s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Daniele Dallavecchia
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
QUELE SENHOR

O que fao com este meu corao?
Se toda vez que vos vejo, senhor,
Trmula fico pelo encanto desta viso.
Se teus olhos deixam-me em torpor.

O que fao com toda esta emoo?
Se decidida em no querer-te, senhor,
Foge-me o controle do corpo e da razo.
E se ao te conhecer enlouqueci de amor.

Mas o que me entristece neste meu querer,
saber de nossos destinos to diferentes.
E mesmo se fssemos inconsequentes,

No poderamos deste sentimento viver...
E quanto mais luto para o inverso
Mais vos amo em cada letra, cada verso.

AVES DE RAPINA

Dizer que sou triste infame a verdade,
to pouco sou a imagem do contentamento.
Revolta-me, por vezes, esta sociedade,
que me causa n'alma tanto estranhamento.

Quantos valores desviados por vil vaidade,
num mundo acabrunhado em seu tormento.
E os prncipes que reinam com maldade
Entre os frgeis de esprito e pensamento.

Sim, esta crueldade crescente rouba-me a paz
e sonho com outrora, onde ainda no se via
a crueldade atacar sem d a cada esquina.

No sou triste nem to pouco sou capaz
de cegar-me em devaneios seguindo revelia.
Somos vtimas perfeitas das aves de rapina.

AO MEU AMOR

Que triste e bela a nossa histria de amor,
To nova, to inexplicvel e to impossvel...
Pedir para amar-te com todo o meu calor,
como amar a um deus inacessvel...

Sou o desejo que transborda pelos teus poros
e envolve teu corpo sereno com meu perfume...
Mas se para a divina Vnus um beijo teu imploro,
Juno no permite nosso encontro por cime.

Te quero, te espero e te vejo como voc , cuore.
No preciso de perdo, explicao nem promessas,
Sou um corao que pulsa incessante, mas nunca chora.
No tenho esperanas, nem sonhos, nem pressa.

Tudo o que posso te dar amor... Amor por amor...
No sei se s fogo ou gua, se s bruto ou suave,
Sei da chama que me deixa em brasa, puro torpor!
Pouco importam os dilemas, sou tua pequena nave.

Voa em mim, nada somos! Enlacemo-nos simplesmente.
A distncia afasta dois corpos, nunca duas almas,
Quero tuas alegrias e tuas tristezas, quero teus sentimentos,
E sentir no meu corpo teus sentidos e ser aquela com quem te acalmas.

biografia:
Daniele Dallavecchia


danieleld@ymail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s