s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

David Nobrega
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
----------- alma:

Te olho radiante e sorrindo
Me faz menino
Me faz contente
E, em torno de teu corpo
Vejo a luz dourada
Reflexos de tua alma
Da tua beleza interna
Ofuscando a pele morena
Mas assim mesmo
Realando
Adornando
Teu sorriso eterno
Aquele que meu desejo
Soma do muito que quero.
No sei o quanto mereo
Ou se mesmo sou necessrio
Para que essa tua boca
Carnuda de tantas falas
Expresse em um simples
'Te amo' agridoce
E me faa sempre menino
E me faa sempre contente
Enquanto te olho assim,
Calada
Brilhante
Sorrindo para mim.

---------quatro cavaleiros:

A bordo passageiros simplrios,
Donos das verdades, mentirosos contumazes,
Ladres de casaca, defensores de que humanidade?

Entrem e se acomodem, por favor
Partiremos em breve para logo ali
Perto de todos, longe do povo
Todos a bordo!

Acomodados? Felizes?
Tomem mais um usque!
O carrinho com douras logo passar.
Assim que a viagem comear.

Tudo certo, estamos nos trilhos
Preparamos manjares deliciosos
Comissria, tranque as portas
Nosso baile logo comear.

O destino de todos desconhecido
Menos a mim, assim me tenham como amigo
Aqui apareci somente para livrar o mundo
Limpa-lo de vocs, pobres imundos.

A Conquista quem vos fala
A Guerra quem lhes conduz
A Fome poderia ser vosso nome
A Morte vossa aprendiz

No apocalipse de iluses medocres
Pensam que esto a salvo?
Sero eternamente dominados
Por todos os sete grandes pecados

E aqui se inicia a punio
Por todos os crimes j cometidos
Queimaremos neste vago
O poder desmedido
O dinheiro indevido
O saber comprometido
O ego pudo.

Que assim seja...

------------ impublicvel

Amei-te aos pedaos esta noite.
A cada pequeno instante de sono forado
Um bocado de teu corpo me surgia.
Grandes pores de pele amorenada,
De olhos desejosos
De boca proibitivamente querida.

Me fizeste um insone sabias?
s culpada, sendo eu jri e juiz,
De me trazer o desconforto de no ter teu corpo.
s culpada de me fazer usar o 'amei-te' que disse a pouco,
No em sua forma pura de sentimento
Mas na vontade carnal, quase animal.

No te disse que o controle fato?
No te avisei que sou cheio de regras,
racional e desimportante?
Fazes algo de mim algo que no gosto,
Emocional e pesaroso.

Quem pensas que s
Me atirando olhares adolescentes
Atiando algo antes contido e escondido
Fogo interno sob cinzas de iluso?

Preferi dar-te um tempo.
E agora arrependo-me.
Oportunidades viro.
E sei que sero.
[mesmo assim...em infantis rimas em 'o']

biografia:
David Nobrega

Contistas, cronista, poeta, fotgrafo, editor, ilustrador e webdesign.

Autor de Uns & Outros, lanado em 2009, prepara a publicao de 'contos que ningum conta', pela Editora Novitas com apresentao da escritora Ana Mello.

Natural de So Paulo, atualmente reside em Santa Cruz do Sul. Participou da exposio: Imagem e poesia com fotografias suas e poesias de sua autoria.

Participou da I Coletnea Scriptus - Um Balaio de Ideias e do e-book 'apenas o necessrio', ambos editados pela Editora Novitas.

Mantm a Editora Novitas juntamente com sua esposa -- a poeta Letcia L. Coelho --, onde ambos desempenham a funo de editores.

contato@davidnobrega.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s