s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Jos Alexandre Ramos
Nacionalidad:
Portugal
E-mail:
Biografia

MOSTRA-ME

mostra-me
a arte da tua pose
como pássaro que poisa delicadamente
nos ramos das árvores

para ver-te saltitando entre os meus dedos
e vires beber a sede no meu rosto
num gesto de impoluta respiração
criando asas no céu estéril do meu quarto

isto enquanto não entardece
prolongando-me a manhã da vida
com a suavidade de pluma dos teus ombros
e o gorjeio do teu carinho nos meus ouvidos

mostra-me que ser pássaro
é posar o teu sorriso sem necessidade de espelhos
e que o amor dorido e sofrido
é apenas querer e poder deixar-te voar

livremente.

QUANTAS JANELAS?

quantas janelas há para uma rua?
aqui sossegam os peitos roliços dos pombos
e nascem alvoradas no parapeito
sempre que inspiro e expiro as madrugadas lentas

a fruta desmancha-se em sangue nos meus dedos
e agora também os pardais sentem
que aqui, nesta janela com vista para tudo,

o mundo pode acontecer
como se eu fosse Colombo e as minhas naus
a saliva espreitando, ancorada, em cada esquina.

diz-me: quantas janelas pode haver para uma rua?

RUINA

quando for a morte
abre a terra devagar com golpes de chuva
não te demores nas sombras dos velhos palácios
a escrever no verdete das paredes as folhas adocicadas
ou os frutos vermelhos qua amadurecem o teu regaço.
quando for a morte
não digas medo nem espantes a noite
leva o cadáver banhado de pó à cova
e cospe - cospe de nojo - a lentidão das horas
caídas como gotas de sol.
quando for a morte
espreita a escuridão mantida nas frinchas das portas
no fundo das ruínas dos móveis
na dobra eterna das mortalhas.

e quando a terra enfim batida e chorada,
esquece-a
com a permanente latência das palavras.

biografia:

Nascido em 1970, no dia de S. Martinho, em Vila Nova de Gaia, despertou para a escrita desde que entendeu que outras pessoas interessar-se-iam pelo que escrevia, tinha menos de oito anos. Esteve envolvido em vários projectos literários, desde os tempos escolares, e também na Rede. Foi deixando para trás a ambição de publicar em papel à medida que foi compreendendo que ainda não atingiu, segundo o seu ponto de vista, maturidade literária suficiente para se afirmar como escritor e poder investir na área da publicação. Na Internet edita o seu blog em http://quefarei.blogspot.com e é o webmaster do site não oficial do escritor português António Lobo Antunes em www.antonioloboantunes.no.sapo.pt

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s