s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Rita Sampaio Velosa [Cnsul - Amrico Brasiliense-SP]
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
VIDA BANDIDA

[ Releitura de poema de Casimiro de Abreu ]

Ah! Que angstia que trago,
Da aurora da minha vida;
Da minha infncia perdida,
Que os anos no refazem jamais!
Que fome, que medo, que dores,
Naquelas tardes famintas,
sombra dos toldos nas ruas,
Debaixo dos malditos sinais!

Como so tristes os dias
Do despontar da subexistncia!
Respira a alma muita cola,
Como perfumes a flor.
O mar miragem suprema;
O cu ,um ponto de fuga.
O mundo, um sonho assombrado;
A vida, um hino de dor.

Que aurora, que vida bandida!
Que noites de melancolia,
Naquela vivncia maldita,
Naquele constante penar!
O cu, bordado de balas,
A terra, com aroma de morte;
As ondas, subindo a favela,
E a lua para as miras ajudar!

Ah! Dias de minha infncia!
Ah! Meu cu infernal!
Que maldita a vida no era,
Nessa medonha manh!
Em vez do dio de agora,
Eu tinha nessas torturas,
De minha me a bravura,
E o consolo de minha irm!

*****************************
A Lgrima

Aparece no rosto de algum,
Sem se saber de onde vem.
Cresce, escurece a feio contrada,
Escorre pelo rosto trada.
Sensao quente e gelada,
De um pingo de gua parada,
Nos olhos de quem no quer ver,
De quem no quer saber.
Porm...
A lgrima ali est,
Testemunha do que se tem no mago,
Solta...
Sem que queiramos,
Aos outros mostrando o que somos.
A lgrima:
Um pingo de gua salgada,
Uma gota do oceano do nosso ser,
Quebrando na praia dos olhos,
Escorrendo, s vezes, no rochedo de uma face.

*****************************

TEOLOGAIS

Quando a f completamente j perdemos
E a esperana se esvaiu na realidade
S nos resta impassveis dependermos
Da alheia e to rara caridade.

Pela noite escutamos leves passos
De anjos em voluntrios encarnados
Que carregam elegantes em seus braos
Uma ddiva dos deuses consternados.

Caldo quente em uma noite enregelada,
Um abrao, um socorro salvador,
Cobertores para a gente da calada.

Em forma de Caridade e doao,
Na verdade , o que chega o amor
Dando F e Esperana ao cidado.

biografia:

Rita Bernadete Sampaio Velosa
-Poetisa, contista, cronista e trovadora Araraquarense,formada em Comunicao Social /Jornalismo- PUCC/SP, em Letras - Portugus e Ingls / Plena - UNESP/SP, em Pedagogia e Superviso Escolar - Faculdades So Lus/SP e com Especializao em Lngua Inglesa- BELL SCHOOL/Inglaterra, Colaboradora nos Jornais: 'O Imparcial'- Araraquara/SP, 'Roteiro'- Campinas/SP, 'Dirio do Povo'- Campinas/ SP, 'A Tribuna'- Araraquara e da Revista do 'Clube dos Escritores de Piracicaba'[Conselho Acadmico -Cadeira 58 e Delegada Regional do Clube].Delegada da UBT- Amrico Brasiliense/SP.Editora da Revista Eletrnica: 'A Ratoeira'[Internet]. Revisora do Livro 'Buriti'- Premiado com o 'Sol de Ouro'. Primeira Secretaria da ONG - SOS Cerrado/GO. Professora de Ensino Mdio, de Portugus e Literatura/SP. Membro Correspondente da Academia Cachoeirense de Letras/ES . Filha do escritor Jobal do Amaral Velosa [Buriti-Cronicontos] e sobrinha neta do poeta Joo Vellosa Amaral [Um Galho de Morassol].Possui vrios prmios de Academias e Editoras nos gneros conto, crnica , poesia e trova.

BLOG: http://ritavelosa.blogspot.com
E-MAIL- ritavelosa@bol.com.br
COMUNIDADES NO ORKUT-
MICROCONTOS CYBERATOEIRA
MICROCRNICAS CYBERATOEIRA
TROVAS CYBERATOEIRA

ritavelosa@bol.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s