s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Paulo Nunes Junior [Cnsul - Bertioga-SP]
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
INSENSVEL AMOR!...

Nossa!...Por ti derramei lgrimas, senti dores to profundas...
Que ecoavam sobre o universo, despertando at mesmo ateno dos anjos...
Quanto esperei de ti?...Quanto sonhei?...Quanto me humilhei?...
Entreguei-me de corao e alma lmpida depois da tua perseguio,
Acreditei em tuas palavras que me soavam como blsamo a minh alma,
Que j vinha de outros sofrimentos...
Abusastes de mim, retirando-me o bem mais precioso o sorriso,
Usaste-me como tua sombra, quando queria ser tua luz!
Deixaste-me ao relento da dor, da amargura,
Que carrego por ter acreditado em ti...

At o dia em que tropecei depois de saber de tuas traies...
Ah, dor imensa aquela sem saber se doa mais ser trado ou trair voc!...
Ao trair-te, em busca de minha prpria auto-afirmao,
Trai todos os meus conceitos e tudo aquilo em que acreditava,
O arrependimento bateu-me no fundo dalma,
Entrando por meus poros e instalando-se em meu corao amargurado...
Agora fico horas a tua espera, a espera da volta daqueles dias,
Em que fui amado desejado, querido, por voc,
Ah, que solido esta que me cobra tanto tua presena,
Onde ests tu? Para onde fostes? Como fazer-te voltar a me amar?...

Insensvel a tudo que eu sentia...Deixou-me e,
Procurastes alm da vida teu esconderijo, para l indo,
Onde pensas que eu no te vejo e nem te sinta,
Engano teu!... Ah que engano, pois o que sinto por ti...
Atravessa o prprio infinito e consegue sentir teu perfume!
Agora, aqui, sozinho, olho em busca de teu olhar e,
Deparo-me com as estrelas e elas me trazem lembranas
De teus olhos apaixonados, e me vem o desejo de amar novamente,
Mas tua insensibilidade me afasta de ti e me joga nos braos de outra.
Agora, parto em busca de outros olhos, de outra pele e de outra histria...


PERDI...

Nesta busca percorri os vales do descaso,
suplantei as dores vindas da humilhao,
tornei-me to rastejante que senti o gosto da prpria terra...

Em busca de teu calor aproximei-me do sol;
e ele era gelado perto da lembrana que tenho de tua pele.
Na busca de teus lbios fui em busca da lua;
e ela no tinha o sabor do amor que advinha de teus beijos.
Em busca dos teus olhos joguei-me nos oceanos;
e, nem mesmo eles, tinham a dimenso da fora de teu olhar...

Agora solitrio
a percorrer caminhos estranhos
lano-me em meio ao acaso sem saber o que me espera,
Quanto mais te busco,
mais a lgrima da saudade me cobra tua ausncia,
Por mais que fuja de ti teu cheiro est entre meus lenis
e, neles, lano-me para poder sentir-te...

Ah!...Como sobreviver?
Como continuar a trilhar este caminho imposto pela senhora vida
se agora me sinto zumbi de meus pecados?
Ah...Como corroi esta ausncia de tuas mos,
das tardes em que trocvamos confidncias
da comunho de corpos, da entrega de nossas almas?...

Agora vem a senhora verdade -
impiedosa - mostra-me que te Perdi,
Como a sentena de minha prpria morte
a levar-me nos braos da Solido...

Se Sou...Serei...

Se outros vos mostram a lua,
Ento, vos mostram a mim mesmo!
Se, ainda assim, te mostrarem o sol,
Serei eu novamente!...
Se, te mostram o oceano...
Mais um vez serei eu!...
Como poder procurar outros braos
Se, a tudo estou em para ti!?...
Entrego-te o ser em minha alma,
Entrego-me a todos os teus desejos,
Em todas as formas sem pudores,
Sem pensamentos.

Voc minha fora
Meu maior poema
Voc minha escrita mais doce!...
A fora para as palavras severas,
Meu acalento quando sou magoado.
Que mais frgil ou gigante
quando escondido eu reapareo
Movo-me por encantos teus
Como se tu fosses a prpria terra...

Ah, e se fosses a terra?!...
Seria eu a borboleta em teu aroma...
Seria o pssaro a cantar-te a vida,
Seria o riacho a levar-te as guas e,
Ainda, que os ventos soprassem...
De teu ntimo viesse o calor, teu manto interior...
Eu seria o mar a banhar-te s margens...
Para acalmar-te aps a erupo!...

Mas se olhares para o cu e, alm de mim,
outros vos sadam e contemplam...
So demais movidos por teu esplendor de amor...
Mas o meu olhar se faz diferente,
Nosso amor foi escrito em outros tempos,
outras vidas...prometido entre anjos
que hoje nos sadam...
Nossas vidas tomadas neste sentimento
Superando e dando foras necessrias...
vencendo a tudo e os opositores deste sentimento.

Hora sinto-me criana em teus braos,
Hora homem,
em nossos momentos mais ntimos...
Sinto estar contigo em meio s estrelas...
xtase que me provoca tua pele!....
Fiz-me te amar pelas mos...
Mos que sempre estiverem a disposio na dor,
Mos que me ajudaram a suportar
Dores inaceitveis a muitos

Hoje quando penso que posso perder-te...
Lano-me ao vale da tristeza e, l fico,
esperando meu fim, nada, far sentido,
Haver em mim a fora de antes?...
Voc meu alimento,
Se sou anjo [como dizes]...
s as minhas asas!...
Se sou tua noite, serei ento estrelas
para iluminar-te sempre
Se sou teu amanhecer serei sempre
o Sol a te aquecer,
Te amo...Te amo...Te amo!...

Biografa
PAULO NUNES JUNIOR
- Sou brasileiro, vivo, empresrio, escrevo h 4 anos, Acadmico da Academia Virtual brasileira de letras, resido no litoral norte Paulista, Bertioga, sou fundador da Instituio Christian Reis entidade voltada ao atendimento de famlias carentes, terapeuta especializado em dependncia qumica, adoro a natureza, e creio ser a poesia um dos instrumentos para divulgao do amor.


paulonunesjr@uol.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s