s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Conceio Pazzola [Cnsul - Z-C-Olinda-PE]
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

1 - CALMARIA

Na casa vazia ao sol clamei
Por luz e calor esquecidos
Em portas e janelas fechadas
Há muito tempo perdidos

Na casa vazia em vão busquei
Por um brilho de teu olhar
Nem as estrelas fulgurantes
Com mil fagulhas radiantes
Poderiam se equiparar

Clamei na casa vazia, esperei!
Indícios de risos aconchegantes
Nem as musas de belas canções
Com suas vozes mais delirantes
Devolveriam ao seu lugar

Na casa vazia ainda uma vez
Anseio pelos passos e abraços
Daqueles a quem tanto amei.
Nem os sons mais suaves
Mostraram o mais leve traço

Pela casa vazia ecoa a pergunta
Onde se perderam os meus laços?
Encontro o céu de nuvens juntas
São elas as moradas esparsas?
Procuro agora a fórmula mágica
Capaz de levar-me ao espaço.

Olinda, 20/12/1999.

2 - MUITO MAIOR A SAUDADE

O que é saudade
Senão ansiedade de voltar
No tempo que se perdeu
Longe de toda emoção
Do amor que terminou
Sem avisar sem perdão

Da louca vontade de rever
Aquele lugar mais bonito
Onde fomos muito felizes
É a necessidade de ouvir
Aquela voz mais querida
De um alguém inesquecível

É a saudade de sentir
Aquela carícia mais terna
Ouvir o sussurro mais doce
De um grande amor perdido
O que pode ser a saudade
Senão a dor do desamor

De quem nunca esquecemos
Apesar da toda distância
De todos os obstáculos
Do passar de todos os anos
De todas as queixas e mágoas
Ainda resta aquela saudade

E a duradoura sensação
Resistente e teimosa ilusão
De que falta para ser dita
Uma palavra mais bonita

Capaz de reacender a paixão
É a falta do beijo mais longo
Aquele que sempre deixa
Muito maior a saudade.

Olinda, 11 de outubro de 2006.

3 - PETER PAN

Ainda quero rever um dia
Espero que esteja próximo
Neste mesmo espelho mágico
Onde há hoje apenas exibida
A eterna máscara tristonha
E tão repetida.

Um dia eu a busquei risonha
Em vez disso ei-la sem graça
E tão enfastiada.

Quisera um milagre
Transformá-la em nova criança
Cativante e sincera
De novo, viçosa primavera.

Recobrado o autêntico sorriso
Banido agora de seu rosto sério
Apertado entre as mãos
Tal máscara de gente grande
Esquecida de infância.

Sonhei vê-la livre
Entretida nos brinquedos
Fantasiada de princesa
Do reino da alegria sem segredos

À espera do momento mágico
Em que a nuvem reaparece
No galope do cavalo branco
De São Jorge e sua espada brilhante.

Contra o inimigo, monstro dragão
Longe! De sonhos mal vividos
De tristes horas solitárias
Longe do tempo comprido
O feio tempo de brincar de gente grande.

Olinda, 03/10/1998.

4 - QUINZE ANOS DEPOIS

Quando voltares para casa
Estarei na cama dormindo
Toda a mobília renovada
E nossas crianças sorrindo

Quando voltares para casa
Acharás a mulher perfumada
As panelas sobre o fogão
E todas lâmpadas apagadas

Quando voltares para casa
Notarás a família reunida
Todas as janelas abertas
E teus filhos cheios de vida

Quando voltares para casa
Todos ouvirão indiferentes
Os teus passos na entrada
Ninguém pulará de contente

Quando voltares para casa
Pensa direito um instante
Antes de desfazer tua mala
Para um detalhe importante

Quando voltares para casa
Sem afago no cabelo revolto
Diante da fechadura trocada
E do novo cachorro solto.

Olinda, 19/2/2007

Biografía:

Conceição Pazzola
é Maria da Conceição Cardim Pazzola, nascida Cardim de Carvalho na cidade de Paulista, em Pernambuco [Brasil]. Adotou Olinda como seu lugar, depois de viver durante oito anos na Cidade Maravilhosa de onde voltou com o marido italiano de nome Giovanni [já falecido], com ele passeou pela bela Itália em 1990. Além de mãe, avó e bisavó, é graduada em Comunicação Social e Pedagogia. Trabalhou como comerciaria por mais de trinta anos e hoje é aposentada, tem tempo para se dedicar ao que mais gosta de fazer, escrever ficção e poemas.

Escritora e poeta desde menina, já publicou por conta própria quatro livros, um de memórias e três de ficção. Participou da Bienal do Livro em 2006, em Recife e da Antologia 2007 dos Poetas Independentes, o grupo virtual do mesmo nome. Tem trabalhos publicados nos sites Garganta da Serpente e Interpoética.

Na sua homepage http://mariaescrevinhadora.blogspot.com publica poemas, contos, sinopses de livros e fotos.

mccpazzola@yahoo.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s