s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Manuel C. Amor
Nacionalidad:
Angola
E-mail:
Biografia

Paranóia

Acordei com um sorriso pesadelo
invadindo o meu ego vencedor,
vencido de destinos traçados,
caminhos interrompidos
esperanças desmoronadas
amores.

Como cidadão
sou um homem tranquilo.
Durmo toda a noite
não tenho fantasmas
nem pesadelos povoando meus sonhos.

Como homem
sou o cidadão angustiado
frustrado,
violentado na dignidade de ter
a consciência tranquila.

Luanda, 1997
Angolê

\'- Este país morreu!\'
José Eduardo Agualusa

Na hora do sol-dos-cazumbis [1]
entre o caos e o vazio
Os tchirikwátas[2] cantam.

Como que reescrevendo a geografia real
Reinventam fronteiras
Entre sombras pretas e o fulgor vermelho
Do país
surpreendentemente complexo.

O sonho obstinado permanece
Este país recusa a morte.

Outubro 2006.

[1] Sol-das- almas; Tonalidade vermelha do céu, depois das 16 horas, em dias de sol;
[2] Pássaro canório


Cantiga de esperança

\'As nossas vozes
Não podem estar silentes
Reencontremo-nos nós mesmos...\'

Maria Eugénia Neto, in O Soar dos Quissanges, 2002

O nosso destino
é sempre esta festa
a despontar na aurora de cada um
No crepúsculo de cada qual.

Vamos varrer as \'cinzas da morte.\'
Que chegou o tempo do emergir a vida
festejada em terreiro limpo de tristezas.

E quando a dicanza
começar nos seus ranque ranque
A desafiar o quissange
Naquele clamoroso cântico
cavalgando chanas e mulolas
Deixa a alma
escorregar na tua pele

O sangue correr dentro de ti
como água dos rios
que nunca olha para traz .

Balança o corpo
como um dongo sem destino
Baçulando a desesperança
Que eu
ainda acredito no sonho do Poeta

\'Um só povo uma só nação\'
Não é utopia não

Manuel C. Amor
Setembro 2006.


biografia:

Sou o Manuel C. Amor,

Luso-Angolano,nascido há 60 anos, resido há dez em Portugal.
Escrevo desde muito cedo, [publiquei o meu primeiro poema em 1964], tenho poesia dispersa por jornais,revistas e antologias.
Militante anti colonialista desde muito cedo, continuo \'a sentir um aperto muito grande no meu coração sempe que tomo conhecimento de uma injustiça, aconteça ela onde aconteça

jcamor@mail.telepac.pt

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s