s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Adroaldo Bauer Spndola Corra
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
Em nome do amor

Vo acusar o poeta porque ama
E no reclama destes tempos
Foscos e insossos no poema
Vo perder a calma e a alma
Porque a lama infinita deixa gente aflita
Vo acusar de pueril, ingnuo e efmero
O verso que no retrata o inquo, o vil
Vo perder a calma porque a dor que h
No veio minha casa para tomar da flor o lugar
E ela, bela que se me faz desde onde est
Que floresce em nosso jardim
Resiste a tanta negao e disparate
Insiste em ser arte
Semntica insolente da vida
Que bela desde o lodo
Que s agora flor
Porque j foi semente
E linda para os que amam
Prova de que mais se ama
Quanto mais amor existe
E, mesmo que saiba eu dos tempos
Miserveis, violentos e tristes
De sonhos adiados,
Esquecidos
Engavetados ou trados
Sabendo da explorao pela ganncia
No me convencero de que no deva amar
No deva cantar o amor
com ele, que o trago no peito e na mirada
Que posso dar o que tenha para mudar
Em flores as dores que os de baixo sentimos
Para dizer s pessoas amigas
Que temos os mesmos inimigos
E que os venceremos cantando,
Caminhando com flores, sim,
E com o que mais necessrio for
Em nome do amor

Adroaldo Bauer Porto Alegre [RS] 15/9/2007 21:01 120 votos 14

----

Imperfeito Retorno

Em sociedade
Relaes de produo
Determinam relaes sociais

Em sociedade, tudo se sabe
Da Cultura, da Cincia e das Artes
Das transas e das reprodues

Poltica disfara e conforma
Como religio que molda e transforma
Do plpito ao ter
Profana o sagrado
Amassa em massa
Para alm das classes em luta
Para alm do luto e de Meca
Bomba e foguete por um deus
Petrleo a mil pelo barril
tudo antigo antes que velho
tudo desabotoado, desabotinado, desbotado, desmanchado
E, no entanto, exato
Porque esteve no ar, insuficiente, insubsistente
Vivendo a no morrer
Sem dvida que h dvida!
Quem duvida da vida:
ter na mente
A criao
E muita f no corao
Contra as penas e
a eterna danao.
Hesito.
Certo.
Paixo trocada por razo
Nos traz de volta ao recomeo
Meo de novo
Medito
Me digo:
Nem mais, nem menos
Que o retorno imperfeito!

10.08.2006

---
s a mulher que fostes, s tambm o vento tarde

Voltastes com o vento
Percebo-te nele,
Ento no te fostes
Para sempre no existe,
se vens sempre com o vento

Reencontrei-te ao fim da tarde
Quando o sol j no mais arde
E as nuvens, antes figuras inditas
Assumiram os teus perfis

A ti que me visitastes no vento
Digo que te encontrei tambm assim
meu alento, que no te perdi
Reencontrei-a no limiar do horizonte
Quando noite ainda no era

E tu, to apenas vento
Deixou de ser quimera
E novamente tornou-se a mulher
Que mais amou filhos que no tivestes
Filhos que sequer eram teus
- So crianas, so tambm minhas!
Dizias sem falar,
Porque sentias e assim a vamos

E amou tanto porque nos amava
Tanto, que me perguntava
Onde tamanho amor encontravas?
E, sem respostas tuas, sei agora, como antes adivinhava
que a medida do amor aumenta quantidade que se ama

E esse, de mulher generosa que te destes,
Para a vida que fazias to doce,
Sobrou-me sobeja para eterna lembrana
Amiga, sou feliz por ter te conhecido
E tenho tambm muito carinho por ti

Quando meus filhos perguntarem onde ests
Como te senti h pouco, onde estavas
Emprestarei do poeta a figura que nos ensinou
Ests com o vento, vens com o vento
Ests conosco, viva, em pensamento

10 Agosto, 2007

biografia:
Adroaldo Bauer Spndola Corra

Publiquei contos e poemas em jornais e em blogs. Mais recentemente em Overmundo. Coordenei o Projeto de Descentralizao da Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre em 1993/96 e 2003/04. A ao em oficinas e programao de espetculos alcanou pblico superior a 1 milho de pessoas em uma dcada. O oramento da Descentralizao se elevou de R$ 174.000 00 executados em 1993 a R$ 1.500.000 00 orados para 2005.
Recebi da Cmara de Vereadores de Porto Alegre o Prmio Honra ao Mrito em 2005. Em 1995 recebera a comenda Cidado do Samba da Associao das Entidades Carnavalescas. De 1989 a 1992 fui vereador da Capital. Dos que mais apresentou e aprovou emendas reforma da Lei Orgnica do Municpio em 1990. Desde os anos 1980 integrei a Diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul; sendo membro da Comisso de tica da entidade ainda em 2007.
Nasci na Parnaba - PI, em 03 de outubro de 1952.
Vivo em Porto Alegre - RS desde novembro de 1953

adroaldo.rs@terra.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s