s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Celso Eduardo da Silva
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
O QUE O AMOR SE NO FOR O OLHAR

UM SIMPLES APERTO DE MO
SE NO FOR O CANTAR
DA MAIS BELA CANO
O AMOR ISTO TUDO
E AO MESMO TEMPO NO NADA
O AMOR O CALOR DO MUNDO
MAIS TAMBM O FRIO DA MADRUGADA
ELE NO AVISA A HORA QUE VAI CHEGAR
ELE MESMO SEMPREVISO
O AMOR FAZ O INSENSVEL CHORAR
ELE TRANSFORMA O CORAO
O AMOR NO S ESTAS LINHAS
O AMOR NO CEGO
O AMOR AS MINHAS POESIAS
QUE PARA VOC EU ENTREGO.

Celso Eduardo

Quem aquele menino perambulando?

Ser que o governo estar olhando?
Que em suas mos a um saco de cola de sapateiro,
Este o seu passaporte para um mundo passageiro
Tentando esquecer da fome e do frio
Sua me trabalhando, seu pai nunca o viu.
A sua casa a marquise e o jornal o corbetor,
Pois a sociedade as portas fechou.
A nica porta aberta da marginalidade.
Este o verdadeiro espelho de minha cidade.
Que entrega nas mos dele ao eiveis de uma caneta
38 pistola at mesmo uma escopeta.
E diz para ele que isto a sada
Seqestros, estupros, assaltos isto no vida.
A policia atraz e ele matando inocente.
Meu DEUS! Ser que os nossos governantes no sentem?
Vergonha de forma criminosos.
Os formando so as classes baixa e os professores os poderosos
Pois vivemos em dois mundo, o que dominado.
Senhor isto tudo estar errado.
Porque criana tem que saber ler e escrever,
E no armar e desarmar uma PT
Pois o que eu quero ver o menino com um livro
Mas olho para a realidade e o meu desejo quebra como um caco de vidro.

Celso Eduardo

Muitas vezes sou inabalvel

Outras vezes me estremeo
Muitas vezes sou notvel
Outras vezes de mim esqueo
Muitas vezes sou dor
Outras vezes sou paixo
Muitas vezes sou amor
Outras vezes sou iluso
Muitas vezes sou tudo
Outras vezes sou nada
Muitas vezes sou seu mundo
Outras vezes sou um parte no contada.
Muitas vezes tenho carinho
Outras vezes sou humilhado
Muitas vezes me sinto sozinho
Outras vezes sou amado
Muitas vezes me alegro
Outras vezes me entristeo
Muitas vezes me entrego
Outras vezes enlouqueo
Muitas vezes te quero
Outra vezes te aborreo
Muitas vezes eu erro
Poucas vezes reconheo
Muitas vezes tenho certeza
Outras vezes falte-me convico
Muitas vezes temo que me esquea
E mais uma vez te peo perdo
Por final, muitas vezes aquilo que estar escrito.
Outras vezes a coisa que no revelei...
Muitas vezes termino com isto
Com a certeza que para sempre te amarei.

Celso Eduardo

biografia:

Celso Eduardo da Silva
, nascido 16 de maro de 1982 Poeta, Escritor, Contista, Msico, Atleta da Seleo Baiana de Beach Soccer, Diretor de Relaes Publicas do Conselho de Segurana Publica, formado em computao, Presidente Nacional do Conselho fiscal do Projeto Internacional Mus-e Brasil, Diretor Finaceiro do Instituto Cultural Esnegro, Auxiliar de Escritrio, Membro Efetivo da Academia Literria e praticante de Artes Marciais. O Poeta autor dos seguintes livros: Os primeiros versos de minh'alma, Meu primeiro amor em prosa e verso, Vendo a vida por outros ngulos. O Autor tem a sua obra inspirada em grandes mestres da nossa literatura como Antonio Frederico de Castro Alves, Gregrio de Mattos Guerra e no Poeta e Escritor contemporneo Jailson Santos o qual o mesmo o considera o seu Mestre. A obra do Poeta Celso Eduardo impregnada de um lirismo que envolve o leitor de repente... e suas poesias satricas levam o leitor a refletir sobre a nossa realidade atual. O Poeta participou da coletnea do Movimento Cultural Artpoesia e por diversas vezes foi contemplado nos concursos literrios da Litteris Editora. Atualmente o Poeta encontra-se em intensa produo literrias e marcial e desenvolve vrias atividades voltadas para literatura

celsossa@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s