s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Brbara Perez
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

Resistência

Não me envolvi em amores traiçoeiros
Não me curvei perante o homem com a mão levantada
Não sucumbi às lutas de ódios e livres
Não me vendi sequer por um momento

Não me picou a cobra venenosa da fama
Não me dobrei ante ao poder mavioso
Mantive imaculado o lado humano
Meu coração ainda resiste e ama

Não me aluguei por tal fama
A lei da oposição repudiou
Abdiquei a bens materiais e luxúrias extravagantes

Minha poesia é um canto livre e solidário
Que desconhece lei, submissão e preconceito
E só atende às leis da própria arte e do amor.

Doloroso dever

Anuncia por favor
Que tal dia numa derradeira hora
Eu morri...
Que ninguém mais vai me falar
Nem ao menos me ouvir.
Nada de choros, risos
Não quero lamentos,nem questionarão

Avise os amigos mais chegados
Aos parentes queridos
Mas por favor
Coloque um aviso bem diferente
Aos companheiros de poesias e provas
As amigas íntimas, e parceiras de vinhos

- mas fale de forma justa:
\'A poetisa morreu.\'

Diga que não houve causas- mortes
Nenhum diagnóstico técnico foi feito
Portanto ser natural, sem dramatizar...

Não quero choros, nem risos
Apenas muitas cores e batons coloridos
Na minha boca que requer um símbolo
Diferente, que disfarce qualquer tristeza

A todos que perguntarem a causa
Disfarce...ou ria
Que apenas não sabe ao certo

Se, no entanto, ao todo for impossível
De forma bem discreta
Diga que morri de amor
... que estou morta de paixão
Assim morrem as poetisas.

Convite

Pode entrar
Que a porta está entreaberta
O vento a sopra todo momento, embalando
Nossa solidão...
Que as flores estão floridas e perfumantes

E há entre esse silêncio um acorde em cada amanhecer...

Pode entrar
Como entra o ar puro da montanha
Chegando na hora justa
De espantar a solidão

Pode entrar
Que a porta está sempre entreaberta

Na posse galante de esperar
Vem provar-me
Que a solidão venceu o tempo de espera

Vem entrando como primavera
Não importando qual seja a estação

Pode chegar
Que sua boca é meu prelúdio da água benzida
É teu cio e carne que me faz
Ser capaz de nunca deixar-me afogar

Pode chegar
Que expulsei a dor e a saudade
Arrastei a maldade porta afora
Enfeitei os todos os cômodos de flores
E plantei o desejo e o perdão

Vem-me mostrar
O caminho pro céu
Lambuzar-me de mel
Encher-me de feitiços

Pode entrar
Que na solidão só sei chorar
Entra e ocupa todos os espaços
Desse meu pobre coração

biografia:
Bárbara Perez


Profissão: Enfermagem
Trabalhos poéticos - Um livro editado em 2003 pela Academia Calçadense de Letras.
Participação em crônicas no site:
www.broinha.com.br

Próximos lançamentos poéticos [prováveis]:
- Janeiro em São José do Calçado - \'Loba\'
- Coletãnea \'POETAS E LOBOS\' por Bárbara Perez, com participações e doações de Poesias e de Escritores e poetas de todo o Brasil.

Trabalhos sendo gerados:
- Alma Cigana;
- Poesias e Poemas;
- O Nômade, histórias, fatos, crônicas criados das minhas andanças nos caminhos ciganos e seu povo abençoado.

nursebarbaraperez@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s