s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Brasigis Felcio
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
CRTICA DA RAZO FLORIDA

O modo como a flor se inclina para onde deve
um mistrio que cientista algum descreve.

A flor no precisa apresentar credenciais,
seu currculo anterior a todos os nomes.

Ela sabe mais de marketing de rede
do que os papas da propaganda.

A flor geometricamente perfeita,
segundo a preciso infinita do nmero irracional.

A rosa resolve, de um modo
matematicamente perfeito,
a ordem das ptalas, de modo a ser
elegante e bela.

As folhas do coqueiro
no entram em guerras fratricidas
para receber primeiro os beijos do sol.

Em sua sabedoria,
a natureza flui luz da Razo urea:
no precisa conhecer
a crtica da razo pura,
nem o abacate explica sua doura
luz das obras de Ren Descartes.

A SOLIDO DE
EMILY DICKSON


A mais abissal solido
no foi a de No,
em sua arca,
quando s havia
a treva
em toda a terra.

Mais espantosa solido
foi a de Emily Dickison
na fazendola de seus pais,
nos confins da Inglaterra
- de onde jamais saiu,
a no ser para ver morrer
parentes e vizinhos.

No inverno de sua desesperana
sentia-se, como No,
sozinha no mundo.
Sequer moveu-a a f
no reino das palavras: no
escreveu para que a amassem
nem escrevia porque
amasse algum.

Escrevendo para no morrer,
s viveu para escrever.

Jamais amou, nem foi amada
nem viu arder a chama da alma
pela beleza transfigurada.

Seu nico deleite era ver
pessoas acabando-se
em seu leito de morrer,
como se fora o ver
a morte
o seu nico prazer
- o dilogo possvel
com a vida,
neste mundo de morrer.

DE DENTRO DAS COISAS

Agonizei no gemido
de cada menino moribundo.
Meu corao tremeu medroso
em cada um que foi
apunhalado no escuro.

Fui caminhante habitual
da solido das prostitutas.
Fui cada solitrio
todos os prias
e os algozes do mundo.

Habito a alegria selvagem
do que salvou o filho
do que escapou ao assalto
da faca afiada
e fugiu, desesperado
do ltimo hospital do medo.

Meu corao de poeta
abre as portas para tudo.

biografia:
BRASIGIS FELCIO


Brasigis Felcio Carneiro nasceu em Alondia [Go] em 1950. Poeta, contista, contista, romancista, crtico literrio e crtico de arte, tem 30 livros publicados, entre obras de poesia, conto, romance, crnica e crtica literria. Em sua bibliografia destacam-se Hotel do tempo, poesia, [Editora Civilizao Brasileira, l982]; Monlogos da Angstia, contos, [Prmio Bolsa de Publicaes Hugo de Carvalho Ramos, Dirios de Andr, romance censurado e apreendido em 1976, por ordem do ex-ministro da Justia, Armando Falco; Viver devagar, crnicas, l998, Literatura Contempornea em Gois, crtica literria, O tempo dos homens sem rosto, poesia, Editora Estao Liberdade, Memria da solido, contos, Coleo Karaj, da Agncia Goiana de Cultura, Meus gemidos de J, Editora Kelps, Obsceno esplendor da Noite, Editora Kelps e A dana da vida.

detentor de dezenas de premiaes literrias [totalizando quase uma centena] em nvel regional, nacional e internacional. Participa de antologias de conto e poesia publicadas em lngua espanhola e francesa. Teve duas obras [ Monlogos da Angstia e Viver devagar adotadas como leitura obrigatria para candidatos ao exame vestibular de instituies universitrias de Gois]. Seus livros tm sido objeto de apreciaes crticas, publicadas em livros, na imprensa regional e nacional, alm de serem estudados em seminrios e congressos de literatura. Sua obra foi tema de dissertao de mestrado aprovada junto a Universidade Federal de Gois.

brasigoisfelicio@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s