s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Livia Maria Oliveira [Lvia Mascarenhas]
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
livia21poeta@hotmail.com
Biografia

Lívia Mª de O. Mascarenhas

Brasil, 1950. [Lívia Mascarenhas]. Psicopedagoga, Intérprete de -LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais  membro e voluntária na  UBE Goiás, Presidente dos ETEGEANOS - "50 Anos de Saudades", canta nos corais: Tribunal de Justiça de Goiás, IBGE, Coro TOSCANELLI (italiano) e grupo Cantoria.

 

CELEBRAÇÃO

 

A brisa leve sopra a folha seca.                      

O rouxinol espalha seu canto nas matas

As borboletas salpicam a relva de cores

O riacho leva a canção das águas

No silêncio que ecoa nas montanhas

A angústia de estar só.

 

A lua vem brincar com o vaga-lume

As estrelas se derramam nas colinas

Os campos vestidos com o branco da neve.                

O voo dos pássaros tecem o entardecer,

Na velha catedral os sinos tocam

 

Páginas da vida escrevem histórias

O pôr do sol dourado se esvaindo

O cisne brinca no lago prateado

A vida nascendo a cada manhã.

 

O poeta é único no casulo de poemas,

A poesia infinita transcende o espaço

Juntos caminham por estradas de sonhos,

Sonhos nunca terminam...

 

 

FLOR ESMAGADA

Este rouxinol chorou a noite toda em mim,
Tentei fazê-lo adormecer com uma canção!
Desesperadamente ele resistiu...
E chorou, chorou tanto até rasgar meu coração!

E na dor que sangrava meu peito
Vi esvaindo-se aos borbotões, o meu sonho!
O silêncio envolveu meu canto tristonho...
Levando todo amor que foi desfeito!

Quisera poder chegar até onde estás,
E juntos voarmos em busca da felicidade.
Nessa quimera desafiarmos a gravidade...
Em outras galáxias nos amarmos em liberdade!

Lívia Mascarenhas

TERRA EM TRANSE

A terra chorando em silêncio
No silêncio da madrugada,
Ouvi o soluço abafado
Deste choro angustiado.

E da semente que caía,
Seu seio estremecia
Na leve brisa do verão,
Levando da flor o coração.

Do aborto abandonado
Um órfão que não nasceu.
A terra toda amordaçada
Pelo homem que aqui viveu.

Lívia Mascarenhas

ACALANTO

Quero viver intensamente todos os
momentos que ainda me restam.
Sugar do tempo o tempo perdido.

Criar asas como a águia e voar.
Voar longe, sem pressa de chegar.
Chegar ao caminho de antes,
antes do entardecer.
Antes de o sonho terminar.

E de cerrar os olhos para sempre,
sentir o aroma suave das raízes,
à sombra da palmeira.
Virar seiva, me tornar vida.

Quem sabe, outra vez!

Lívia Mascarenhas

biografia:
Livia Maria Oliveira [Lívia Mascarenhas]

Nasci aos 21 dias do mês de agosto de 1950 e aos sete anos de idade declamei o primeiro poema.
Tenho uma síndrome rara: Deformidade de Madelung o que fez com que meus estudos retardassem.
Sou formada em Letras pela Universidade Federal de Goiás e pós-graduada pela UNIVERSO. Estou com matrícula trancada no curso de Fonoaudilolgia.
Trabalho com portadores de necessidades especiais -surdos - em LIBRAS: Lígua Brasileira de Sinais.
Escrever é uma paixão que tenho desde criança. Tenho um poema publicado em uma coletânea de novos escritores goianos.
Participo de encontros literários, saraus e eventos voltados para as artes em geral.
Tenho alguns sonhos que são:
publicar meu livro de poemas,
encontrar um médico ortopedista especialista em microcirurgia de mão para cuidar de mim, conehecer Portugal que é o berço da nossa cultura brasileira.
Enquanto estiver aqui nesta dimensão estarei sonhando e fazendo versos.

livia21poeta@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s