s
s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Denise Severgnini
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
Beijo Ausente

Nas cortinas do tempo, bordei minhas quimeras
Templrio de sonhos, foste tu, que arquitetei
Observei-te ao longe, j de outras e outras eras
Sorvendo as essncias daquele beijo que no dei

Na medievalidade da existncia, enclausurei-me
Nos antros de fantasmais e impenetrveis castelos
Oh, Deus!Como no afoitei do cavaleiro achegar-me?
Hodierno estado, so as acabrunhas dos meus anelos!

Smplice plantinha, na estrada, observei tua passagem
E preservei no mago do meu ser, tua figura herica
Beijei-te, em filigranas de sonhos, mas sem coragem
Nunca proferi sequer eu te amo, na paisagem buclica...

Bailaram as sazes, os meses, os anos... Novas estaes
Maquiei-me de rugas, encaneceram as minhas melenas
Anego ainda em meu ser oscilo ausente... Tantas iluses
Rascunhei uma biografia em sonhos!Esperei como Helenas!

Denise Severgnini

Romanesca

Oh!Amado dos mantos em negrumes espectrais!
Dedilho-te em evanescentes filigranas auspiciosas.
Lassido absorta a tua... Evoco Posseidon nos abissais.
Rogando-lhe tua antema destas hordas prestigiosas!

Numa abbada celeste guarnecida de meus fadrios
Esquadrinho-te como pulcra figura do bem fantasmal
No nego amar-te... Pouco de ti apreendo nos hinrios
De meu lied conspcuo, entoada a ti no cortejo sepulcral

Nulo sculo, inexistente amplexo... Somente falcias.
Eternal viuvez de um femneo ntimo deslumbrado!
Eu: Romntica nas expectativas, dolente nas tuas inrcias!
Cavaleiro das plangentes azinhagas, tu s desalmado!

Tombo no vcuo noturno... E o plenilnio to denso
Vocifera toda crucificao no feminil cerne sacrificado
Altivo cavalariano, declina do negro corcel e propenso
Oblata amor a esta dama detentora de imo extasiado!

Denise Severgnini

Bandida Lua

Oh Selene, andarilha das noites cruas
Nas alcatifas da minha quimera vives
E a conspurcas de maneiras esprias
Breu ativa-se nas biografias breves...

Tua maldade pulcra legifera teses
Mal resolutas, ambguas, letferas
Que perpetrar se abismas meus deslizes?
Lapso de era!Falhas infrutferas...

Impeo tua extenso e, ento, adejo
Em cenbios medivicos, permaneo
Avejo de Arthur oscula-me sem pejo
No padeo!Venero afetuoso gracejo

Nos orbes de Cntia, retrocedo a vicejar
Luminar sem fanal, que almejas de mim?
Alvitre do desengano confina-te ao mar!
Almejo meu sorriso em lbio carmesim...

Denise Severgnini

biografia:
Denise Severgnini
BIOGRAFIA POTICA


Nasci menina, sapeca desde pequena
Numa cidade, poca serena, Porto Alegre
Numa manh de maro, aos dezenove do ms
Ao meu pai, causei embarao,ele esperava menino
Enganei o destino, guria e poetisa, eu nasci
Nos pagos do meu Rio Grande, cresci, estudei
J mocinha, na UFRGS, em Biologia, eu me formei
Hoje, com muito orgulho, professora, eu sou
E desempenho, com amor, a profisso, que Deus
Felizmente, me presenteou
Nas encruzilhadas da vida, encontrei o amor
Na figura de algum que amigo sempre foi
Meu querido,marido Mrcio,companheiro
Para seja l o que for
Pouco mais tenho a dizer
A paixo dos meus dias poesias escrever

Denise Severgnini Novo Hamburgo/RS

denisesevergnini@sinos.net

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s