s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Jorge Santos
Nacionalidad:
Portugal
E-mail:
Biografia
Sei o motivo

Sei os motivos das chuvas,
Porque o meu corao cala quando ela pra,
Porque a minha respirao enfurece quando ela galopa
Porque a minha pulsao cresce quando m 'imola na rocha crua,
Quando receio a chuva e o frio,
Vento e Irrompo descalo e nu plo espao vazio
E entrego tudo s chuvas e de cheiros fortes encho o peito
E nestes cadernos, lavado em lgrimas me entrego ao delrio
E aos amados motivos dos seios prenhes e d'guas doces planas.

Quando cinzelo de palavras teu corpo de lama imerso
A sons perfeitos que malho a mao e martelo,
Sei do motivo das chuvas fortes
E irei ao fundo do delta ao cabo
Sem contudo conseguir 'elegir o vibrato' certo
Que dilua a chuva avessa e fenda o granito
De tua face de sede e invento,
Sendo eu fogo e algemado ao intento
De te roubar por fora e por dentro
Como desterrado por ser tara, intruso e Elfo.

Sei os motivos das noites e dos dias
Mas sei to pouco das tuas magias

Jorge Santos
[2010/05]


Tear

Alguma coisa me chama bem-vindo
E em forma de halo ou anseio
Reno-me na teia, nomeio
Os corpos magros e com eles mafundo,

To plido que nem me reconheo,
Na poa inunda lua feia.
Alguma coisa v me desafia,
Do poo sem vontade em que me fixo

E dele transbordaria se chorasse
Ou fosse destes ombros despojado
Como casta de gente que em mim cesse

E vejo a mestra do esconcavado
Tear como fosse vivo e falasse
Da rede morta que me vai cercando.

Jorge Manuel Mendes dos Santos
05/05/2010


Na orla da noite

'Na sombra da noite, fachada onde as estrelas imitam luz,
Nela venho mascarado, nica coisa minha igual frente e verso,
Que tomo de corpo e alma e fao parte desse seu vulto denso
Onde eu me perco e de mera sombra me torno num outro e noite dentro tambm,
Mas sem sonhos por perto, que no sejam as estrelas paradas em cima de mim
Nem sou nem mais fui esperado na orla da penumbra sem fim'

Jorge Santos
04/2010


Frases

partidas

Tenho muitas frases, como aquela da lua fundida
Entre o cais e a mar,
Frases do andar por andar da gente na rua despida
De frases fundeadas e sem p,
Frases que querem vir para a frente do ttulo e desmenti-lo
Depois em rodap.
Perdido estou em magras frases da minha rasca vida !
Rendida em contadio
Perdido na manso ou corredor temporal da frase sem sal
De facto, no,
No tenho agora frases que sirvam de verdade a todos e tudo,
Elas, por um nada mentem,
Tenho umas outras frases que se me avizinham
E me enfrentam,
Frases fininhas, em tiras, na mente, que me vm e vo,
Frases singulares,
Em gatafunhos secretos e sinais na fase do sermo
Aos peixes,
Que um mero filsofo [ares a fidalgo da rua] de nico sentido
[Ainda que extranho] Inventou de repente, para meu intimo e vo uso.
E rondo frases roda da tabuleta melancolia,
Seu interminvel e redondo uso!
No me encontro com ningum que me louve
Ou me sublime,
[tenho fases, como a lua, aquela lua fundeada entre o cais e a mar.]
No dia em que algum perguntar ser minha
A frase que algum pessoa leu,no dia de eu ser s eu
E, quando chegar esse dia,
O outro eu liberto de cada pagina em tiras fininhas cortada,
partiu e, ento comigo, j viveu.

Joel Matos
04/2010


Biografa:
Jorge Santos


Sou daquelas almas Que as mulheres dizem que amamE nunca reconhecem quando Encontram,Daquelas que, se elas asreconhecessem, Mesmo assim no as reconhec. sinto uma linha que me divide o concreto e o fsico,dor extrema no peito.Sofro a delicadeza dos meus sentimentos,De alquimista e maquinista dos invernos Com uma ateno desdenhosa. Como dos caracis recolho-me e delesTenho todas as qualidades,Pelas quais so admirados os poetasromnticos, Mesmo aquela falta dessas qualidades, pela Qual se realmente poeta romnt.Encontro-me descrito em parte em vrios romanComo protagonista de vrios enredosMas o essencial da minha vida, como da minha alma No ser nunca protagonista. antes ser autista quando preferiria ser artista e qui igual ao Anarquista do conceito quando afinal sou grosseiro. O cais, a tarde, a maresia entram todos E entram juntos, na composio da minha angstia.As flautas dos pastores impossveis no so mais suaves Que o no haver aqui flautas e isso Lembrar-mas.nos ermos que lasquei fascinado Sem encontrar uma clave de Sol e os tesouros d'ouros prosados Me levem daqui ps migrados de aves de voo Tantas vezes replicado no sul Joel em PESSOA
http://namastibetpoems.blogspot.com/

namastibet@gmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s