s
s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Carmen Larangeira
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
VIDA
Carmen Larangeira

Vida oh! Vida!
Linda s vezes triste
Eis a vida que desabrocha
Por entre a madrugada
Ora triste, ora alegre.

Contida pela dor
E com toda singeleza
Dos momentos transcorridos
A magia se repete.

Vida pura dos encantos
Buscadas com amor
Triste vida ceifada aos poucos
Sem pudor, sem mgoa.

Eis que surge no fundo
A pergunta que se perde
Vale tudo isso, s num momento
Que desperdcio de momentos...

VIDAS PASSADAS

Vidas passadas
Finda uma etapa
O ciclo se fecha
E o fogo queima

O rastro permanece
Como marcas deixadas
Levadas pela brisa
De uma madrugada de dor!

Palavras, rastros, risos cores.
Sons que se repetem
E que se perdem.

Me perco, me acho.
Me encontro sempre
Caminhante.

OUTONO

As folhas cadas nas caladas
Anunciando tempo de se recolher
Sentimentos e idias
Paixes e desamores.

Outono dos invernos meus
Prenncio de solido
Ao contrrio do vero.
Cinzas e cores at que se combinam.

Os plos se atraem
No inverno as brasas acendem.
Como labaredas da paixo.
o amor eterno sofredor.

Aguardar os raios de sol
Aps madrugada orvalhada
Cinzenta como Londres
Eterna namorada das Europa.

NVOA DAS MADRUGADAS

Perdida no asfalto da vida
Me acho nos nibus
Corredores da estrada
Pontilhadas com pedras.

Nas rvores do tempo
O aconchego do corpo
Desnudo de sentimentos
Como se pedra fosse.

Envolta na nvoa da madrugada
Quantas mentes adormecidas
Acordam ao latido dos ces
Que ladram sua solido.

Mas como tudo escapa
Como um suspiro ao lu
Quem sabe depois desta apatia
A madrugada adormece
Nos braos de um novo dia.

AS LETRAS

As letras todas elas juntas
Combinam corao com emoo
Como falar sem tocar a alma
Numa solido que se divide

Ou quem sabe se multiplique
Nos braos da saudade
Presente somente nos dias meus.
Que fenece aos sons ao longe.

Quisera fugir, sei l pra onde
Ou quem sabe no limite do inferno
Sobreviver aos tormentos da alma
Neste turbilho que mata.

E voltar nas asas das nuvens.
Percorrer todas as distncias
Provar todos os sabores
Por que dos dissabores
No amargo do sorriso
Perdi o sabor. Enfim, perdi a iluso.

biografia:

CARMEN LARANGEIRA
NASCEU EM URUGUAIANA RS EM 04/03/1949 E EST SENDO APRESENTADA PELA CNSUL POETAS DEL MUNDO DA CIDADE DE GUAIBA VERA SALBEGO.CARMEN EXERCE A FUNO DE POETISA A MUITOS ANOS,PUBLICOU NO JORNAL RS LETRAS/FOLHA GUAIBENSE E ATUALMENTE PUBLICA NO RECANTO DAS LETRAS E REVISTA POTICA DUPLICIDADE.HOJE APOSENTADA POIS TRABALHA NA REA DA SADE.CARMEN FAZ POESIA PARA FALAR A TODOS OS VIVENTES.ATUALMENTE RESIDE NA CIDADE DE GUAIBA RS.

carmelars@gmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s