s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Ronaldo Cagiano
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
POEMA DA
IMPERMANNCIA


Ronaldo Cagiano

Em tudo o que fiz,

por onde passe[e]i,
deixei um pouco de mim

no rastro impreciso
de meus passos,
na rutilncia dos olhos esbugalhados
diante dos avessos da vida
ou na tumulturia assimetria
dos leitos da amada.

Os desacertos, as nulidades, os escombros
so frutos clandestinos
dos atalhos e das contingncias,
do niilismo impregnado em minhas vsceras:

a inocncia apeou desapontada,
a malcia conduziu-se vida
na crina indigente dos lenis.

Os exageros
eu os credito solido ,
esse rebanho de ausncias
e sua confraria de silncios,
que nos apartam ou nos impem
um degredo maior

que asila a alma
e desmantela as coisas.

[Do livro Cano dentro da noite, 1998]


FLAMBOYANTS

Nas avenidas de Cataguases
os flamboyants florescem
como numa pintura de Van Gogh,

enquanto a cidade jaz
num silncio sepulcral.

Corolas e pistilos denunciam
que no asfalto distante rompe uma flor:
a rosa destemida
que vinga contra o tdio
e a dissimulao
que o tempo decreta
nesses homens to urgentes.

Os passos enviesados
da entourage ensimesmada
no colhem dos pssaros
a melodia mozartiana
que insiste em meio
indiferena total.

Mas essas rvores solenes
[como os discretos oitis das alamedas]
explodem altivas nas cercanias solitrias
e guardam segredos das gentes
sob o beiral do riacho exausto
que, sonolento, beija suas razes.

Mais vivos do que ns,
celebram o que em mim
j no vive.
[idem]


SO[M]BRAS

Vejo o rio que corre
em Cataguases
o mesmo vrio rio
que [es]corre em mim:

educando-me pelas encostas
com lies de cheias
e mida cartilha de enfados.

O exemplo da gua que f[l]ui,
com sua impessoalidade e inconcretude
crava-me um serto nas entranhas.

E um acmulo de pedra nas vsceras
embrenha na alma tantos eus.

Essa sombra, essas sobras
biam indigentes, como um feto
em placentria
clandestinidade.

[idem]


OFICINA DE DESGOSTOS

A solido da carne
mistura-se ao triunfo
que no h em quase nada.

Dos dias,
o veneno que impregna
as vsceras infames.

O exlio deflagra
os espasmos de solido
no tdio instalado
aps a curva da estrada

[ que decreta o asilo dos sonhos
na banalidade de todos os esquecimentos]

circunstncia inamovvel
desse estar-no-mundo
e no ser nada.

[idem]


MURAL

ceu azul o mesmo da minha infncia
Eterna verdade vazia e perfeita!
Fernando Pessoa

Percorro o trajeto do meu rio
e transito por antigas encostas
onde encalharam
os barcos vulnerveis
de uma infncia alada.

Embarcaes de papel
que no cumpriram
a viagem dos sonhos
pois nau sem rumo

perdeu-se no sofisma
de minhas alucinaes precoces,
adernou ao som
de ingnuas procelas.

Hoje busco nessas guas
o elo que se rompeu
[agora hibernado no escuro
das torrentes cansadas
que em mim escorrem].

Outro leito h no velho Rio Pomba:
correndo por aldeis difusas,
escande o sinuoso caminho
de minhas dores & delcias.

O Tejo que em mim solua
leva-me a oceanos inauditos.

Biografa:
Ronaldo Cagiano
nasceu em Cataguases [MG] 15/4/1961, viveu 28 anos em Braslia, onde formou-se em Direito. Atualmente mora em So Paulo. Colabora em diversos jornais e revistas, publicando artigos, ensaios, crtica literria, poesia e contos. Obteve 1 lugar no concurso 'Bolsa Braslia de Produo Literria 2001' com o livro de contos 'Dezembro indigesto. Livros publicados: Palavra Engajada [Poesia, SP, 1989],Colheita Amarga & Outras Angstias [poesia, SP, 1990], Exlio [poesia, SP, 1990], Palavracesa [poesia, Braslia, 1994], O Prazer da Leitura, em parceria com Jacinto Guerra [contos juvenis, Braslia, 1997], Prismas Literatura e Outros Temas [crtica literria, Braslia, 1997]. Cano dentro da noite [poesia, Braslia, 1999], Espelho, espelho meu [infanto-juvenil, em parceria com Joilson Portocalvo, Braslia, 2000], Dezembro indigesto [contos, 2001 prmio Bolsa Braslia de Produo Literria 2001], Concerto para arranha-cus [contos, LG, DF, 2005] e Dicionrio de pequenas solides [contos, Lngua Geral, Rio, 2006]. Organizou as coletneas Poetas Mineiros em Braslia [Varanda Edies, DF, 2002], Antologia do conto brasiliense [2003, Projecto Editorial, DF] e Todas as geraes conto brasiliense contemporneo [LGE, Braslia, 2006]

ronaldo.cagiano@caixa.gov.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s