s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Lilian Vereza
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
PRETO E BRANCO

Sou oposio
uma pergunta constante
ora sim ora no
e vivo assim morrendo
e morro assim vivendo
entre luz, sombra ou escurido

sou oposio em penumbra da noite
sou reta, incerta, abstrata
sou curva delineada e linhas exatas
sou dia, sou raios, sou claro

sou uma oposio duvidosa
cio vazio estranho
ou inundada de disposio
sou letra, verso, poema
e tambm sou falta de inspirao

sou esboo e obra acabada
sou trao, contorno de um poo
ora em terra ora alienada
sou inteira e sou misturada
sou de carne e osso
ou sou vinho, trigo e po

sou escudo e espada
liberdade amarrada
caminho sem direo
sou freira insana
sou rancor que ama
sou estrofe verdica
e um conto de fico

sou uma oposio mutante
alma branca,atos negros
canto meldico e gritos delirantes
fria, calma e exaltao
delrio em mente
sou transparente
ou mascarada e inocente
um verdadeiro camaleo

oposto igual
sou diferente de muita gente
ou com o mesmo rosto de sal
choro em sorriso
ou dentes de lgrimas
to no comeo, to no final
sou nica e sou multido

vou na corrente do frio
sou oposto que sente sede e fome
tenho identidade mas no tenho nome
sou quente no meu vazio
sou o eco do corao
solta e presa na sua rede
cheia transbordo como gua
escorro na parede da sua mo

sou oposio inconstante
a mais exagerada alegria
ou a mais profunda depresso
brilho oculto de diamante
ou sou fosca como o carvo

sou oposta ao tempo
criminosa sem culpa
algemada ao vento
sou sopro e furaco
ora realidade concreta
ora me invento
to indo e vindo ou to na contramo

Ora em baixo ora em cima
oposta em inmeros pensamentos
me esqueo em rima
e me lembro em emoo
sou pecado, desejo, instinto
sou pureza, vida e perdo

sou oposio ingnua
objeto esquecido em cima da mesa
sou brincadeira de roda
e uma criana que joga pio
Sou Anna, Liana, Teresa
tenho nome de natureza
sou inverno e sou vero

sou uma faminta oposio
e tambm sou leo voraz
olhar de medo, passo preso
impulso fugaz faz meu segredo
confessionrio ou priso

sou pessoa, sou criatura
anjo sem asas, mito e lenda
voando na mais imensa altura
ou enterrando o p no cho
sou filme sem legenda
palavra sem traduo
sou do bem ou do mal
sou vicio e sou cura
sou morte imortal
sou doente do corao
sou rasgo sem emenda
amor e dio
raiva e compaixo

sou oposio que no quer entender
a no ser que meu oposto me entenda
sou duvida amarga
e uma doce explicao.

CENIZAS

Eres hecho de polvo
Cara de miles de caras
De vida mentida
de dulce amargo, atado en nudo
Su semblante que baila en la noche fra
Su ausencia dura, vaca
trae legado de alegra fallecida en el pecho
No hay ms como, ni rostro ni gusto
Sentaste en el lugar vacante
Pero con manos transparentes
No habitas ms en mis ojos dormidos,
No te das cuenta de la vida que te pasa
Ahogo entre sus dedos suaves
Que pena
Su vida corre en la hora lenta
Mientras su rosto disfrazado enfra
Mientras mi verdad ciega calienta.

SEGREDO MUDO

Fui apenas uma resposta atravessada
Que rebateu a indagao do meu criado-mudo.
E mal o criado-mudo me perguntava
L estava eu contestando de forma
Malcriada as perguntas da vida
E o silncio do no.
Onde guardada estava a
Interrogao na boca da gaveta,
Descobri o segredo criado
Pelo tempo e trancado
A sete chaves onde empoeirado
Gritava o mudo mistrio
Do meu criado-mudo.

biografia:
Lilian Vereza


lilianvereza@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s