s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Moacir Eduo Faras [Cnsul - Z-S-Irec-BA]
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

ENTENDIMENTO

Entendo a um texto,
entendo a um relógio,
entendo a uma criança com seus segredos e fantasias...

Entendo as cores, as noites, os nublados;
entendo aos inocentes e aos culpados,
aos ociosos e aos ocupados.

Entendo tantas e tantas coisas
que meu horizonte me olha desconfiado
a temer que eu o desvende.

“POEMITO”
[a July]

De repente,
uma luz surge
como uma nau antiga

ao porto noturno
em que o mar se deita.

pequenas embarcações,
balouçares de crioulas bonitas à beira da praia,
sereias verdadeiras nas redes dos pescadores.

O perfume dos mitos parece iluminar a costa.
O faroleiro sente-se um deus, guiando as almas.

A bela Lua-cheia se aconchega
no colo de um bêbado.

Sem consolo,
a escuridão vai beirando o inatingível...
vai deixando passar a sua barcarola sem cores.

Soerguia , o que nos parecera intocável...
mas não era intocável, nem vinha de longe.

Não era mito, não era forasteira,
era apenas uma noite
somente decifrável pelos poetas.

SONETO À PARTEIRA DO PINTOR

Nasce o pintor das mãos de uma parteira
A se encantar pela cor de seu vestido
A cada retalho um mundo renascido
A cada segundo uma pintura inteira

Falando assim parece que o brinquedo
Vem sobrepor a vez da brincadeira
E pinta e pinta sem nenhum segredo
Um belo quadro no vestido da parteira

Trazendo ao mundo a cor que precisava
O pintor que nascera lambuzava
Com as mãozinhas tão cheias de tinta

A arte da vida que a vida dava
Pois que viver é ser artista como quem pinta
E tão bem vestir como quem parte e sinta

a mesma arte daquela parteira.

Poema somente para Nay

Seu par de olhos
sempre se encarrega
de ser um par de anjos

com asas piscantes
e corpos negros
ilhados de leite

povoa, deita, se deleita
na pele de um rosto afável -
uma cama macia, feita para quem descansa.

fechados, as luzes se apagam
como cortinas se fecham
a fim de que sonhemos

seu par de olhos,
finos para os alvos
imensos para o fito...

imersos a sonhos
que parecem plantar
toda vida que existe...

porque anjos... moram perto dos deuses.

IRECÊ
[a uma amiga e a uma cidade homônimas]

transito a obliquidade de tuas ruas,
a beleza do teu nome
e paro nos pontos em que vivo.

Seja mulher, seja poema, paisagem, cidade,
serás sempre bem vestida, bem escrita,
bem arborizada, bem ladrilhada!

Mulher e poema

Mulher e cidade
de uma conveniência impreterível...
a quem a escreve, trafega - e ama.

INFLAMÁVEL

Quando cantar a manhã,
findando a esperança dos bêbados,
irão fugir os pássaros,
cortar seus pulsos, os poetas,
e finjir o Sol que é um tímido astro sonolento.

Pesa, nas mãos destes anônimos,
dedos de fogo.
Lá fora, chove. E o poeta - fogo -
escreve como os ébrios.

Incendeia o rosto, troca lágrima por éter,
abismos por estradas,
solidão por ventanias tímidas...
como as pétalas que se espreguiçam e se queimam.

Deuses na chuva, sem dedos, silenciam-se.

Biografía:
* Moacir Eduão
nasceu em São Gabriel – Bahia - Brasil, em 1975. É professor e poeta, licenciado em Letras pela UEFS [Universidade Estadual de Feira de Santana]. Membro fundador da Academia de Letras de Irecê. É autor de Ao Tempo [in memoriam], em 2003. Participou de Os Outros Poemas de que Falei [2004], antologia elaborada pelo Banco Capital. Publicou artigo na revista literária Latitudes, Paris – França. Encontra-se no prelo, de sua autoria, Desespaços, seu quarto livro de poemas.

Perfil no orkut: http://www.orkut.com/Home.aspx?xid=9782143125398812687
Poemas no orkut: http://www.orkut.com/Scrapbook.aspx?uid=2556083821376028129
Outros textos: www.atrevidos.com.br [Coluna Poema sem Metro]

meduao@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s