s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Berenice Barreto Fernandes
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
A obra

A obra comea no sonho da alma,
no imaginrio do meu inconsciente.
Quando diante da ausncia de cor,
no infinito branco de uma tela,
ouo uma voz que me diz: Vai!!!!!
Mergulho ento no recndito do meu ser interior
e navego num impulso quase mgico,
sem hora marcada,
sem regra,
sem algemas,
sem pensar muito.
Apenas deixo fluir aquele sonho,
fazendo deste momento
uma realidade substancial,
onde o expectador
o seu complemento final.

MISTRIOS DA VIDA

Por sermos programados com iluso
que passamos a no ser verdadeiros..
Nascemos gritando por sermos cortados
de uma vida que no era a nossa.
Vivamos em guas tranqilas
hoje nos afogamos.
ramos alimentados
hoje temos que chorar por isto.
No pensvamos em nada,
hoje temos que em tudo pensar.
Vivamos sozinhos,
hoje temos que conviver com muitos.
No enxergvamos nada,
tambm no havia pedras para tropear.
O barulho do mundo no nos incomodava.
Tinha um corao, mas no havia a quem amar.
Desfrutamos deste mundo por nove meses apenas,
o que nos parecia ser eterno.
De repente, um grito de mulher em dor,
nos acorda para vida
Dizendo, ' meu filho, te amo' !
Envolto em cordo e sangue
nos enxugam para vida
e nos cobrem a nudez.
Hoje, temos o mundo
e no somos dono de nada.
Mistrios da vida.

Berenic, Rio 09 de Maio de 2008

RETALHOS DA VIDA

A vida uma colcha de retalhos
que vamos encontrando no balaio da vida.
Dia, aps dia, costuramos a nossa dor, o nosso amor.
Tecemos verdades, mentiras, fuxicos.
Cortamos, aparamos, emendamos e at mudamos a cor.
Assim vamos tecendo a nossa colcha de retalhos
que um dia, ser estendida sobre a cama do cenrio da vida
estampando o nosso passado de lembranas coloridas.
Deixaremos no balaio da vida, pedaos de amor, restos
de vida, pontas de tristeza, trapos de dor.
Fiapos de esperana, emaranhado de linhas que outros iro desembaraar.
Novelos de l tricotaro casacos de luxo.
Meadas de linhas sero tecidas pela mo do pobre, que, tece, tece e re-tece
mas que casaco nunca veste para cobrir a sua nudez.
Retalhos da vida, sobras de sonhos que no se realizam.

Berenic
Rio de Janeiro - 23-04-08


Regresso das borboletas

Surge de repente
Plantado como
Semente.
Regado, germina.
Nasce em silncio.
O amor.
Cresce, cria razes.
Brotam galhos.
Sopram ventos.
Folhas gritam agitadas
Rosas desnudas.
Botes entre espinhos
A chorar.
Galhos ao vento
levam as borboletas
que enfeitam os ramos.
outono.
Primavera sempre haver.
Florescendo o jardim
borboletas voltaro a bailar
beijando flores a perfumar.

Berenic
Rio 24- 04-08


RECANTO DOS ENAMORADOS

Entre flores e espinhos
Caminham os meus sonhos a te buscar.
Entre sorrisos florescem os lrios em
Busca de paz a conquistar.
Entre beijos a flor se regala.
Borboletas coloridas enfeitam os cus.
Vestido de azul
O galhardo pavo exibe a sua exuberante
Cauda cortejando a fmea.
Pssaros gorjeiam trazendo o sol da radiante manh.
Serena inquietude invade os coraes apaixonados.
dia dos enamorados!
O vento sopra trazendo o teu perfume de aroma suave.
Desperta um desejo ardente de beijar
Teus lbios quentes de mel.
Em que peito bate
insensato corao?
Vem buscar a chave
Para abrir o meu corao
E encher-me de emoo....

Berenic - Rio 12 de Junho 08

Biografa:
Berenic

Berenice Barreto Fernandes
, conhecida como Ber ou Berenic, natural do Crato Cear, onde passou sua infncia e parte da adolescncia. Autodidata, desde o inicio definiu o seu estilo naf de pintar. Fez sua primeira exposio em 1977, em Salvador, Bahia. Reside no Rio de Janeiro desde 1981.

No Museu de Arte Moderna fez os cursos de Anlise e Crtica da Obra de Arte, Para Entender o Contemporneo e Histria da Arte. Tem formao em arteterapia. Realizou centenas de exposies no Brasil e exterior, incluindo individuais, coletivas, Bienais e Sales de Artes Plsticas, fazendo jus a vrias premiaes. Tem projetos aprovados pelo Ministrio da Cultura e pela Secretaria de Estado. Suas obras fazem parte do acervo de Galerias e Museus, dentre estes o Museu Internacional de Arte Naf e Nuseu Nacional de Belas Artes e em colees particulares no Brasil, Frana, Canad, Itlia, Japo e Estados Unidos.

Berenic, ainda, ilustrou com as suas obras inmeros livros e revistas de arte, cartes de telefone e Telelistas de vrias cidades no Brasil. Participou do documentrio Arte Ingnua. Vrios crticos de arte e historiadores como - Lucien Finkelstein a Osar D`Ambrosio e Ivan Alves Filho - reconheceram os mritos das suas obras..

colunista do Jornal O Rebate onde escreve sobre arte e cultura. Reescreveu vrias lendas brasileiras, temtica marcante em suas telas. Faz parte dos Poetas Del Mundo, onde tem como misso difundir a Paz ao mundo.

No ano de 2007 foi condecorada com a insgnia da Medalha do Mrito Humanitrio Nise da Silveira, outorgada pela FALASP Federao das Academias de Letras e Artes do Estado de So Paulo. Recebeu tambm Moo de Congratulao e Louvor da Cmara Municipal do Rio de Janeiro. Neste mesmo ano, foi empossada Membro Correspondente Titular da Academia de Letras da Mantiqueira, da Estncia de guas de Lindia, passando a ocupar a cadeira de nmero 56 patronmica de Herri Julien Felix Rosseau. Em 2008, passa a ser Membro Correspondente da AILA- Academia Itapirense de Letras e Artes.

berenicfernandes@yahoo.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s