s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Deomdio Neves de Macdo Neto
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

O NORDESTINO E O PADIM PADE CICERO
[Linguagem do Sertanejo, matuto]

Acariciei meu corpo percebeno meus pêlo moiadim pelo suó que brota da pele
sofrida pelo tempo.
Oiei pro céu, e vi as nuvem se juntano e logo escureceu. Tirei o suor da
testa, que escorria pro nariz, denunciano a quentura que tava fazendo.
Fiquei emocionado quando ouvi um istrondo vindo do céu. Esbugaei os oi e
arreparei a chuva caino. O meu suó agora misturava com os pingo trazido
pelo vento. Os Passarim revuava procurano abrigo, e os relampo clareava o
céu com seus Raí, e eu ali estatelado agradecia a Deus.

As foia tava orvaiada pela caricia do céu. Arretirei meu chapé, de forma
respeitosa, garei minha inxada e bailei sem pará entre as plantação, lá do
céu com certeza meu Padim Pade Cícero ria de mim. De encontro à chuvarada,
vou vuano pra casa abraçar a famia, que já vinha na minha direção. A minha
Matide de pé no chão, corria com seu vestido grudadim na sua formusura
trazendo os guri.

Direpente estacou na minha frente, não sabia se chorava ou se sorria, eu
só sei que ela me abraçava, e neste abraço senti seu coração palpitano de
alegria incostadim ao meu peito. Os moleque me puxava pra lá e pra cá, e
neste puxa, puxa, de alegria nois caimo no chão rolano na enxurrada que
descia em disparada serpenteano o sertão.

Levantamo sujo de barro, Butei Tiago na carcunda, entrelacei Matide, dei
a mão a barnabé e pra casa retornamo. Tomemo baim, pra tirar a tiririca
que a terra moiada deixou. Ascendemo os fifó e esquentemos no calor do
fugão de lenha, que aquecia a água do café, a borboiá. Logo, logo, os guri
adormeceu. Peguei um a um e na cama butei.

Voltei pra minha muié, que tava linda, radiante, Iluminada pela chama que
briava na cozinha tão modesta. Ela tava incuidinha com o vestido entre as
perna toda brejera e marota. Fui chegando de mansinho, sentindo seu
respirar Bem pertim da minha boca que dizia: Matide:eu te amo minha flor.

Abracei seu corpo escuturá e ali mesmo nois amamo ouvindo a música no
teiado dos pingo que banhava as teias da nosso ninho. Adormecemo
entrelaçado e logo pela manhã oio pra ela reluzente o ar era diferente,
alegria sem igua. Pego meu chape de paia, minha sandaia rasta pé, No ombro
boto a inxada, ainda suja de barro, do dia anterior.

No camim percebia os cantar dos passarim, os poço todo cheim, gumitano
água pura . Vi nossa marca no chão, o florar do feijão, o cantar do
sabiá, o mi desabrochar e nove meis dispois nasce Esperança nossa fia Pra
completar essa famia do nordeste brasileiro.

---------------------------------------------------------------------------

SEU MENINO, SEU AMOR, SEU POETA

Minha mãe quem diria que um dia
Aquele menino franzino e pacato
Que sentia dificuldade em aprender o B A B Á;
Que levava preocupação para o lar
Quando a professora falava: ele é bom no futebol
Mas em Matemática e Português tenha dó.

Meu pai alfaiate, costurava sem parar,
e ali perto me colocava pra estudar.
o meu medo de errar não me deixava concentrar
e quando ele perguntava B O - BO LA - LA
eu respondia sem pensar: C A S A
Até que rimava e a régua estalava
Acompanhada da sua fala: casa o que moleque: BOLA
Era disso que entendia, mas ninguém compreendia.
Passa, passa, passa o tempo, fui crescendo e aprendendo em busca de novos
conhecimentos

Minha mãe quem diria que um dia
estaria aqui relembrando meu passado, minha infância e dizer com alegria
Sou poeta, sou ator, seu menino, seu amor que escalou os Montes Claros das
Minas Gerais, Terra de Tiradentes, dos inconfidentes, De Thomas Antônio
Gonzaga, De Marília de Dirceu, das Cartas Chilenas, Terra do velho Chico
que traz este gigante: O PSIU POÉTICO DO POVO Irradiando poesias para o
Brasil e o mundo.
Mãe...... PSIU !!... sou eu ...seu filho, seu menino, seu amor, seu poeta
POÉTICO

PSIU POÉTICO

--------------------------------------------------------------------------

QUANDO NASCI!

Quando cheguei,chorei e eles sorriram;
antes de chorar, me bateram para o meu desespero.
Onde estou não sei, me pegaram pelos pés e de ponta cabeça fiquei.
Que estranha gente que de repente me bate, me corta e sorri;
Tava tão quietinho, quentinho ali e fui obrigado sair por uma força
empurrando minha bunda.
Êta confusão danada e sem me perguntar me jogaram na água.
Uma mão veio em minha direção esfregou os meus cabelos,
desceu para minha cara quase a me sufocar, lavou o meu pinto, saco,
pernas, pés, não parava de esfregar.
Não sei quanto tempo durou este vai e vem
Até que me levaram para alguém, que tinha um cheiro conhecido, me sentia
protegido.
Ela me abraça, me beija, sorria pra mim oferecendo o peito, e pelo
instinto minhas mãos a segura com carinho e minha boca suga sem parar o
líquido que me acalenta.
E naquela satisfação, ensaiei um sorriso, porque visualizei MAMÃE pela
primeira vez.

biografia:
Deomídio Neves de Macêdo Neto

Natural de Guanambi - BA, ator DRT nº
2274/2000, inscrito no Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de
Diversões do Estado da Bahia. Administrador; pós-graduado Lato Sensu MBA
em Gestão Pública - Desenvolvimento e Economia Regional pela Fundação para
Pesquisa e Desenvolvimento da Administração, Contabilidade e Economia -
FUNDACE - Fundação formada com professores da USP. POETA / DECLAMADOR.
Participo desde o ano de 1994 do Grupo Artístico Bem-Te-Vi Guanambi da
UNEB - Universidade do Estado da Bahia, Campus XII, Guanambi - BA, o qual
apresentou várias peças teatrais.

deomidio@gbi.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s