s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

J.R. Cnsoli
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

Marco Zero
J.R.Cônsoli

Era uma pessoa diferente!... Falava quando todos gritavam e se mantinha calado quando todos falavam. Comumente era visto interagindo com a natureza, falando com os animais, fazendo perguntas às plantas: ele sabia que a natureza é a parte visível de Deus, então fazia contato. Todos o pensavam louco, mas ele não se incomodava com isso. Havia muito se demitira do bando de ovelhas e não solicitara registro em nenhuma alcatéia. Fazia questão de não pertencer a nenhuma unanimidade, sempre se afastava das maiorias. Nadava em sentido contrário à correnteza e chegava sempre são e salvo à praia. Sonhava enquanto todos dormiam, andava passo a passo quando todos corriam. Certa vez regia uma orquestra numa apresentação de gala, quando uma borboleta pousou-lhe na batuta. Pediu licença à platéia, levou a borboleta à janela mais próxima ,esperou que ela voasse, então voltou dando continuidade à apresentação. Quando convidado para um grande banquete e inquirido sobre o que desejava comer, simplesmente pediu: arroz com feijão e um copo com água! Saiu da mesa satisfeito tecendo elogios à cozinheira. Alegrava-se com chuvas, tempestades, trovões e relâmpagos. Escalava montanhas para sentir o vento bater forte no rosto e bulir com seus cabelos. Sempre usou a própria cabeça e tirava suas próprias conclusões de tudo, dizia ser a maior das negligências não fazê-lo. Comentava que o mundo estava muito cheio de iguais e que, por isso, nada acontecia de novo: as mesmas guerras, as mesmas rixas, as mesmas idéias, as mesmas desculpas, as mesmas cerimônias enfadonhas, o mesmo nada de sempre. Ele tinha uma visão diferente do próximo: era o mendigo da esquina, mas era também a árvore seca da calçada, o cachorro abandonado, o gato, o cavalo, o passarinho, até mesmo, a pedra do caminho. Conhecia seus erros, fazia questão de assumí-los e sabia que a sua condição humana o fazia passível de cometê-los novamente e novamente. Dizia que todas as pessoas poderiam compreender a vida se presenciassem uma folha caindo de uma árvore e refletissem sobre o fato. Via o mundo como passagem provisória, não como morada definitiva. Muitas vezes foi visto admirando amanheceres e entardeceres. Gostava da noite, apreciava o silêncio da madrugada e nunca se incomodava com o estridular dos grilos e o coaxar dos sapos. Quando viajava de carro parava nos acostamentos para contemplar montanhas e horizontes. Dormia vezes sem conta fora da barraca para observar a lua e as estrelas. Sabia que podia voar, mesmo sem asas; freqüentemente se surpreendia pairando sobre florestas, vales e rios sinuosos. Tirava os sapatos, molhava os pés nas enxurradas das chuvas ou nas ondas do mar, mesmo que isso o impedisse de comparecer a um importante compromisso. Vivia cada instante como se fosse único, compreendia que o passado ficava atrás das montanhas e que o futuro estava à frente de muitas outras. Brincava com crianças, sorria em velórios, chorava em nascimentos. Sabia da importância da qualidade de vida e não entendia porque o mundo corria tanto atrás de quantidades. Andava cuidadosamente pelas estradas para não pisotear pequenos animais. Considerava todos os seres como irmãos, companheiros de caminhada nessa etapa da travessia. Quando faleceu deixou apenas dois coités - um pra comida, outro pra água - um cobertor e uma muda de roupas. Do outro lado do mundo houve uma festança para recebê-lo.







Soneto do Amor Encanto
J.R.Cônsoli

O meu amor por ti não tem medida,
tão leve e forte é esse amor – tão puro,
que nada poderá, por mais seguro,
transfigurá-lo em simples despedida.

É coisa que arrebata... é magia,
sentimento de paz e de harmonia,
é mesmo um amor encanto a vida inteira,
é como amor de rosa com roseira.

E se é de todo alegre - por inteiro,
não circunstancial e entristecido,
porque um amor de trocas concebido.

O seu voar de pássaro altaneiro,
liberta-o do vício contraído,
por todo amor que existe em cativeiro.


Busca
J.R.Cônsoli

Fui peça de artilharia
apontada para o teu
alvo.
Chorei lágrimas de fogo e
explodi-me no teu terraço
de flores.
Sorri e chorei cotidianos,
procurei-te esquinas e becos,
varei estradas com as rodas
pesadas da minha carga.
Fiquei sem combustível
no deserto da minha solidão.
Andei passos de tartaruga e
viajei veloz nas ondas relativas
da velocidade da luz.
Procurei-te nas telas do meu
dispositivo interno e só
encontrei o preto e branco
da tua ausência.
Sonhei sonhos sem conta
em noites intermináveis
de fria solidão.
Fiz promessas aos santos,
andei por todos os cantos,
a cavalo fui à lua.
Percorri os vários caminhos
dos precipícios do mundo,
voei alto e nadei fundo.
Enfeitei-me com a poeira
das estrelas,
visitei fadas das florestas,
fantasiei-me de esperança para
encontrar-te.
E afinal defrontei-me
com a explosão de cores da tua
presença, quando o sol raiou
no final da madrugada.

Biografia:
J. R. Cônsoli


Nasceu em Pouso Alegre, Minas Gerais. Formou-se em Odontologia pela U.F.M.G. em

Belo Horizonte, Minas Gerais. Pertence a Academia Virtual Poética do Brasil e ao Sarau

Libertário, onde publica seus contos, crônicas e poesias. Publicou em 2004, pela Editora

Armazém de Idéias, um romance denominado “ A Incrível Viagem de Élfin Korat”.



Uma pequena biografia feita por um amigo:[J.J. da Silva Duran].

J. R. Cônsoli possui um espírito inquieto, está sempre buscando, seja na literatura, na música, ou no traço do seu pincel, algo que defina a existência. Nasceu em Pouso Alegre, sul de Minas, morou alguns anos em Divinópolis, mudando-se posteriormente para Belo Horizonte, onde formou-se em Odontologia pela U.F.M.G. Tem uma visão unificada do cosmo, supõe que tudo faz parte de um todo indivisível...”Uma folha que cai repercute em todo o Universo\' - diz ele. Gosta de animais, de plantas, de minerais, do silêncio, da vida simples e despretensiosa do campo. Algumas de suas telas e alguns de seus textos são um tanto polêmicos, motivados, naturalmente, pela sua peculiar maneira de ver as coisas. É casado e vive num sítio nas imediações de Belo Horizonte, acompanhado de sua esposa e de seus estimados animais.

rconsoli1@gmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s