s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Cristina Maia Caetano [Aveiro]
Nacionalidad:
Portugal
E-mail:
Biografia
AMOR VIDA

Vento, chuva,
Neve, sol,
Influenciam o tempo,
Influenciam a vida de qualquer ser vivo.

Arvores, plantas, flores,
Pedras, peixes, animais,
Flora e fauna pois,
Que, devagarinho invadem
A natureza me!
Essa. a tal que nos une.
A tal que nos rodeia.
A tal que nos diferencia.
Afinal. Em qualquer ponto do planeta,
Do mundo, do universo,
Tudo o que mexe, pura e cristalina vida!

Quanto ao amor? . Esse! .
Estar impregnado com o amor divino em tudo e em todos?
E quanto aos diversos conceitos de amor?

Nesse momento fecho os olhos!
A minha respirao suave,
A minha barriga o motor de arranque e controlo!
Nas minhas retinas, imagens rodopiam,
Imagens coloridas,
Imagens impregnadas de alegria e energia,
E. aos poucos o meu amor divino surge.
Primeiro sobre a imagem de gaivota,
E sim, o meu corpo,
Velozmente, ganha uma branca pelugem!
Rapidamente, fico $3>forizada,
Em Mrmore rosa me transformo,
Mas quente, muito quente.
Depois. uma leoa traquina
Corre e corre velozmente.
Atravs da sua presa,
Com olhos fixos nas suas doces crias!
Num golfinho, agora viro.
E nado, nado velozmente, graciosamente.
At que entro num lindo lago.
Sim., agora sou j Ltus,
Linda, linda flor que sou.

Nas minhas retinas,
Agora sou um corao,
Um gigantesco corao,
Que em qualquer ser bate e bate.
Sente. e at ama .
Sentimentos, puros e genunos soltam-se.
E o 'ver'. esse,
Em olhos, de bondade, penetra,
Inundados de poesia e amor.

Lentamente .a minha forma humana,
Ganha terreno e, expande-se!
J, de olhos abertos,
Rodo suavemente o pescoo,
A mensagem, essa tinha-a sentido bem.
Um estado profundo.
O enraizamento de um ser.
De qualquer ser.
Ladeado por um universo,
Busca interna e extensiva do meu ser,
Floresce.
E . A espiritualidade.
Vitoriosamente, sai reforada!

Rodo novamente o pescoo,
Suave, suavemente.
'Amor vida', impregna-se nas minhas clulas,
Tal, como, em uma doce unio,
Tal, como, em cada um dos porinhos do meu ser.
Que freneticamente, clamam,
Um amado e respeitoso 'amor de vida',
Lenta, lentamente,
'Amor em vida' se converte,
E tudo se transforma.
Suave, suavemente.!

UMA GOTA DE GUA DO OCEANO

Uma gota de gua do oceano,
A mesma matria do oceano contm.
At, idntica na sua composio,
Nas suas caractersticas e nas suas qualidades.
Mas o poder do oceano, no contm!

Uma gota de gua no oceano,
a individuao e no o colectivo,
E a individuao e o colectivo no so iguais.
Escalas diferentes tm!

Uma gota de gua no oceano,
Vrias gotas de gua no oceano,
Unidas, imensas coisas juntas fazem.
A quantidade de gua avoluma-se,
Muitos e variados peixes,
Passam a albergar,
Passam a alimentar!

Suaves ondulaes,
Brancas ondinhas,
Ondas e vagas,
Podem criar e recriar,
Simplesmente,
Porque juntas esto,
E para o mesmo lado,
Todas simplesmente seguem!
E felizes, descobrem,
Que a unio, faz a fora!
Que a unio faz parte da vida,
Que a unio da natureza faz parte!

AMOR AMOR

Amor amor.
Actividade emocional,
Aromtica fragrncia,
Essncia romntica,
Amor amor!

Quem ama,
Partilha,
Incluindo o tempo,
Esse. tal.
Hoje em dia,
Regateado to,
Nesta era de sbitas mutaes,
Onde, mudana,
Palavra de ordem,
Em Amor se converte,
Sim, amor, mudana !

Quem ama,
Bem, a dor alheia avalia,
Bem, alivia-la tenta,
Bem, alegria desenvolve,
Sempre,
Ao servio do bem-estar,
Ao servio do sucesso,
Dos outros,
Em auxlio, bem comutado,
Sem nada em troca esperar,
Sim, amor, compaixo !

Quem ama,
Antdoto do dio e do rancor,
Antdoto da malevolncia,
Antdoto da intolerncia e da inveja,
Rapidamente se altera,
Em calma,
Em seriedade transformado,
Em tudo de bom modificado,
Sim, amor, tudo de benfico !

Quem ama,
Apenas para sentido ser,
Sem misturadas palavras,
Seja na simples contemplao de um rosto,
Nele, o rosto de todas as criaturas,
Se v,
Se Observa,
E, rapidamente,
Um em todos transmudado,
De todas as cores $3>morfoseado,
Na alegria e unio,
Do Amor, vida !
Sim, amor amor!
Sem dvidas ou questes,
Simplesmente, amor !

biografia:

RESUMO BIBLIOGRFICO
Cristina Maia Caetano
nasceu em Angola, viveu em Moambique e presentemente mora em Aveiro - Portugal. licenciada em Planeamento Regional e Urbano pela Universidade de Aveiro; Ps-graduada em Estudos Europeus e Comunitrios pelo Instituto Superior de Cincias da Informao e da Administrao [ISCIA] em Aveiro e, Mestre em Estudos Africanos pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Tem Curso de Monitora de Artes Decorativas em Madeira e Curso de Monitora de Artes Decorativas. Frequentou Curso de Vero 'Oficina de artes - pintura a leo' e, um semestre num Curso de Pintura e Desenho, pela Universidade de Aveiro - Associao do Conservatrio Regional de Aveiro - Calouste Gulbenkian. Tem formao em Contadores de Histrias [Clai- Aveiro], continuando a efectuar estudos nessa rea.

Tem vasta experincia profissional, que passa desde Professora, Agente de Desenvolvimento, Directora de Servios, Tcnica Superior de Planeamento Regional e Urbano.
Membro da Associao de Artistas da AveiroArte [Aveiro], da Sociedade Portuguesa de Autores e da Unio Lusfona Letras e Artes [U.L.L.A].
Pintora e escritora [na rea das crnicas; poesia; contos infantis e romances], foi cronista no Jornal de Abrantes, Jornal Dirio de Aveiro e na Rdio FM Aveiro e actualmente cronista no Jornal Pinhel Falco e Jornal Raiz On-line com a crnica Ver e Sentir. Editou o seu primeiro livro em 2004, Conhecer o teatro em Moambique e, ilustra os seus prprios livros como o caso da coleco de sete volumes da Fadinha Ltus, cujo primeiro nmero, A Procura, foi editado em Dezembro de 2008.
Em 2009, participa na Antologia do Amor da U.L.L.A e na Antologia De Poesia Contempornea Entre O Sono E O Sonho.
Em 2001, iniciou a sua participao em vrias exposies colectivas de artes decorativas e de artes-plsticas. Comeou o seu fascnio com o carvo, mas acabou por se apaixonar pelo leo, dedicando-se a aperfeioar o seu manuseamento juntamente com utilizao de tcnicas mistas. Tem vrios quadros em diversas Instituies. Em 2008, participa com mais 17 artistas da AveiroArte na realizao de um Painel dos Direitos Humanos exposto na entrada da Estao de Caminhos-de-ferro de Aveiro, no mbito das comemoraes do 60. Aniversrio da Declarao Universal dos Direitos Humanos.

cmaiacaetano@gmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s