s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Eliza Gregio
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
Parto de Dor

Um passado distante
A terra vivia em harmonia
A natureza e o homem
Em paz eles viviam
Seu parto era de fartura
E vinha a matar a fome do homem.

E o homem mudando a natureza
Poluindo as guas dos rios e das fontes.
Fazendo, nossa gua acabar.
Ao cair chuva cida
Matando a natureza divina.

Hoje seu parto e de dor e fome
Sua dor esquecida pelo homem
A dor vem chegando.
Cada vez aumentando.

A terra ao reagir se manifestando
Seus movimentos, demonstrando.
A terra treme da uivo de desespero
Ao homem chamar ateno.

Hoje seu parto e de choro
O homem a morrer de fome
A terra cada vez tem mais cede
Suas entranhas sem vida
Sofre me natureza.

Eliza Gregio

MATANDO A NATUREZA

Lindo este mundo
que vivemos, o sol a sorrir;
para nos acordar.
E a lua toda prosa;
vem trazer serenidade e nos acariciar
em suas pequenas gostas de orvalho
como cobertor, vem nos cobrir.

e a chuva com carinho, vem a nossa sede matar.
Matando a cede da terra, a transformando em alimentos
para nossa fome matar.
tempos que pessoas era saudveis e felizes podiam respirar
ar puro para seus pulmes alimentar, crianas livres a brincar.
Neste tempo, pessoas tinham mais sentimento.

.

O que saudade deste tempo to distante me relembro;
me trazendo lembranas de tempos de fartura onde seres
humanos menos violentos ,pessoas mais tranqilas viviam a sorrir
em contato com a natureza em comunho entre cu e terra
ar e gua
.

E o homem em agradecimento a Deus
a natureza quis mudar, poluindo nossas guas;
mudando percursos de rios como se o dono fosse
.
E o ar que respiramos, transformando nosso mundo
em profundo pesadelo insanos
enchente, casas levadas pelas guas
poluio pessoas morrendo sufocada
secas pessoas morrendo de fome.

chuvas acidas matando a tudo e todos
doenas provocadas pela nossa alimentao
a natureza transformada em
As flores cada dia de uma cor perdeu sua beleza natural.

E as frutas j no tem mais sabores.
O ser humano perdendo sua essncia natural.
Sua vida de estres se tornando em violncia
.
Eliza Gregio

biografia:
Eliza Gregio

Sou casada, me, av gosto de escrever poemas em prosas, fao pinturas em telas, sou voluntaria em escolas, publicas como professora de arte,amo o que fao, gosto de fazer, amizade sinceras.

eliza-gregio@ig.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s