s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Teresa Tudela
Nacionalidad:
Portugal
E-mail:
Biografia
”Voz de Mulher Ameaa da Guerra”
[Poema alusivo ao incio da guerra no Iraque]

Homem

algures
no ovo de impulsos ocultos
enredado em linhas matriciais
as mais dilectas
um grito implodido
em sim morte

agora a guerra

cego
descarnas o dia sem razo
ensaiando as vestes
de um futuro
virtual
assente em togas longas de veludo
poder falso
oco
inchando prenhe desligado do cho

amplo negro o do futuro
esvoaa

persistente sobre o vagido
de um bero tenro inhabitado
ou de mos doces

homem
fica a rocha desnuda a gua um lodo
onde deviam estar a terra os frutos
as fontes de vida cristais puros
impolutos

homem
senhor da vida
dono de trevas
quebrantos
dizem-te autos passados
aras
vozes limpas
escuta

do que se teme faz-se o luto

por se tomar de dentro e em seu lugar
plantar firme a f e a tocha acesa
resoluta

em p
levante
faa-se vida

adiante a guerra
agora a paz

me alma
agora a luz

que lmpida por diante
amanh se veja a estrada
e sem assombro a madrugada

Teresa Tudela,Fevereiro/2003

________________________

Pais agem]

o tempo urge favos e alfazema

baixam estorninhos rasos a terra
por sementes
e escorre a gua lmpida da lama
deixando ntidos olmeiros de p
contra a centelha oblqua da tarde

sei-me agora igual mosca
dna contado a todos
brancos negros amarelos e a ela mas
amasso o trigo loiro entrementes
de laia e feio diversas
de pena na paisagem folha
branca tela espelho
cinco sentidos a discernir em vo
seiva e sangue e ar que me seja alheio
:
assim certo que amo
e comigo toda a voz da terra
:
quod sum causa tuae viae
e se bem sou a razo da tua viagem
a ti vir tambm toda a carne

abre-se o rubor dos lbios em corola
papoila oculta em asas de beija-flor

e quem vir
aposto
julga que me estranhamente assombro e rio

[Teresa Tudela, 2004]

_______________

Algures
fora do templo
um homem derrama lgrimas de sangue permanentes


morada desconhecida

Chernobyl ndia Hiroshima
Afeganisto Tailndia Japo
Iraque Indonsia Nepal e China
qualquer lista de alcatro
qualquer cidade perdida

a histria comea aqui
hoje natal outra vez e nasceu
hoje um dia banal outra vez e nasceu
hoje um gesto banal outra vez e nasceu
hoje Abril outra vez e apesar de tudo
nasceu

hoje o condenamos a lgrimas de sangue
outra vez
uma e outra e incessante
mente

Teresa Tudela, 2004

__________________________

biografia:

Teresa Tudela
Escritora e directora da Unidade de Cultura do Instituto Superior de Engenharia do Porto, Mestre em Lngua, Cultura e Literatura Inglesa e especializada em Teoria da Comunicao. Desenvolveu trabalho nos domnios de cincias da educao, metodologias de projecto,
formao de professores, tecnologias educativas, software educacional, edio electrnica, teoria da comunicao, tecnologias de informao e comunicao, nomeadamente, cd rom's, pginas na Internet e web sites. scia fundadora do Instituto Verney para o Conhecimento e autora do site “Mulheres Portuguesas do Sculo XX”, online desde 2000, em: http://www.mulheres-ps20.ipp.pt.

No mbito acadmico, tem publicado artigos e comunicaes em livros de actas e em publicaes peridicas especializadas e online, no domnio de Tecnologias Educativas, Women's Studies e Cultura. ltimas publicaes: Tudela, T., 2004. Propostas de Leitura para Generation X - Algumas Implicaes da Escrita/Comunicao Mediatizada por Computador, Porto: Politema; Tudela, T., 2005. “Intertexts, Cytexts, a Body Online”, In: Peter Collier ed., Identity and Cultural Translation: Writing across the Borders of Englishness. 1st ed. Oxford: Peter Lang, 247-259.

No mbito literrio, tem alguns ttulos publicados, sendo o ltimo, Sete Transmutaes da Casa, Editora Ausncia, 2002 e, no prelo, T. a Bernardim, Campo das Letras, 2006.

Participa em publicaes colectivas, colaborativas e online [eg participao em O Fulgor da Lngua - Coimbra, Capital da Cultura: co-autoria de O Estado do Mundo, Ed. Minerva, 2005], em traduo de poetas estrangeiros [Seminrios da Casa de Mateus / Quetzal Editores], e em colectneas e antologias temticas, sendo as ltimas: Na Liberdade, Antologia Potica, Gara Editores, 2004; Algarve todo o mar, Colectnea, Adozinda Providncia Torgal e Madalena Torgal Ferreira Org.s, Dom Quixote, Lisboa, 2005; A Palavra Ardente, II Bienal de Poesia de Silves, 2005; Os Outros, Poesia Portuguesa da Dcada de 80, Ed. Ausncia, 2005. No prelo, 'Herbarium, Blue Prints, 1980', Dematos Ed., 2006.

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s