s
s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Carine Arajo
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

Alfa e Ômega
Àquele que é o único lugar onde tenho vida, F.B.P.

Durmo a vigilância do teu sono
Embalada e embalando o teu ressonar
A sombra impressionista do teu corpo
Revejo teus sonhos em making-off
E guardo em segredo teu último olhar
Fechas os olhos, a escuridão se achega
Não há mais lugar onde possa habitar
És onde estou e onde quero chegar

DRUMMONDEAR

Não farei versos do tamanho do mundo
Em meu coração já não cabem
E nem eu em mim mesmo
Não vou cantar recordações
De uma terra que nem conheci
Vou dizer a verdade das rosas
Que catei num caminho
Sem pedras
Vou anunciar a loucura
Contida em cada lucidez
E a cada momento voltar-me-ei para ti
E saberei que estás de pé

Pareceres noturnos

A cidade preto-dourada
Em luzes de mercúrio
Ofusca os olhos dos casarões
Que tentam – das janelas -
Espiar o passado passando
O rio – que outrora embebedou suas ruas –
Imerge sombras
Que abarcam a locomotiva azul
Sangrando a cidade
Adormecida ao som do seu trilhar
Embalada em marés de ventos longínquos

Biografia:

“Seja qual for o caminho que eu escolher
um poeta já passou por ele antes de mim”

S. Freud


“Vem da cidade serrana de Muritiba. Lugar aprazível pelo seu clima, sua história, sua gente.
Terra onde as Filarmônicas enchem as ruas com seus dobrados; terra de pessoas devotas de Nosso Senhor do Bonfim que, em janeiro, embalsa a cidade com muita água de cheiro nesse Recôncavo Baiano.
Carine Araújo, Produtora, Gestora Cultural,Comunicadora, Poeta e
como todos os muritibanos, aprendeu desde cedo a respeitar um certo Castro Alves, poeta e filho ilustre daquela terra, quiçá de todas elas.
Em 2004, com a performance Mãe África foi selecionada para a Bienal do Recôncavo, recitando ao som ancestral do rum, rum pi, rum lé o poema Vozes d’África, do poeta e mestre conterrâneo.
Estreou a sua pena aos 13 anos de idade quando venceu o 1º Concurso de Poesia do CECA, escola da região.
Mas o poeta não se faz por concursos ou prêmios, se faz talvez pela quase maldição de querer traduzir o Eu, o Outro, o Ser e as Coisas, o Nada.
Eis os versos de Carine Araújo, palavras riscadas no papel dessa filopoesia que traz Idéias sobre Si e sobre o Mundo.
Versos que traduzem uma admiração incomensurável pela vida, um amor inefável pela Literatura e uma vontade ímpar de compartilhar as alegrias e as angústias da arte de Ser Poeta.” [Fábio Pereira, músico e historiador cachoeirano]
“De Muritiba, no Recôncavo Baiano, região de vates valorosos e ternos ao meu coração: Castro Alves, Mateus e Dadinho, Lui Muritiba, Damário da Cruz, João de Moraes Filho e tantos outros, chega-nos a poesia dessa moça, impregnada de um estilo próprio, de um jeito novo de cantar o mundo que aos nossos olhos arde em chamas. O poeta alemão Goethe costumava afirmar que “poemas são beijos que a pessoa dá ao mundo; mas de simples beijos não nascem crianças” . A poesia de Carine Araújo ganhará decerto o mundo, terá muitos filhos publicados, pois tem dicção própria e é encharcada de ternura, adornada de setas de fogo a flechar nossos corações de leitores, ávidos por uma poesia que seja de primeira plana, que tenha marca e se insira, sem pedir licença, na seara da literatura que se produz nessa terrinha, repleta de falsos poetas e fazedores de versos quebrados.
A poeta muritibana tateia nessa longa estrada, distribuindo seus versos, tentando mudar a face perversa deste mundo, e que, como a poeta maior da Bahia, Maria da Conceição Paranhos, afirma: “Tebas, tem Cem Portas!”. E, daqui do meu canto, imerso em torvelinho, engolindo sapos ao amanhecer, rogo aos deuses que a poesia de Carine Araújo seja sempre eterna, perene, que se afirme e inunde esse mar da Baía de Todos os Santos com as águas do Rio Paraguaçu, e que muitas portas se abram e que em breve sua obra seja impressa, distribuída por Pindorama e o mundo, em definitivo, para engrandecer a galeria dos verdadeiros poetas baianos. Saúdo-te, com alegria, minha irmã, “Bathé buru uaá orê guaracy, guajaná!”. [Miguel Carneiro]



http://terreirocultural.zip.net

http://carinearaujo.zip.net

carine.araujo@gmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s