solido
daquela noite
Minha conscincia
sentia-se perdida
no delrio de uma multido
encoberta pelo silncio
Minha alma sentia-se feliz

Os sons sentiam-se
no ardor de um corpo
frgil mas sereno
Outra rea renovava
meu esprito sereno
A felicidade renovava-se
misturada com o cntico
Ento o silncio fez-se
no trmino da pera
e os aplausos rodearam a sala.

***


Sonho


No silncio da noite
o relgio rodopiava
at eu fechar os olhos
Ento o tempo parou
Uma nvoa cobria
meu antro
e ento sonhei
que era um cavaleiro andante

Cavalgava por entre plancies
as nuvens rodeavam-me
com seu manto branco
vi os terrores da guerra
cadveres amontoados
Desferi minha espada
Uma luz se acendeu
no firmamento
e o mistrio dissipou-se
A morte desfez-se
em prantos de alegria
A ressurreio tornou-se
inevitvel

O despertar daquelas almas
aconteceu numa noite
de nevoeiro
O soar dos pssaros
apareceu ao amanhecer
e aqueles homens
abraaram-se fraternalmente
As armas desfizeram-se
em torres de areia

Senti um safano
e vi uma velhinha
toda sorridente
chamar pelo meu nome
Ento despertei do sonho.

***

As Flores


As flores
abriram a saudar o Sol
As ptalas soltaram-se
numa dana maravilhosa
a saudarem a Primavera

As abelhas cantavam
com mantos difanos
no sorriso do amor
Beijavam as flores
com suavidade

Era a maravilha da natureza
com a suavidade
da poca recheada de beleza
Os raios de Sol
cobriam com suavidade
os campos verdejantes

A rainha da Primavera
entoava cnticos
paz dos homens
que cultivavam as terras
sedentas de ternura

As crianas protegidas
pela mo de Deus
danavam no ptio
com toda a ingenuidade
para um futuro imprevisto.

***

CURRICULUM DE PEDRO VALDOY

Desde os oito anos que adora escrever. Quando estudante, fundou o jornal de Parede O GAVIO . No fim da dcada de 50 foi jornalista em Loureno Marques. Conviveu com Reinaldo Ferreira, filho do reprter X, Moura Coutinho e Jos Craveirinha, ento director do BRADO AFRICANO.
Tem poemas publicados em vrios jornais de Moambique, Ilha da Madeira e Portugal Metropolitano.
Participou nos Encontros de Poesia realizados em Vila Viosa, em 1988. Colaborou em diversas antologias de poesia.
Em 1990 publica o livro de poemas, POEMAS DO ACASO. Em 1991 edita mais um de poesia, H CANDEIAS NO FIRMAMENTO. Em 2001 NO SILNCIO DE UMA PALAVRA
Tem mais trs livros virtuais editados pela AVBL.
Presta colaborao no jornal POETAS & TROVADORES.


PEDRO VALDOY


pedro.valdoy@netcabo.pt

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s