s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Maximilian Cals
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
1: 2° Conclusão.

Pelo menos sei
o que é amor
nessa triste vida...
Sabe? O grafite
riscando um sorridente
Papel branco.
[pode rir]

Fim engraçado... E feliz!
Dizem que os poetas
morrem sozinhos,
[sou poeta?]
ou pelo menos não,
morro com as cinco
letras [é claro]

Garranchadas,
e além do mais...
?oEscritas a lápis!?

? meus senhores,
morro e finalizo
com as cinco
F-E-L-I-Z
?oPoeticamente falando?,
tem 19 letras... e nem rima
com o resto! [sem graça].
Que dramático!
?s vezes eu até choro,
mas sempre acabo rindo
da minha babaquice!
[isso é engraçado]

Vai... me consola, e me diz
que nem precisa rimar,
basta que você
entenda e aplauda.

Não tem problema ...
termino sempre feliz!

--------------------------------------------------------

*2: ? Bandida de Coração.

Não vendas a mim teu caro sorriso:
meu poder não tido,
minhas jóias não compradas,
não te levarão ao mais rico paraíso!

Não penses que por mim,
ou por quais quer mortais
como eu chegarás ao céu:
teu perfume, tua carne,
até mesmo teu sorriso aspira
o mais moribundo e obscuro fel!

Você, como todas as de sua laia de serpentes,
são como aquelas daquela
que levou Adão ao pecado original:
acordes para teu sorriso feiticioso,
pois ele é como música para meus ouvidos,
e como a cascavel com seu chocalho,
chocalhando graciosidade,
escondendo sua linda falsidade,
ao meu senso e minha moral!

Por tua imagem e teu desenho de linhas
traçadas perfeitamente por Deus,
eu perdidamente me atraio:
mas de meu pensamento a favor da santidade
e da valorização, em primeiro lugar,
do amor eu não me distraio!

Não penses que te odeio:
nem mesmo sua alma por detrás
dos teus lindos, negros olhos conheço,
é de teus vestes e tua imoralidade que receio!

Vós que quando criança
talvez tenha aprendido o que é,
e qual o valor da dignidade:
hoje abusa de sua beleza alandelônica
afogando-se na crua obscenidade!

Rebolas e tiras tuas vestes pelo poder:
mas o bem mais precioso
que sua própria vida: o amor,
por ninguém em sua insignificância
viva irá ter!

Desvies do meu, o seu olhar:
Pois dinheiro não tenho,
poder muito menos,
e o amor de brilhantes
que brilham em teus olhos
eu não posso,
e nunca poderei comprar!

Sua beleza aumenta,
disfarçadamente seu valor:
mas não diminui minha eterna busca
pela beleza de um materialmente desinteressado amor!

--------------------------------------------------------

*3: A Culpa é do 'nibus!

O que tanto você olha pra mim?
com essa cara branca, pálida e azeda?
O que tem pra me contar,
e a me ensinar?

Já que você pode,
se não prestar para nada
ser jogado fora do nada.
Não senhor. Fique quieto!
Eu mesmo consigo te dobrar facilmente,
com dois dedinhos, apenas.

Iguais a você, eu tenho um montão,
você é tão pequeno, nem cabe muita coisa,
e fica me dizendo esse tanto de asneiras!

Todo mundo pinta,
não borda, mas te risca todo,
e você frente a isso
nem me diz nada?

Nem liga pra mim,
só pro que vai conseguir
da minha preciosa mente.

? isso mesmo,
seu parasita nojento!
Você que é fininho
de ruim que é!

Toma sol
e em vez de se queimar,
o sol te ultrapassa!

Veja só...
Nem o sol,
que nasce para todos
te quer!

Nem gosto de você,
a gente inventou o computador
pra não ter que de você,
seu bobão... Depender tanto.

Agora, a gente só te usa e te joga no lixo.
Dizem que dá pra te moer que nem carne,
te misturar com cola e tinta,
e assim te fazer outro novinho em folha.

Já pensou?
Logo você...
Que nem acredita em reencarnação!

Tadinho... eu não gosto de você,
mas não quero te ver todo moidinho,
e nem boiando no Tietê,
nadando na sujeira... inútil!

Viu... Desculpa,
eu é que estava
com raiva do ônibus...
ele ficava balançando...
fazia eu fazer aqueles garranchos!
te olhei com essa cara lisinha,
e acabei descontando
minha raiva em você.
Na verdade eu te adoro.

Sem você...
meu cérebro nem funcionaria,
e minha alma seria tão simples,
tão normal, sem sonho,
sem a leveza
de poemas de amor;
sem a tristeza dos dramas de morte.

Pra falar a verdade mesmo,
eu nem vivo sem você,
meu papelzinho querido,
desculpa viu...

--------------------------------------------------------

biografia:
Maximilian Cals

Sou Realtragista.

oliteratico@ymail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s