s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

M Macico
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
NINGUM CONSEGUE NO SORRIR COM SORRISO FELIZ DE CRIANA...

Tome o sorriso
de uma criancinha
coloque num saco de papel ou
esconda dentro da mo
feche
Carregue pela rua
leve at fora de casa e
abra
Ningum resiste a sorriso
feliz de criana
Abra segunda
de dentro da fbrica
leve at a Bolsa
eles tambm precisam
sorrir
Solte o sorriso pros
retirantes da seca
Porque ningum resiste a
sorriso feliz de criana
Leve pelos bares, becos
mares
De dentro dos tanques de guerra
abra o sorriso quando
a noite ficar escura
Tire o sorriso de dentro do saco
para uma menina com
medo
E para um homem
que no tem medo, mais
afinal, ningum consegue
no sorrir com sorriso feliz de
criana
Jogue de cima do telhado
mande pelo correio
As pessoas precisam dum sorriso

SETE MIL ASAS

Mas ainda restam
sete mil asas
e o cabelo ao vento
que projetam-se ao caminho
Com paixo e coragem
Com medo e esperana
dum lugar outro
que j se constri
num corao inquieto
Que o que faz as asas
se agitarem
o que faz o caminho
originalmente sedutor
O que faz do vento
a voz mais ouvida
Porque queremos voar
independente
de como esto os ares
E do solo dos coraes
tiraremos sementes diferentes
Que nascer dessas sementes?

O RELOJOEIRO

Relojoeiro que consertava relgio
chegou na cidade
Ele dava receita
Que de tanto consertar
o povo ficou com a impresso
que ele tinha a cura
Passava remdio, passava folha
e a casa dele, pequeno, apertada
vez em quando ficava cheia

Quando fazia correr
um relgio que parava
a vida continuava
e o relgio nunca mais parou
Tinha at gente que dizia
que quando ele receitava
era um pedao de sua prpria vida
que ele dava
Que ficou doente
pouco concertava relgio
pouco receitava
O ltimo relgio que consertou foi
um jovem
Todos ficaram querendo saber
da ltima palavra do
relojoeiro que curava
E muito se falou pelos arredores
se era relojoeiro
se era curandeiro
E as ltimas palavras:
Nunca Use Relgio

biografia:
M. Macico [Mrcio L. de Oliveira]
natunral de Pernambuco vive e atualmente em Feira de Santana, Bahia. Desde criana as letras lhe seduzem, e deve a sua me, professora, o encanto por elas. Aos 14 anos nasce sua misso de poeta com seus primeiros escritos nas aulas de Literatura da professora Marlice Aipei. Dai em diante a poesia daria significado permanente em sua vida. licenciado em Teologia e Filosofia; hoje estuda Histria, trabalha no ramo farmacutico e leciona Teologia para comunidades catlicas e... escreve, escreve, escreve...

macico_m@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s