s
s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Carlos Eduardo Rodrigues Bonito
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
O Poeta e a Noite

O poeta e a noite juntos sempre andaram. Ela, deusa plena e inveterada, dos versos sofridos do poeta alimentava-se. Em troca, dava-lhe sempre novas inspiraes, mostrando novas aventuras regadas a novos jogos de amores.
O poeta, sem pestanejar, a seus vcios entregava-se, total era a sua loucura e seus devaneios em noites atribuladas, regadas de rosas misturadas com o doce amargo vinho.
A sua poesia e a noite se amaram intensamente, madrugada afora, fundindo-se em um s ser. Ao raiar do dia, o poeta novamente acorda com o doce amargo vinho em seus lbios, olha para o lado e v prximos s taas, os espinhos que sobraram das rosas que a noite deixara. Seus poemas ele pega, comea a folhe-los com uma raiva incontida, rasga-os e vai janela admirar o sol. Em seguida, o poeta volta para o que sobrou dos poemas destrudos, comeando a reescrev-los.
O dia passa, surge a noite com outro convite, mais um bar, muitas bebidas. A noite tinhosa traz novamente outras rosas cercadas de muitos espinhos. O poeta tenta resistir, pega suas coisas e sai. Olha para o cu, a noite apenas para ele sorri; outra parada, novos vinhos. Observando em outro bar o vai-e-vem constante de corpos em busca do prazer noturno, sem pestanejar reescreve neles a sua poesia. O poeta deixa de lado seus valores e pudores e bebe do seu doce amargo veneno. A noite novamente parte, aps saciar-se dos seus versos.
No raiar do dia, o poeta acorda e da noite passada v apenas as sobras do seu vinho manchando os lenis, mas com um leve sorriso no rosto olha para o lado da cama: no s v os espinhos que a noite sempre deixara, mas sim uma rosa que com amor a noite ali fizera brotar e para o poeta deixara.

Alma Desnuda

Escrevo meus desejos,
Invado-a com meus anseios
Como um louco varrido.
Quero ser mais que um homem
Maldito!
Penetro-a sem pestanejar
O meu sexo quer mais que sua carne,
Implora a sua poesia desnuda.
Exijo de voc mais do que quer me dar
Quero o que tem mais de srdido e profano,
Quero blasfmias
Sem barreiras, sem limites.
Escutar seus verdadeiros urros e gemidos
No! No se abra apenas para mim novamente!
No quero apenas possu-la
E ter um mero gozo sem prazer
Para mim prazer sem excitao!
A sua carne mais que preciosa
Sem medo, no mais a invado,
Apenas a observo e digo:
Vista sua roupa, mulher,
Olhe-se no espelho
E desnude a sua alma...

Imperfeito

Mulher!No ouso a ti pedir para entender minhas loucuras
Apenas enxugue as lagrimas das amarguras , fuja das regras
e leia-me sem medo.
Sou ser poeta ,escritor.
Mulher!No sou um louco igual a todos
sou translouco, pois figuro em dois mundos paralelos visto por poucos.
O veneno que lhe sirvo literrio e mais forte.
No sou tolo !Sim s um doido, imperfeito, por ti, aqui posto.
Mostro, sem medo, em livro aberto, como Nelson , as crnicas de minha vida
Sem vergonha de provar nada a ningum ou explicar.
Embelezo a sua vida com poesias do meu verdadeiro amar.
Assumo, sem medo, sem vergonha, como Fernando Pessoa
Ser um reles fingidor.
Mas tambm sou ser humano que entre mundos divaga e de amor por ti enlouqueci.
Como Augusto no sou Anjo, mas no nego ser as vezes um maldito inexplicvel.
Sim, eu sei...Sou pra voc isso ou aquilo por muitos lido ou visto
Regado a teor buclico alcolico ou imperfeies literrias
Mulher, no ligo, vou a ti sem receio,
pois aprendi com o mestre Vincius que
a maior solido a do ser que no ama!
E se no queres ler ainda os meus defeitos
Dou a ti, sem vergonha, o amor
De minhas poesias e meus textos imperfeitos.

biografia:
Carlos Eduardo Rodrigues Bonito

Escrevo desde os 15 anos, recentemente fui convidado para fazer parte da Casa do Poeta Brasileiro de Praia Grande onde ocupo o cargo de relaes pblicas. Minha primeira obra publicada saiu em uma antologia com o nome de Diversos a poesia se chama Andarilho do Destino pela editora Andross.
Participei em uma outra antologia com o nome de Amar To Bom pela editora litteris a poesia se chama Viciado em Amar, um concurso pela loja Rosa Cruz Santos AMORC ficando em 4 lugar com a poesia cujo tema era primavera, meu ultimo concurso foi pela Editora Guemanise ficando em uma boa colocao tendo direito a uma publicao em uma de suas antologias. Minhas ultimas publicaes foram: Antologia P.O.E.M.A.S pela Editora D.Mattos ,Antologia Corao do Poeta organizada pelo jornalista Marcelo .Meu primeiro romance saiu agora em parceria com uma escritora de Ja chama-se Vidas Noturnas um romance ertico que foi lanado em junho e esta tendo uma boa aceitao no meio literrio sendo ate vendido para fora do Brasil e com adaptao para peas e curta metragens.Estou agora no momento dedicando-me a meu livro novo e escrevendo em uma coluna no jornal Folha da Baixada e divulgando meus texto no Recanto das Letras e Beco dos Poetas .

apocles@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s