s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Jos Remelhe
Nacionalidad:
Portugal
E-mail:
Biografia

Inspiração

Queria ser Poe
Brotar palavras como quem respira
Adocicar pensamentos com sílabas e vocábulos

Menosprezar a ignomínia
Com uma calmaria inspirada de poeta

Ousar florescer romances e poemas
Com pena borbulhante de mestria

Ode à beleza épica de mil cores pintalgada
Em encruzilhada redigida

Beber inspiração em prados e colinas
Veredas de sobranceira magia em papel retratada

Quem dera compreender a língua dos Deuses
Traduzi-la em palete colorida

Em galácticas me perderia maravilhado
Num estrelar de mil e uma fantasias

Amena mão esta que escreve
Humilde arauto de mente fértil entristecida

18.02.2005
______________________________

Para Ti

Poemas são como flores
Sorrisos primaveris
Sonhos Pintalgados
Aquilo que não se diz

Inocência genuína
Uma beleza ambarina
Um hino à candura
Homenagem à formosura

Procuras inebriar-me
Já fui uma criança
Já te disse que não
Tocar-te não posso

Desprezo-me por isso
Amo-te ainda mais
Sempre - Jamais.

28.02.2000
______________________________

“Vivo numa estrada sem sinais de limite de velocidade”

Imaginem o homem de negro e botas de couro empoeiradas que, tal corvo solitário, segue o seu caminho inebriado e ofuscado pelo movimento.

Imaginem uma lua cheia e uma noite abafada em que os olhares não se cruzam por receio, em que os devaneios são exorcizados, em que o oculto desejo vagueia por pradarias de luxúria recalcada, em vão...

Imaginem uma noite em que recordam velhos discos de rock n\' roll, lugares há muito não visitados e odores já esquecidos.

Imaginem a ganância personificada.

Imaginem trevas e obscurantismo, valquírias e medusas, minotauros e cefalópodes.

Imaginem uma rádio antiga. E estática. Uma voz metálica vociferando impropérios. Folhas de Outono levadas pelo vento matinal. Fantasias impróprias de uma idade já avançada, ressuscitadas em tons cinza, mas camufladas com desdém e envoltas em considerações pudicas de escárnio assustadas.

Imaginem agora borboletas esvoaçando num dia soalheiro. Pássaros chilreando e risos de adolescentes nas margens de um riacho serpenteante entre rochas esverdeadas. Águas transparentes e transparentes vozes femininas, angelicais na sua candura.

Imaginem o homem de negro e botas de couro a observá-las.

Imaginem um regresso a casa e um comboio a vapor. Um apeadeiro envolto em neblina e gente. Sim! Muita gente! O apito do guarda-freio. Vozeares ininteligíveis.

Imaginem-se em criança, sozinhos numa noite de temporal. Sintam a chuva na vidraça. Sintam o ribombar aterrador dos trovões estremecendo loiças baratas e baixelas deslavadas pelo tempo.

Imaginem o rosto do homem de negro e botas de couro momentaneamente iluminado por um relâmpago por detrás da vidraça.

Imaginem um moribundo e o seu último desejo realizado, como que por artes mágicas.

Imaginem um estado febril transformado em doce frescura de cascata purificada por mão divina. Nirvana!

Imaginem religiões unidas! Harmonia entre nações! E o homem de negro e botas de couro empoleirado em tribuna, em convulsões de palavras de ordem para uma plateia mundial!

Imaginem agora um cirurgião que acaba de calçar luvas de látex. O coração a bater forte. O do doente fraco.

Imaginem o cheiro da sala de operações. O arrastar dos pés… e os familiares lá fora.
Imaginem uma experiência de quase-morte. O doente sente-se a pairar, a deixar o seu corpo, a subir uns metros.

Imaginem-no a olhar para baixo. A ver o cirurgião na sua azáfama de curandeiro, o seu corpo dilacerado, e o homem de negro e botas de couro segurando sua mão.

Imaginem a dor, a paixão. Como estão interligadas.

Imaginem a loucura. Como é ténue a linha que dela nos separa.

Imaginem agora uma bola de futebol que salta do passeio para a estrada. E o jovem que a persegue, inocente.

Imaginem o carro que se aproxima a grande velocidade. E a bota de couro do homem de negro que pisa o travão.

06.10.2004

biografia:

José Remelhe é tradutor independente. Nasceu a 30.05.1972 no Porto. Foi tradutor de várias obras entre as quais se destaca \'Desgraça\' do Prémio Nobel da Literatura J.M. Coetzee.
trad.remelhe@sapo.pt

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s