s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Policarpo Nbrega
Nacionalidad:
Portugal
E-mail:
Biografia

PÁRA UM POUCO PARA PENSAR

Pára um pouco para pensar
Imagina-te como essa criança

Sã inocente e sonhadora
Fecha os olhos
E vê como o mundo é belo
Apesar de suas crueldades

Age como essa criança
Que ignorando
Problemas ou dificuldades
Ultrapassando obstáculos
Tudo faz para vencer

Que sem medos
Ou desconfianças
Em todos vê aliados
Para conseguir
Aquilo que quer

E sempre que algo quer
Pede luta pede
E pede e luta e pede
Até que consegue

Grita corre salta ri
Parte para a descoberta
Não perde uma oportunidade
Está sempre a aprender
E com esse desejo ardente
De tudo conhecer
Tudo pergunta
Para tudo saber

É assim a criança

Que ainda não conhece
A palavra dar
E dá

Que ainda não conhece
A palavra perdoar
E perdoa

Que ainda não conhece
A palavra amar
E ama

E desconhece a palavra
Convicção
Mas age com convicção

E desconhece a palavra
Entusiasmo
Mas age com entusiasmo

E desconhece a palavra
Persistência
Mas age com persistência

E desconhece a palavra
Desistir
Mas nunca desiste

Imagina-te como essa criança
Pára um pouco para pensar

AMÉRICA MEU AMOR

América meu amor
Pensa um pouco comigo

Espalhaste o terror
O medo e a vingança
Por todo este planeta
E milhões de mortos
De Hiroshima a Nagasaki
Da Coreia ao Vietname
Do Chile à Bósnia
Da Líbia à Palestina
Do Irão ao Iraque

Tantos ódios semeaste

América meu amor
Diz-me sinceramente

Que esperas colher
Depois de tantos desastres
Tanta violência
Tanto sofrimento
Tanta mentira
E se nenhum país
Pode contigo
Como não hão-de surgir
Terroristas
Por toda a parte

América meu amor
Por três mil que te mataram
Juraste vingança infinita
Mas se por cada dez
Que tu mataste
Surgisse apenas um terrorista
Em breve muito em breve
Terias
Não duas torres
Mas toda a América
Destruída

América meu amor
É tempo de libertares-te
De todas as guerras
Guerras que trazem
Sempre novas guerras
Sempre novas vinganças
Sempre novos ódios
Sempre novas misérias

América meu amor
Une todo o teu povo
De todas as cores
E condições sociais
E de forma pacífica
Termina de uma vez por todas
Com esse círculo vicioso
De ganâncias e mentiras
Violências e vinganças
E sejas então
Um exemplo positivo
Em todo o mundo
Para que prevaleça o diálogo
A verdade e a solidariedade
A paz e a liberdade
Para que este planeta
Seja um dia finalmente
A terra da fraternidade

AINDA É POSSÍVEL

entre os que até hoje
lutaram por um ambiente
mais saudável
para que
as futuras gerações
das crianças
e de todos os seres vivos
que ainda não nasceram
possam viver felizes
já há muitos desiludidos
pois sentiram-se impotentes
perante tanta atrocidade
dos que só têm olhos
para o seu lucro
e sua estúpida ganância

aos que ainda lutam
eu digo
continuem a lutar
aos que baixaram os braços
eu digo
voltem à luta
e acreditem
ainda é possível
salvar o planeta

ainda é possível
recuperar os mares
ainda é possível
reflorestar as florestas
ainda é possível
salvar muitas espécies
em vias de extinção
ainda é possível
encher os rios de peixes
ainda é possível
trazer às cidades
o oxigénio de volta
ainda é possível
ter cereais legumes e frutas
em campos livres
de pesticidas ou transgénicos

acreditem
ainda é possível
encher os nossos corações
de amor

biografia:
Policarpo Nóbrega


Autor de NAS ASAS DO SONHO E ABRE-TE AO MUNDO, livros de poesia, publicados em 2000 e 2005.

Co-autor do livro/colectãnea, INÊS#PEDRO#PAIXÃO#AMOR, integrado nos 650 anos da morte de Inês de Castro, onde para além de mim participam mais oito escritores nacionais.

Co-autor do volume XXXIV de Viola Delta - POEMAS SOBRE SINTRA, edições Mic.

Formado em Medicina natural, com especialização em Osteopatia, pela Escola Superior de Biologia e Saúde, Lisboa.

Apresentador de espectáculos, livros e outros eventos culturais.

policarpo_nobrega@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s