s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Carlos Moraes Jnior [Cnsul - Z-S-Piracicaba-SP]
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

FLOR DO CLÃ

Ai! Quão vão és, má dor que não faz bem
E não me dás só vez de sol e paz.
Ai! Quão chã és, tal dor que só me vem
Pra ser tão rés, e ser a que me faz

O fã do fim, do fel dum só que tem
Na cruz o mal, o sal, o pó, o gás,
Da luz sem par, sem lar, que é o zen
Da flor do clã, que só a dor me traz.

Ai! Flor do clã, que a fé não quer me dar,
Nem quer ser gen do dom que é a foz
Da mãe da luz sem fim, que é um lar.

Ai! Flor do clã, que a rir vem ter a nós
Bem cá na mão, pra ter a lei de par
E ser o fim da luz, que não tem voz...


O PÁRA-QUEDISTA DO DESESPERO

O ar envolve o salto
do pára-quedista do desespero,
do malabarista do irreal.
O corpo caiu do avião
do comodismo
que nem um saco de lixo,
rumo ao chão,
atravessando em seu caminho
léguas de vazio absoluto.
O corpo arroxeado
tem olhos de maquinaria exata,
corpo de ferro-velho
e alma de alquimista.
Decerto, ao tocar o chão
o milagre se faça
e sua miséria
venha a se transformar
num setor burocrático,
que resolva, de uma vez por todas,
a situação efêmera
de milhões de miseráveis como ele!
Decerto o salto inútil
não venha a ser apenas estatística,
mas se torne
num sacrifício oportuno!


O PASSO À DIREITA

O toque das marchas militares
ecoa, enche as ruas e as casas
como um troar de trovoada,
como uma voz possante e inflamada
pelo orgulho dos mortos
e pelos feitos dos heróis.
A multidão frenética, histérica,
vê a massa fardada que passa
no seu passo de gigante,
batendo os pés, sacolejando os braços,
como se a rudeza daqueles gestos
deixasse transparecer
a ânsia varonil
que seus peitos tanto aspiram.
E a multidão delira! A multidão geme,
sentindo o orgasmo febril
das paixões políticas e sociais,
sentindo a satisfação voluptuosa
de ver a força bruta,
a demonstração do poder das armas,
a desfilar garbosa e masculina
ante seus olhos chispantes,
ante seus olhos de lava,
que escondem atrás de si
a revolta, o ódio e a sede maligna
de ver aquele mesmo exército
lutar até a morte,
num clímax de violência, sangue e dor!

Depois passam homens herméticos, frios,
escondidos em tanques,
manejando imensos canhões,
dirigindo poderosos carros de combate...
Parecem monstros amorfos
saídos de algum conto de fada,
ou quem sabe, de um terrível pesadelo!
E a multidão aplaude, urra, baba,
ao ver aquele espetáculo magnífico
de poder bélico, de poder mortal.
E passam os generais engalanados
trazendo o sinete de sua força,
e no estômago, a úlcera, a má digestão
da insatisfação política e social do povo!
Aviões cruzam em algazarra
pelo cimo dos edifícios
marchetado de cabeças,
pontilhado de sorrisos obscenos,
parecendo antes pássaros gigantescos
vomitando, de quando em quando,
a poluição dos confetes coloridos.
Um padre abençoa as armas
fazendo delas instrumento sagrado,
para que jamais disparem menos
que papel colorido e bolhas de sabão.

E marcha o orgulho verde da nação
emproando o peito altivo,
empunhando o fuzil amigo
tal qual feras de anilina
de panos e de $3>l.
Os tambores rufam mais alto
mostrando a todos
os acordes da liberdade:
-- Passo à direita. Um... Dois...
-- Passo à direita. Um... Dois...
Meu filho assiste à tudo
eufórico, alegre, vibrante,
no seu entusiasmo infantil.
E levado pela febre magnífica
sacode os bracinhos finos,
levanta as perninhas frágeis,
e bate no chão os pezinhos fracos,
enquanto a boquinha pura
entoa na sua ingenuidade angelical:
-- Passo à dileita. Um... Dois...
-- Passo à dileita. Um... Dois...


Biografía:
Carlos Moraes Júnior
, 56, nasceu em Tatuí/SP, em 16/12/1948. Detentor de vários prêmios literários, entre eles: I Festival de Poesias do JUBA [1969], “Poesia em p minúsculo”, Semana Cultural da Sociedade Prudente de Morais, “A Nova Vida”, poesia e “Impressionismo”, conto, [1969], II Festival de Poesias do Interact Clube de Piracicaba, “Tema Caótico”, poesia, [1970], I Happening de Literatura da Escola de Música de Piracicaba, 1º. Prêmio, contos “A estória da praça estranha”, [1975], II Happening de Literatura da Escola de Música de Piracicaba, lº. Prêmio, contos “A saga do beco dos seis outeiros”, [1976], II Concurso de Poesias da Ação Cultural da Prefeitura Municipal de Piracicaba, poesia, “Vietnã”, [1979] e III Happening de Literatura da Escola de Música de Piracicaba, 2º. Prêmio, contos “Irmã Helga vai à guerra”, [1982], da Medalha de Mérito Cultural \'José Bonifácio de Andrada e Silva\', participou da Bienal Internacional do Livro de 1988. Jornalista, durante os últimos 30 anos, é articulista do \'Jornal de Piracicaba\', ministra cursos de literatura e de redação. Foi editor de “Palavras Cruzadas”, durante 13 anos para o Jornal de Piracicaba e escreveu por 5 anos o programa radiofônico \'Clube dos Escritores\', que depois se tornou por dois anos a página literária \'Clube dos Escritores Piracicaba\', e em 1995, a entidade que preside. É membro fundador da Academia Piracicabana de Letras, do Centro Literário de Piracicaba e do Clube dos Escritores Piracicaba, filiado ao Sindicato dos Escritores Profissionais do Estado de São Paulo, à Academia Paulistana da História, Ordem Nacional dos Escritores, Ordem Nacional dos Bandeirantes, União Brasileira de Trovadores, Academia Itapirense de Letras, Academia Poçoscaldense de Letras e Academia Brasileira de Ciências Mentais. Publicou: Ficção: \'Temática\', crônicas, 3 edições [74/76/78], \'Nem tambores, nem clarins\', crônicas e poesias, 2 edições [1976/77], Literatura Alternativa: Coleção Jubileu [1986], Série Ouro e Série Prata [1987], Série Vermelha [1988], Série Branca [1989], Série Amarela [1990], Série Verde [1991], Série Azul [1992], Série Marrom [1993]. Poesia: Outono [2005], Umbral [2005]. Coletâneas: Coletânea dos Classificados no II Concurso de Poesias da Ação Cultural [1979], Clube dos Escritores [1992], Força Motriz [1993], Coletânea do Clube dos Escritores [1995], Cadernos do Clube dos Escritores [1996], e Nadir Silveira Dias & Amigos [2001] e Antologia de Escritores do Brasil [2002]. História: \'Poetas Piracicabanos – 1800/1970\'. Nos últimos dez anos é responsável e editor do Informativo do Clube dos Escritores. Atualmente é Editor Chefe do jornal “Gazeta Regional”, que circula em Piracicaba e região, e articulista de vários sites na Internet e nos jornais “Jornal de Piracicaba” e “Tribuna Piracicabana”.

Piracicaba/SP

clube.escritores@uol.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s