s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Leda Nova
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

Eclipse

Noite. Quase meia-noite. Lua cheia. Véu estrelando infinito de céu.
Brilhante. Por um triz! dia. Sol de verão. Ouro esmaltando raio de luz.
Roda. Círculo. Cinto?
É O ANEL!

Estrela-de-davi. Seis pontas. Dois triângulos. Lei de Salomão firmando paz.
Estrela cadente. Relâmpago. Foguete. Lei do acaso formando trovão.
Início. Pedra. Meio. Fim?
É O CAMINHO!

Mortes pequenas, banais — de amores! Fatais!
Nascimento! Sorriso de criança — de faces! Geniais!
Tantas perdas, quantos ganhos — num olhar para detrás?
FOI O RIO! — charco, a lua, enseada.

Gesto perdido. Um toque [por pouco] em mãos.
Palavra silenciada. Porta escancarada.
Um projeto sucumbido. Adiante outro realizado?
FOI SOMENTE UMA VOLTA! — ordem, o sol, caos.

Um tijolo, um fio. Uma melodia, um arrastão.
Poço sem fundo! Um porto, matriz, um nicho — acolá.
Estilhaço. Espinho. Enxada. Sapo?
FOI A ESPIRAL!

Tão próximo! Já passou! Cadê? Foi!
Íntimo, contudo afastado. Junto, porém distante.
Boca sem pão — o grito? Operário em construção — um levante?
FOI O PASSADO? É O PRESENTE?
[O moço ali disse: — sei não!]

Frágil e bela — como uma taça de cristal.
Mágica e poderosa — tal qual o fogo do dragão.
Vida se fazendo ininterrupta — chova ou faça sol.
É O ECLIPSE! — noite e dia — lampejo, farol.

Numa antevisão do réveillon
um pássaro no alto? no asfalto? concreto?
um ponto — não descobri se de cima ou de baixo
dentro, na superfície ou fora de mim
tratou de lembrar minha falta de visão — insensatez!
vã pequenez minha! diante do imponderável — da grandiosidade
beleza! inesperado! da correnteza! sutileza.

Muito embora há-de vir!
O ano-novo está chegando.
Que venha o futuro.
Já no tempo presente então.
Os reveses?
Ah! As [pequenas e grandes] mortes?
A gente encara! Que jeito? É a vida!
Mas que seja — exuberantemente — LUA E SOL!

“Queixo-me às rosas? mas que bobagem! as rosas não falam. Simplesmente as rosas exalam o perfume que roubam de ti” [estrofe de AS ROSAS NÃO FALAM — Cartola].


02 de fevereiro

Dia de Iemanjá
02 de fevereiro
dia de Iemanjá
poema em verso
tambor de orixá.

Dia de festa — devoção
data magna do mar.
Iemanjá —
seleodô babaoromiô!
eleissaéo babaoromiô!
saudação!

Amantes, companheiras, filhos
agradecem o retorno
de seus homens do mar.
Pescadores devolvem presentes
em troca de tantos peixes!
mais muita proteção —
que viajam ao lado das frágeis jangadas
saveiros de embarcação.

Bonita, vaidosa
Iemanjá recebe oferendas da Bahia
espelho, pente, batom, flor, perfume
colocadas em uma cesta de palha,
no mar
junto com pedidos e fianças
de bilhetes escritos à mão.

Iemanjá é a mãe! De todos orixás
reina soberana ao lado do pai Oxalá!
Orixá feminino — Ioruba, nagô!
Mulher trazida da África
na alma e memória
de uma gente sofrida
lá de terras longínquas
dos negros ancestrais.

Para burlar a proibição dos senhores
escravos passaram chamar Iemanjá
de Nossa Senhora
depois dos Navegantes
criando o sincretismo religioso
ajuntando identidade e poder.
Imortal — Iemanjá!
deusa do Olimpo
fada de longos cabelos
bruxa, lenda, oração.
Arquétipo! Patrimônio da humanidade
no inconsciente coletivo.
Ainda que homens do povo
não a dividam com ninguém
que não seja filho
filho de Iemanjá!

Sexta-feira é seu dia
azul — cor preferida.
Iemanjá! sereia
rabo de peixe, salamandra
de mulher
adora ficar se exibindo sensual
sobre as águas salgadas
do azul do mar.

Só quem enxerga Iemanjá
é pessoa simples de fé
ou quem ousa questionar
clichês impressos na psique.

Marinheiros solitários
também conhecem Iemanjá muito bem!
Seduzidos pelo canto mavioso se jogam inteiros
para os baixios do mar.
Na promessa do turbilhão, paixão.

Lá no mar tem um peixe
em de
seu nome é Iemanjá – Janaína!
A minha, a sua
Bahia!
Nossa Senhora dos Navegantes
Grande Mãe, deusa, mulher.
Guarda tesouros, lendas
mitos e anseios
de quem ainda sabe sonhar.

No fundo do oceano
tem uma sereia
seu nome é Iemanjá
a maior das rainhas
do mar!

Morte-Vida

Tantas mortes! Tantas vidas!
A povoar cada espaço
Cada gesto, instante!
Uma morte sucede uma vida
Que precede outra morte e vida.

Cada esfera, segmento, estrutura
Cada desdobramento
Impregna-se e permuta-se
No ciclo morte-vida.

Eros — o instinto pela preservação da vida!
Constrói... Edifica... Une!
Tanatos — o impulso para a morte!
Destrói... Separa... Mata!

Nos braços de Eros — deus alado do amor
A apatia cotidiana — ainda que vida!
Encolhe-se e dá passagem
Para os olhos vendados da paixão.

O quantum aumenta
Cresce e explode
Tamanho!
Até não suportar e encolher.

E sem pedir licença — tal como chegou
A exaustão cede à lucidez
O novo ao velho
Cumplicidade à estranheza
Desarmando os sentidos.

— Tanatos?
E de novo se letargia.
— Meu Deus! É o fim? A ruína?
O espectro da morte dramatiza.

Com fastio — que pena!
Quase entregando os pontos e a relação
Alguma ameaça faz valorizar a iminente ruptura
E um outro desenlace é possível antever
— Vamos tentar? Quem sabe dá?

No exercício de cada dia
Da sobrevivência e do amor
Ah! Tão duras perdas!
Viva! Quantos ganhos!
A re-significar a simbiose morte-vida!

Na distância que a individualidade reclama
Pela sombra de Tanatos
Ver o amado se afastar
Afigura-se em privação e mal.

— Cadê o sonho sonhado?
A exclusão dilacera:
— Não faço mais parte!
Quê! Morte!

Num roçar de pele
Mais adiante, nada obstante
Uma senha silenciosa é possível tencionar
— Não agüento mais!

E contrariando até seguras previsões
A vida insurge-se e vence a morte.
Dor se faz prazer outra vez
Forte como o dragão ou a serpente.

E se esgueira matreira [e sábia]
Agachando-se pelas veias e tendões
Até atingir a outra de que se julgou só!

Palavras transmutam enfoques
A depender do presságio
Se de vida ou de morte
De Eros ou de Tanatos!

— Proibido! — é o grito do dano e do mau agouro!
— Dá licença?
— Dou [tome toda]! — é a linguagem para o amor.

Aquela qualidade que fora um dos objetos de sedução
Transfigura-se num grave e odiento defeito.
— Que mesmice! Não agüento mais! — morte!
Quando descoberto a tempo, porém — vida!

O senão se desnuda e a imagem reversa do fotolito
Desvela-se pelo negativo do retrato envelhecido
E perseguido do pai ou da mãe.
— Uau! Renascimento!

— Xi!... Ai!... Ui!
Uma infidelidade [real ou imaginada, não importa!]
Faz arder a raiz ou o caule
Ou tão-só a folha virada pelo vento.

E a fogueira das emoções
Mistura efeito e causa
Entrelaçando e confundindo
Morte com vida
Tristeza com alegria
— Tanatos com Eros
Quase secando a alma!

— Quê! Oh! Dói muito!
Qualquer menção de divisão
Quebra a unidade — Morri! Estou aniquilado!
Até o esvaziamento se avizinhar
Do preenchimento — Que porção está pedindo para nascer?

Novos modos de funcionamento
Forçam restabelecer o status
E se diferente influxo enseja convergir
A travessia se reveste de força
Um ganho e tanto!

Enquanto a roda circula para cima e para baixo
Para o ar e para a terra — norte, sul, leste, oeste
Para o céu e para o inferno
E a parede rui! E o cimento
Promete novamente ligar.

Sobe e desce a maré
Mansa ou em ressaca
No fluxo e refluxo da morte-vida
Dos deuses mitológicos.

Eros — da vida!
E Tanatos — da morte!
Indo e vindo, nascendo e morrendo
Enchendo e esvaziando — inspirando e expirando
Chova ou faça sol.

À deriva pelos icebergs da costa ou do alto-mar
A romper antigas estruturas de equilíbrio
Que sofrimento! — apesar de indiferente ao espanto mudo
— Perdi ou ganhei? — quem garante a resposta?

E a vida mais uma vez
Presencia-se inteira
Na ânsia de dar vida à morte
No espetáculo da vida-morte de todos os dias!



BIOGRAFIA
Lêda Nova


Lêda Nova é escritora, romancista, contista, cronista, poeta, ensaísta, membro efetivo [cadeira 23] da Academia Conquistense de Letras, integra a diretoria da Casa da Cultura de Vitória da Conquista e é a presidenta da República das Letras de Vitória da Conquista. Natural de Salvador, Bahia, a escritora Lêda Nova reside em Vitória da Conquista desde o ano de 1992. Casada com o advogado Alfredo Nova, mãe de três filhos [Cláudia, Marcelo e Cristiane] e avó de três netos [Lucas, Luíza e Luiz Fernando], o foco e interesse de Lêda Nova se alternam entre a arte, família e amigos — e sua particular busca interior.

· OBRAS

· Café. A SAGA DE UM HERÓI1 Arte e café!DO PLANALTO DE VITÓRIA DA CONQUISTA PARA O MUNDO [em processo de criação]

· A ESCADA DE MADEIRA EM L [peça teatral, 2008, adaptação do romance homônimo]

· A ESCADA DE MADEIRA EM L [romance policial, 2ª edição, 2006, 2007]

· A HISTÓRIA DO CAFÉ [em prosa e verso, 2007]

· CAFÉ DA GOTA-SERENA, SÔ! [peça teatral, 2007]

· AS DEUSAS DO FEMININO [2006]

· MEU NOME É MARY! [peça teatral, 2008 — do conto homônimo da escritora]

· ALÔ! NÃO DESLIGUE! [peça teatral, 2008 — do conto homônimo da escritora]

· RELEITURA DE CONTOS INFANTIS – O Patinho Feio, A Moura Torta, A Bela Adormecida e A História de Peter Pan e Wendy [2005 e 2006]; e Cinderela [2008]

· CONVERSA AO PÉ DO OUVIDO – um bate-papo coloquial e suas reflexões do cotidiano [contos, ensaios, 2002]

· COLETÂNEA DESLIZES — com os contos premiados Mea-Culpa e Pombagira em Porto Seguro

· ANTOLOGIA DO VII PRÊMIO LITERÁRIO LIVRARIA ASABEÇA — Antologia: Poesias, contos e crônicas [2008], com o conto premiado Confissões de uma Garota Agredida nem por um triz deletada

· Coletânea Vitórias — lançamento na 54ª Feira do Livro de Porto Alegre, em 13.09.2009, com os contos premiados Zoom e O nome

· ROSAS DOS VENTOS — coletânea com a crônica classificada Palavra! Não estou mentindo, das Edições AG, em processo de edição

· Sketch [peça] teatral — Todo mundo sabe, uau!

· Nove obras publicadas nas antologias: Amor e Paixão – O Erotismo na Literatura; Pai – um amigo, um herói; Grandes Escritores da Bahia – II; Grandes Escritores da Bahia – III; Asas da Imaginação; Escrevendo Mulheres; Anuário de Escritores 2001; Excelência Literária 2002; Diário do Escritor 2002

· CURTA-METRAGEM

· PRÊMIOS

· pRÊMIO EMPRESARIAL 2008 — como convidada especial — pelo trabalho que vem realizando no sudoeste da Bahia de fomentar o hábito de leitura, em especial com o romance policial A Escada de Madeira em L [gênero raro na literatura brasileira].

· PRÊMIO ASABEÇA 2008 — setembro/2008

Conto premiado — “confissões de uma garota agredida por um triz não deletada”

· PRÊMIO DESTAQUE NACIONAL — Concurso Literário Internacional Letras Premiadas 2008 — setembro/2008

Contos premiados — “pombagira em Porto Seguro” e “Mea-Culpa”

· XXVII Concurso Internacional Literário das Edições AG — março de 2009 — classificação da crônica “Palavra! Não Estou Mentindo”, integrando o livro “Rosa Dos Ventos”, com previsão de publicação entre junho e julho e entrega em outubro de 2009.

· PRÊMIO DESTAQUE NACIONAL — Concurso Literário Internacional Letras Premiadas 2009 — maio/2008,

Contos premiados —“Zoom” e “O Nome”

· PROJETOS [de sua autoria]

1. OFICINA DAS LETRAS

Com encenação teatral das releituras dos contos infantis [autoria e direção] O Patinho Feio, A Moura Torta, A Bela Adormecida e A História de Peter Pan e Wendy e subseqüente análise crítica dos perfis psicológicos das personagens, em escolas, preferencialmente públicas, objetivando a conscientização das imagens dos heróis introjetados na infância e sua repercussão no agora.



VERSÃO 2005

· COLÉGIO SÃO TARCÍSIO

· COEDUC

· COLÉGIO ESCADA DO TEMPO

· COLÉGIO ESTRUTURAL GAMA

· COLÉGIO MONTEIRO LOBATO

· COLÉGIO EUCLIDES DANTAS

· COLÉGIO GILDÁSIO CASTRO

· CEFET

· ESCOLA RAIMUNDO NOVA

·

VERSÃO 2006

· NOVA ESCOLA

· COLÉGIO MILITAR

· COLÉGIO EUCLIDES DANTAS

· NOVA ESCOLA [2]

· ESCOLA RAIMUNDO NOVA

· ACADEMIA CONQUISTENSE DE LETRAS

· ESCOLA RAIMUNDO NOVA [2]

· LOJA MACÔNICA UNIÃO E LIBERDADE

· VERSÃO 2007

· EDUCANDÁRIO PADRE GILBERTO

· EDUCANDÁRIO JUVÊNCIO TERRA

· EDIÇÃO ESPECIAL

· COLÉGIO SACRAMENTINAS



2. ARTE DE MULHER

Objetiva despertar habilidades criativas e despertar e patentear idéias e crenças da mulher, na condição de pessoa humana integrante da comunidade — bem como o “feminino do homem— numa arte de mulher.

· ANO 2005

ENCENAÇÃO TEATRAL [autoria e direção] na sede da Academia Conquistense de Letras.

· ANO 2006

AS DEUSAS DO FEMININO — encenação teatral [autoria e direção] na sede da Academia Conquistense de Letras.

· ANO 2007

MULHER PLURAL — apresentação [autoria e direção] na sede da Academia Conquistense de Letras.



3. LITERATURA VAI ESCOLA —

Leva à escola de segundo grau apresentação [oral, teatral e com recursos audiovisuais], tencionando o conhecimento, interpretação e discussão dos clássicos da literatura nacional e internacional.



· ANO 2007

COLÉGIO EUCLIDES DANTAS



· ANO 2009

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIM A [SACRAMENTINAS]





4. CAFÉ LITERÁRIO

Discussão de livros, sarau, poesias e depoimentos literários, entre xícaras de café.

1ª Edição — 06.07.2007

2ª Edição — 14.08.2007

3ª Edição — 11.07.2008

4ª Edição — 06.05.2009

5ª. Edição — 08.07.2009

6ª. Edição — 14.09.2009





5. PEÇAS TEATRAIS — “Meu nome é Mary” e “Alô! Não desligue!”



6. CONTOS DE FADAS LÊDANOVAFANTASIA

Encenação teatral [autoria e direção] de releitura de contos infantis.

ANO 2008

CINDERELA



7. OFICINA DE LITERATURA —

ANOS DE 2004 e 2005

Projeto desenvolvido e executado em parceria com a Academia Conquistense de Letras, Casa da Cultura e República das Letras de Vitória da Conquista — como diretora, organizadora e uma das facilitadoras. A OFICINA DE LITERATURA fez acontecer uma vez por semana, nas dependências da Academia Conquistense de Letras, com adolescentes do segundo grau de escolas preferencialmente públicas e professores e facilitadores, oficinas de apresentação, encenação, poesias, peças de teatro, música e dança, contos de fada, além de interpretação de textos de autores consagrados ou não, até sessões de filmes de diretores nacionais e estrangeiros.



8. MOVIMENTO CONQUISTE [em parceria com a Revista Conquiste e Aldo Clécius] — março de 2009 — em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Espaço itinerante, lúdico e vivencial do misterioso universo feminino, com recital de poesias e crônicas, palestras, vivências corporais, jogos etc.

9.

1º. SARAU DE OUTONO — Primeiro Conserto Literário Interativo — maio de 2009 [em parceria com a Livraria Nobel, Solange Sala, Revista Conquiste, Minas Cult e Aldo Clécius].

1º. SARAU DE INVERTO — Segundo Conserto Literário Interativo — julho de 2009 [em parceria com a Livraria Nobel, Tulipa Modas, Lêda Nova, Aldo Clécius, Minas Cult, Revista Conquiste].



· PROGRAMAS

Faz o programa da WEBTV — UNIVERSO PARTICULAR, agora UNIVERSO COFFEA — na condição de entrevistadora, produção site Ebala; e fez o programa, também na WEBTV — LÊDANOVACONVIDA — da mesma forma como entrevistadora, produção site navegueaqui.



· COLUNAS DE CRÔNICAS E ENTREVISTAS

Escreve a coluna VIDA EM CRÔNICAS do site ebala; LêdaNovaEntrevista, também do site ebala; e LendoLÊDANOVA, da Revista Conquiste. Escreveu a página cultural LêdaNovaArteCultura do Diário Sudoeste, jornal de publicação semanal local.



· BIENAL

Participou da 8ª. BIENAL DO LIVRO DA BAHIA, em abril de 2007, em Salvador, oportunidade em que colocou à disposição do grande público, no stand da Câmara Bahiana do Livro, as obras ESCADA DE MADEIRA EM L e CONVERSA AO PÉ DO OUVIDO.



· PRÊMIOS

· PRÊMIO EMPRESARIAL 2008 — como convidada especial — pelo trabalho que vem realizando no Sudoeste da Bahia de fomentar o hábito de leitura, em especial com o romance policial A Escada de Madeira em L [gênero raro na literatura brasileira].



· PRÊMIO ASABEÇA 2008 — setembro/2008

Conto premiado — “Confissões de uma garota agredida por um triz não deletada”



· PRÊMIO DESTAQUE NACIONAL — Concurso Literário Internacional Letras Premiadas 2008 — setembro/2008

Contos premiados — “Pombagira em Porto Seguro” e “Mea-Culpa”



· XXVII Concurso Internacional Literário das Edições AG — março de 2009 — classificação da crônica \'Palavra! Não estou mentindo\', integrando o livro “Rosa dos Ventos\', com previsão de publicação entre junho e julho e entrega em outubro de 2009.



· PRÊMIO DESTAQUE NACIONAL — Concurso Literário Internacional Letras Premiadas 2009 — maio/2008,

Contos premiados —“Zoom” e “O Nome”





· CURTA-METRAGEM

Em produção [pela cineasta Cristiane Nova] o curta-metragem, gênero documentário, do romance policial A Escada de Madeira em L



· PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CULTURAIS

1º Encontro do Dia Nacional do Café — 24.05.2007

Posse dos Letradinhos [na Academia Conquistense de Letras] — 25/10/2007

Espetáculo MultiShow — 04/11/2007

Encontro de Escritores — 29/11/2007

Noite de Autógrafos — 07/12/2007

Dia Nacional do Livro Infantil — 17/04/2008

Lançamento 3ª Mostra de Móveis e Arquitetura de Vitória da Conquista - 24/07/2008

Sarau de Outono número 01 — 22.05.2009

Participação, com a poesia “Rosa”, no projeto da “Sala Rosa” da arquiteta Ana Cláudia Dutra, na 3ª Mostra de Móveis e Arquitetura de Vitória da Conquista, de 11 a 26 de outubro de 2008

2º. Encontro Nacional do Café — Vitória da Conquista-BA — com a declamação da poesia “Ah! Que delícia de café”, 13 de maio de 2009

Encontro de escritores e leitores, 08.09.2009, Educandário Juvêncio Terra

Projeto Interdisciplinar 2009. Água: desafios e Perspectivas, 19 de setembro de 2009



· PARTICIPAÇÃO EM PROJETOS CULTURAIS

Artes Visuais Sergipe — Conexões

Ciclo de Palestras

Apoio — FUNARTE [Fundação Nacional De Arte] — Ministério Da Cultura

Sociedade Semear

Coordenador Geral — Carlos Roberto Britto Aragão

Diretora Executiva — Silvane Santos

Diretor De Logística — Milton Coelho

Palestrantes — Zeca Fernandes

Cristina Tejo

Transcrição e Revisão — Lêda Nova



· ASSOCIAÇÕES

CBaL — Câmara Bahiana do Livro

SBAT — Sociedade Brasileira de Autores Teatrais

ALPASXXI — Associação Literária



· DADOS BIOGRÁFICOS

Natural de Salvador-Bahia e desde 1970 residente na cidade de Vitória da Conquista-Bahia, fez carreira no Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região, onde ingressou, por concurso público, em outubro de 1972. Trabalhou na então Junta de Conciliação e Julgamento de Vitória da Conquista, inclusive como Diretoria de Secretaria por mais de dez anos; na Corregedoria; na direção do Serviço de Pessoal; e na direção de Serviço de Execução; aposentando-se em 05.12.1997.

Junto à Academia Conquistense de Letras, Casa da Cultura e República das Letras de Vitória da Conquista coordena vários projetos de arte e de literatura.

Casada, mãe de três filhos [Cláudia, Marcelo e Cristiane] e avó de três netos [Lucas, Luíza e Luiz Fernando].

URL: http://www.ledanova.com.

E-mail:

leda_nova@uol.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s