s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Joaquim Crispiniano Neto [1: Cnsul - Estado do Rio Grande do Norte]
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
NO ANO QUE FALTA INVERNO O
POBRE SOFRE DEMAIS

Crispiniano Neto


de cortar corao,
os pobres na indigncia
e o servio de emergncia
em atraso e confuso
Senhor ministro, o serto
no t suportando mais
nesses dias nossa paz,
pode tornar-se um inferno
No ano que falta inverno
o pobre sofre demais
Rezando pr So Jos
rouba santo em procisso
quase louco estende a mo
nos ltimos degraus da f
mas v que a seca no
por ordem de satans
a culpa de quem no faz,
nada, mas diz: - Eu governo
No ano que falta inverno
o pobre sofre demais
Governo, tenha coragem
de melhorar o serto
com planos de irrigao
reforma agrria e barragem
com crdito e audagem
que no vai ter seca mais
trabalhadores rurais
vo viver num bero eterno
No ano que falta inverno
o pobre sofre demais.


A peleja de Lula com Maluf
Crispiniano Neto

Agora quero ateno
De leitores e eleitores
Pra se ver Lula e Maluf
Como dois debatedores
Um defendendo oprimidos,
Outro a favor de opressores.

Pelejas de cantadores
No Brasil sempre se fez;
De Serrador com carneiro,
De Pinto com Milans;
Agora entre polticos
Um pobre e outro burgus;

Conforme todos conhecem
Lula um operrio,
Lder honesto e valente
E Maluf, um empresrio,
Politiqueiro e corrupto,
Desonesto e salafrrio.

Esta peleja se deu
No vdeo da Bandeirantes
Onde Maluf dizia
Derrotar todos gigantes
Mas no fim Lula mostrou
Os versos mais triunfantes.

Lula como nordestino,
Poeta pernambucano
Chegou de viola em punho
Pra pelejar sem engano;
Maluf, muito elitista,
Se apresentou com um piano:

LULA - Maluf, trema nas bases,
Porque chegada a hora
Que quem t em cima, cai;
O pau mais forte se tora
E agora todos seus podres
Sero botados pra fora!

MALUF - Homem que homem no chora
Quem no pode se sacode;
Sou a fora reforada
Hoje ningum lhe acode,
Porque eu acho 'infeliz
Todo poder que no pode'.

LULA - Um fio do meu bigode
No treme em sua agresso,
Eu quero analisar
Os problemas da nao,
Cantando um Brasil Caboclo1
De Me Preta e Pai Joo!

MALUF - No sei como isso, no,
Pois nunca fui violeiro;
Voc que me provocou
Pode comear primeiro
Que eu vou ver se acerto
Na sombra do seu roteiro.

Biografia:
Joaquim Crispiniano Neto
, natural de Santo Antnio do Salto da Ona um homem multifacetado: engenheiro agrnomo, advogado, jornalista, violeiro, repentista, cordelista, produtor cultural e ex-candidato a prefeito e a vereador de Mossor, e presidente da Fundao Jos Augusto - Fundao de Cultura do Rio Grande do Norte desde 2007, membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel

crispinianoneto@gmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s