s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Ary Carlos Moura Cardoso
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
A MQUINA DO MUNDO...

A Mquina do Mundo no se abre com chave,
no se traveste, no se vende por nada,
Sistema de sensibilidade que s funciona a Paixes.

astrolbio dos Amores:
medem-se alturas das razes,
distncias necessrias, larguras dos Espritos.

nica Flor da vida inquebrantvel, suave,
ora nos provoca, ora se oculta,
s verdadeiramente tomada pela 'Violncia'.

A Mquina do Mundo enterra as iluses,
d vida aos ossos secos,
tritura Baco, esmaga Apolo.

Nela estamos no ltimo Cu,
no h cincia, no existe saudade,
nenhum espelho reflete nossas mseras imagens.

Aqui, incha-se de tanto emagrecimento,
adoece-se engolindo tolices,
morre-se afogado em mentiras.

Rasga, pois, o peito, abaixa a guarda,
ateia fogo na plvora de teus auto-enganos
e a Mquina, circunspecta, talvez se entreabrir.

POETANDO

A Poesia necessria porque a Vida no basta.

Convm, pois, criar utopias,
Criticar as mazelas,
Esbofetear as razes.

A vida no basta!

mister dizer no
mister prender os sentidos
mister pr gua nos clices.

A Poesia necessria!

Sem vmitos, a Arte simulacro
Os significados das manhs
das tardes
das noites
so apenas guas mornas.

A vida no basta!

De que adiantam as leituras,
De que nos valem as lembranas
Se o que de fato importa o acaso?

A Poesia necessria!

Ainda h pouco, o pas foi sacudido:
Dois gols na Austrlia
Nenhum na misria
Nenhum na coisificao debochada do Outro
Nenhum nesse inferno da politicalharia.

A vida no basta!

As mesmas coisas
Os mesmos erros
As mesmas caras
As mesmas falcias.

A Poesia necessria!

Bebamos a cicuta e salvemos as Artes
Nossos verdadeiros algozes pranteiam por ns
Nos mandam Rosas.

A Poesia necessria porque a vida no basta!

O AMOR QUE TE PROPONHO...

O amor que te proponho
no industrializado,
tampouco verborrgico.

Amor Bode...

Traz segredos e mistrios,
Verdades e inverdades.

Mais que fora, Poder capital,
Veio para ser Sacrificado.

Amor Bode no deserto,
Na cacimba sem gua,
No lixo das iluses.

O Amor que te proponho s avessas!

De outras paragens sem flores,
Sem msica, despido de seduo.

Amor Bode!!!

Forma uma cadeia estranha de sensaes,
Invade espelhos gauches,
Reflete imagens quebradas.

O Amor que te proponho Limpo,
Canonizado apenas pelo altar de nossas particularidades.

Amor caf,
Amor feijo,
Amor silncio!!!

relmpago rasgando entranhas,
pandora sem caixinha,
sereia sem canto.

O Amor que te proponho Prdigo sem volta.

So assobios em noites de trovejadas,
lua com gravidade,
So telas descontempladas.



biografia:

Sou um cabra de SAMBABA-MA, filho de Mauro Cardoso dos Santos e Carmozina Moura Cardoso, criado em Araguana-TO. Aos 16 anos, mandaram-me estudar no Rio de Janeiro. Sob responsabilidade do internato do Colgio Batista Fluminense, dirigido ento pelo mestre Ebenzer Soares Ferreira, fiz o Segundo Grau.

Inicio a caminhada universitria pela Faculdade de Direito de Campos, estudando, paralelamente, na Faculdade de Cincias, Letras e Filosofia. Largo tudo e ingresso no Seminrio Teolgico Batista do Sul, na Tijuca, tendo como reitor o pastor Dr. Ebenzer Soares. Ao mesmo tempo, fazia Letras na Universidade Gama Filho e Filosofia na UERJ.

Em 1991, volto ao Tocantins para trabalhar como docente na Universidade do Estado do Tocantins [Unitins] e na rede estadual de ensino, por concurso. Continuo os estudos, fazendo Ps-Graduaes em Administrao da Educao, Polticas, Planejamento e Gesto, pela UnB e Filosofia, pela UGF. Nesta ltima [UGF], estudo no Mestrado em Filosofia. Por fim, fao Mestrado em Literatura, na UnB, analisando as questes conceituais, polticas e funcionais da Literatura luz da realidade educacional do Tocantins.

Hoje, sou professor concursado da Universidade Federal de Tocantins[UFT]. Membro Fundador da Academia Virtual Brasileira de Letras [AVBL]. Est presente no 'JORNAL DE POESIA', editado por Soares Feitosa. Participo de algumas antologias literrias pela editora Litteris, do Rio de Janeiro, de vrios sites literrios, bem como escrevo regularmente na imprensa local, na revista 'Caros Amigos', online, e outros, inclusive com trabalhos publicados na revista 'CULT'. verbete no 'Dicionrio Biobibliogrfico Do Tocantins', de Mrio Ribeiro Martins. Possui uma das maiores bibliotecas privadas do estado.

Sou casado com Lusa de Sousa Costa Cardoso, pai de trs filhos: Mauro Cardoso dos Santos Neto, Thauane Costa Cardoso e Natacha Costa Cardoso.

Se tiver que me definir com uma frase-sntese, digo: SOU UM DESBRAVADOR DE POSSIBILIDADES.

ary@uft.edu.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s