s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Pedro Csar Batista
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

SEGUIR A VENTANIA

Verdade
Verdadeira
derradeira
vontade em qualquer
idade
tempo
espaço
olhar
que se busca.

Confundiro vento
com o brilho da escuridão
não faz bem,
não convêm a humanidade
sempre jovem
apesar da idade.

Quem mata mais?

A guilhotina afinada
com o canto do cisne?

A forca desesperada
como o grito
dos pulmões que se fecham?

O fuzil com seu estálo
seco de causar espanto ao medo?

Verdade dos tempos
que os muros não deixam entrar.

A fome e ignorância
servem a que senhores?

E a velocidade da mentira
propagada na TV
pela CNN ou o Jornal Nacional?

Qual mentira é mais verdadeira
nos shoppings centers das almas modernas?

E o lucro propagado como Salvador?

Deus, o todo poderoso dos sonhos desse tempo não mente: Ele voltará!

Sua forma será em moedas
e barras de ouro,
todas em cartões de crédito,
internacional e sem limite.

Qual verdade é mais verdadeira que a minha morte,
deixando de crêr em meu Senhor,
sem escravos,
nem poder,
apenas mais uma gota da chuva que não vem?

Resta então dar mais um passo,
rumo ao norte,
enquanto o carrasco não chega.

DESAFINADO

Não quero guerra.
Preciso de terra boa
onde possa me enraizar
e respirar o vento de novos tempos.

Não quero o último modelo de celular,
nem passar em concurso,
com altos salários.
Sonho com o fim da fome e da exploração,
um novo tempo de braços dados
alinhados com um novo canto.

Quero a paz real.

Quero flores nos cabelos
brilho nos olhares,
crianças correndo
atrás de borboletas.

Não quero bebés em colos nos faróis da rodoviária,
nem quero a mediocridade desse consumo criminoso.

É preciso novas sementes
que germinem
abraços apertados
verdadeiros
perfumados
apaixonados
pelas pessoas
flores
bichos
e crianças.

Quero esse sonho
brotando em almas
iluminando mentes
apertando corações
no planalto
no sertão
no campo
no Planeta.

Nada de acumular capital
desvairado faminto assassino.

A voz quer sair,
mesmo sufocada
pela solidão dos gritos desafinados
que ecoam na escuridão.

Quero combater a desesperança,
semear tempestades.

MORIBUNDO DO NORTE

Ruas aflitas a qualquer hora
com engravatados produzindo enlatados,
em suas limosines coloridas soltando lixos
de luxo, fumaça e arrogância.

Vives no norte e semeias a morte
nos pontos cardeais com golpes cínicos de um pirata financeiro,
abatido e moribundo saqueando crianças e jardins.
Quem me dera ser do teu porte.
Te enfrentaria por dentro e por fora,
como faço a qualquer hora
contra os exploradores do meu povo.

Teu asfalto é feito de sangue,
com a alma de teus filhos pobres
de peles vermelhas, negras, amarelas, mesmo brancas,
esquecidas e abandonadas em largas avenidas.

Multidões caminham orientadas por luzes,
encantadas com teu espírito sugador
espalhando medo aos teus habitantes e vizinhos robotizados
por todos os desertos, mares e oceanos da abóbada terrestre.

Nada disso adianta.

Todas as cores te adentram,
te acuam nos cantos dos sonhos
cheios de paz, amor e fartura
propagadas por estrelas iluminadas
e barbudos, lutadores, combatentes, caminhantes e poetas.

A rebelião germina dentro de teu corpo esquálido e faminto.
Aproveito para fincar meu brado,
como uma pedra de fogo,
capaz de crescer sob tornados e tufões
impossíveis de serem detidos e controlados.

No teu coração cravei meu canto,
falei de sonhos, dores e conquistas,
repudiei teus crimes contra a vida, as flores, as crianças e a terra.

Boquiaberto me olhas como um boquirroto moribundo.

Meu carcará voa mais alto,
acostumado está com as necessidades.
Tua águia pede água, petróleo e ouro.
Nada te sobrará a não ser novas sementes
de tulipas vermelhas e marias-sem-vergonha de todas as cores.
Elas te inundarão para sobreviver.

Tuas ruas continuarão coloridas,
impondo-se aos teus bueiros que fumeiam
nas avenidas escuras e lúgrubes.

Tua arrogância vem do medo que te domina.
Tuas entranhas apodrecem.
Teu império findará no sangue derramado
que te sufocará em tua usura e força.

Meu carcará voa mais forte,
conhece a dor do sertão.

biografia:
Pedro César Batista

Atuo na imprensa alternativa há décadas. Publiquei os seguintes livros com poemas: Tudo Tem, E aí?, Poesia Matutaí, Letras Livres, Enluadonovo, Sonhos Reais e 63 poemas de amor para uma flor dos pampas no cerrado. As biografias: Gilson Menezes, o operário prefeito e João Batista, mártir da luta pela reforma agrária. Violência e impunidade. O romance Macha Interrompida e a denúncia sobre a violência no campo, Conivência e Impunidade. Resido em Brasília - DF - Brasil.

pcbatis@gmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s