s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Mara Hilda de J. Alo
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

OLHA! SOU EU

Olha! Sou eu.
Será que importa
Se bate a sua porta
A peregrina do Universo
Procurando místicos sons
Para seus versos de amor?
E depois de misturar cores
Para pintar nos astros
As belas imagens
Esboçadas pelos sentimentos,
Importa que bata a sua porta?
Olha! Sou eu.
Depois de muito garimpar,
No veio da inspiração,
Diamantes de saudade
Para compor um colar de versos,
Importa que bata a sua porta?
Olha! Sou eu.
Que diferença faz escrever,
Em papel ou em l,
Palavras esculpidas no mundo espiritual
Se elas reverberam nas fibras d’alma?
Deixa-me entrar, Deusa da Poesia,
Neste castelo onde viveram
Os grandes poetas do mundo.
Juro que ficarei num cantinho
Rascunhando meus versos
Com a pena da emoção
No rodapé do salão.

............................

VIVE EN MI UNA MUJER

Vive en mi una mujer
Con la voz de mares bárbaros
Con labios de olas y arenas
Y besos de nubes y viento.
Vive en mi una mujer
Hecha de añoranza
Que no cuenta su historia
Porque si la contara serian palabras
Escritas en antiguo libro
Que nadie lo ha leído.
Vive en mi una mujer
Que rezuma sueños y deseos
Aunque si escurran los años
Como el agua de la lluvia
Entre los dedos del tiempo.
Vive en mi una mujer
Llena de alegría y perdón
Hablando una lengua que gime,
Y solo la entienden las almas
Que han conocido el sufrimiento.
Vive en mi una mujer
Con la luna en sus manos
Y al mediodía entera si arde
En el fuego de una pasión
Renaciendo como las flores
Llena de hermosura y frescor,
Y, sin temblor bebe el vino
Envasado en la botella
del mismo acero que moldea
la voluntad de vivir.
Vive en mi esta mujer...
..........................

DEIXA-ME FICAR MAIS UM POUCO

Hoje olhei para o céu e pedi:
- Deixa-me ficar mais um pouco
Porque faltam tantos lances
Que ainda não pude ver
Da obra que Tu criaste.

- Deixa-me ficar mais um pouco
Ouvindo o canto dos pássaros,
O rumor da cachoeira cravada
No verde corpo da montanha.

- Deixa-me ficar mais um pouco
Ainda não terminei o aprendizado
E o espírito não está preparado
Para o momento da apresentação
Sem ter aprendido a lição
Que o Mestre mandou estudar.

- Deixa-me ficar mais um pouco
Para encher os meus olhos
De azul das águas do mar,
E assim poder entender
Qual era o Teu propósito
Quando criaste tudo que existe.

- Deixa-me ficar mais um pouco
Para que eu continue a Te receber
No instante em que o sol
Rasga o escuro véu da noite
E possa por tudo agradecer
Quando por Tua ordem
O sol fecha seus olhos de fogo
Para descansar sob o Teu manto.

- Deixa-me ficar mais um pouco
Para unir minha voz a de tantos
Implorando a Tua misericórdia
Para amenizar tanto sofrimento
Vivido neste momento
De transição da humanidade.

biografia:

Maria Hilda de Jesus Alão
nasceu em Itabaiana [SE]. Estudou na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Santos, formando-se em Letras. Ministrou aulas de Língua Portuguesa para alunos dos Ensinos Fundamental e Médio.
Estudou francês na Aliança Francesa de Santos e espanhol no CNA.
Participou de vários concursos de Poesias e Antologias, tendo conquistado o 2º lugar no 5º Festival de Poesia \'Marechal Castelo Branco\' - Santos - menção honrosa da Academia de Letras e Artes de Barretos; menção honrosa no concurso de poesias Von Breysky, patrocinado pelo site da Magriça. Participação nas Antologias: Tempo Definido, Palavras Escolhidas e Livre Pensador, da Editora Scortecci; A Árvore da Vida, editada por Arnaldo Giraldo; Antologia 22 - editada pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Verano Encantado, Penumbra y Amanecer e Solamente Palabras, do Centro de Estudios Poéticos, de Madrid – Espanha, com poemas em idioma espanhol. Livro publicado – Poemas da Maturidade – Editora Scortecci.
hildaalao@terra.com.br
http://www.contos.poesias.nom.br
http://www.flogao.com.br/mhjalao

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s