s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Robertson Luiz Buse
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
1.
Na liberdade dos meus pensamentos


Na liberdade dos meus pensamentos
Vou at voc
Vou ao passado
Vou ao futuro
Ou, Vou alm...

Na liberdade dos meus pensamentos
Vo rasante sobre o mar
Visito os guetos, as favelas e as sarjetas
Escrevo palavras de amor

Na liberdade dos meus pensamentos
Realizo meus desejos dispersos pelos cantos
Ando sobre as cidades poludas
Preparo o melhor cozido pela melhor receita
Enterro a espada na barriga dos inimigos do Rei

Na liberdade dos meus pensamentos
Me limpo das vaidades na clausura do medo
Corro pela avenida acima da velocidade
Adentro aos lares queridos
Molho meus ps nas corredeiras
Ouo as msicas do meu corao

Na liberdade dos meus pensamentos
Choro a falta dos amados
Crio a magia do obeso magreza esqueltica
Ando pelos campos floridos, pelas montanhas azuis
Caminho na noite escondido pelas sombras
E das sombras me escondo no caminho da morte

Na liberdade dos meus pensamentos
Retrato meus amores num presente contemplativo
Deixo a saudade me dominar
E o futuro imaginar
E lamento as faltas e, lamento as sobras.

Na liberdade dos meus pensamentos
Olho as carnificinas e limpo o sangue com minha camisa
Escorro pelas veias o lquido sujo e loucamente entorpeo a prpria vida que nunca terei

Na liberdade dos meus pensamentos
Liberto a ptria, a cidadania, a educao, a dignidade e o respeito
Da ignorncia, do atraso e das vaidades
Beijo teus lbios e acaricio teus cabelos
Lano inimigos ao fogo e falsos amigos ao mar

Na liberdade dos meus pensamentos
Minha alegria se contradiz na amargura dos inocentes
Recolho os indigentes minha casa e lhes ofereo comida
Agasalho o sol, a chuva, o vento e as mars.
Salvo o mundo e me recolho a mim mesmo

Sinto-me um heri sonmbulo que ao acordar no
Acredita que matou seu melhor amigo.

2.
Borboletas


Baterias as tuas asas sobre os meus sonhos?
Olharias curiosa onde eles nascem?
Restos de pensamentos em fuga...
Buscam nos sonhos lugares para descansar

Onde poderia me esconder de mim mesmo?

Livres meus pesadelos se tornariam pssaros negros
Empoleirados nos telhados cantariam a noite
Tirariam o sono dos inocentes

Ainda aprecio a graciosidade do teu vo silencioso
Suas asas usarei para voltar ao sono e dormir

3.
Um Grande Pas pequeno


Pas maldito, dos malditos cafajestes
Dos imbecis corruptos que levam o seu para o bolso
E os Seus para o Inferno
Dos Aloprados que escrevem o que querem
E dos Leprosos que lem e espalham
Pas que idolatra as Castas vazias
Das Mentes impuras e peonhentas
Pas de um Povo Puro que se lambuza
Na volpia das Mentiras noveladas
Que deixam morrer as Folhas das Figueiras
E pisam na barriga das Grvidas
Lamentando o choro das Crianas Mortas
Pas que se protege do Mundo l fora
Pisoteando a Terra, Poluindo o Cu e o Mar
Que eleva sua Cultura s Alturas
Mas do Cho no se v, o que se Afunda na Cova
Dos grandes que noticiam, manipulam, estremecem e Contagiam
Da Dengue Morte Infantil
Do ndio Inocente e interesseiro soja e, do Branco o arroz,
Do Povo que grita e geme e, que chora a Misria
Mas Aplaude o Discurso, as Palavras vazias, sem nada algum Realizar
Pas inescrupuloso Doador, que cede partes de seu Pulmo
Ao Mundo dia a dia, at o dia em que Agonizar e Nauseabundo,
Pedir ao Mundo por clemncia, pelo amor de Deus, um pouco de Ar
Do Leito esplndido Transformamos as cores deste Brasil varonil
Do Azul infinito ao Cinza das Lpides entre tijolos de 4 furos
Pas das Poesias, das Crnicas, dos Versos, das frases de Efeito
Do Teatro falado e televisado, das Musicas Angelicais e Bestiais
Aqui sobra o Amor, o Teso, o Carinho e a Afeio,
Aqui reina a Democracia onde somos Livres para Chorar
Mas no conseguimos Amar sem Odiar
A Identidade de um Pas so seus Filhos
Se crescidos na Ignorncia, dela Sobrevivero
Se crescidos na Falsidade e na Corrupo
Vendero suas Entranhas ao preo de um tosto
E vivero Mendigando um pedao de po.

Um Pas deve pensar pelos Filhos do Mundo, enquanto Mundo
No Importa o Tempo que seja o Hoje, o Amanh ou o Depois

biografia:
Robertson Luiz Buse

Cheguei ao mundo chorando, no dia 21 de junho de 1.958, em Joinville, SC. Tentaram me reconfortar, mas s parei de chorar quando me devolveram para minha me. Ento sorri, o mundo no era to ruim assim...
Em todos esses anos, da infncia, puberdade e maturidade [?], observei o mundo de Deus e dos homens. O que Um fez e os outros...
Estudei o primrio, o ginasial e o colegial em Escola Pblica de boa qualidade. Fiz Faculdade de Letras.
Aprendi que a liberdade est dentro de ns e que o mundo nos cobra pelos valores que cada um d a si mesmo.
Nos primrdios, o homem lutava pela sua sobrevivncia fsica. Hoje luta pela sobrevivncia dos seus sentimentos.
A contemplao, o xtase, a luta, o devaneio, apreciar uma boa msica, ler bons livros, caminhar, pescar, curtir a natureza, so momentos que transformam e acrescentam aos meus dias...

robertsonbuse@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s