s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Meca Moreno
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
PELEJA DO RECIFE, DO PORTO,
DO MAR E DO POVO

Meca Moreno

DO RECIFE:
Nossa Senhora do Carmo
Minha santa padroeira!
Proteo e inspirao
Do povo desta ribeira
Do meu Recife querido
A veneza brasileira

Recife minha bandeira
Hoje um grande dia
Ns vamos comemorar
Com muita paz e alegria
Minha cidade querida
Capital da poesia

DO PORTO:
Foi no Porto dos Navios
Que o Recife nasceu
E assim se estabeleceu
Com gestos muito bravios
Enfrentando desafios
Que ao lembrar me comovo
Faria tudo de novo
Porque ns temos cacife
A peleja do Recife
Do porto, do mar, do povo

Na histria me locomovo
Com grande felicidade
Respiro o ar da saudade
Das pescarias de covo
Do tempo no me demovo
Vi Maurcio de Nassau
Quando chegou numa nau
Para o Recife animar
E fazer um boi voar
Depois fazer um sarau

DO MAR:
Foi feita a unio de tudo que belo
Ento Deus colocou junto do oceano
Esta a obra do mais soberano
de Pernambuco o mais feliz libelo
Recife das pontes, voraz e singelo
O sublime lugar pra gente se amar
Pra fincar razes e sempre voltar
Aqui Frei Caneca, heri vi nascer
E tantos tombaram para eu viver
Num grande galope na beira do mar

Vivendo amando os dias passaram
Na essncia do ter, o amor eterno
Vero, primavera, outono e inverno
luz do infinito dois corpos brilharam
E ao se fundirem se eternizaram
Aos nossos galopes eu quero brindar
Alcovas do mundo num lindo bailar
Gritos ecoaram para a eternidade
Fuso de arrecifes em feliz cidade
Amores perfeitos na beira do mar

DO POVO:
Desde sempre Pernambuco valente
Com seus poros amansa o mar to forte
Ergue a fronte o grande Leo do Norte
No temendo a nenhum inconseqente
Seu povo valoroso sempre frente
De outros tantos tem sido o parapeito
Seu destino por Deus j foi eleito
Nunca foge nem sente calafrio
O Recife domina o mar bravio
E haver de explodir alm do peito

A histria testemunha ocular
Da bravura de um povo altaneiro
Que entre todos ser sempre o primeiro
Se preciso, est pronto pra lutar
Mas se a da paz festejar
Singular, vai fazendo do seu jeito
Conquistando o amor e o respeito
Pernambuco eu a ti reverencio
O Recife domina o mar bravio
E haver de explodir alm do peito

OLINDA COISA LINDA
Meca Moreno

Monumental estrela
Do vasto universo
OLINDA COISA LINDA
Eu me perco nos teus versos
Da humanidade s bero
Patrimnio sem igual
OLINDA COISA LINDA
maior teu carnaval

Tu s viva cultura
Da alma brasileira
OLINDA COISA LINDA
Capital s a primeira
A tua gente que encanta
Teus Passos, tua Ribeira
OLINDA COISA LINDA
Capital s a primeira

Nas tuas estreitas ruas
Ainda sou criana
OLINDA COISA LINDA
Que no me sai da lembrana
Brincadeiras de menino
Nos teus campos, nos teus becos
OLINDA COISA LINDA
Nos teus versos eu me perco

RETETEL
Meca Moreno

L vem Pinto do Monteiro
Desembestado na Frente
Otaclio, Louro e Dimas
Grandes mestres do repente
Vem Rogaciano Leite
Leandro j em deleite
Que a novidade quente

Vem menina! Vem, vem ver!
Bota sebo nas canelas
Que a coisa vai derreter

Venham pr ver, minha gente!
Desceram todos do cu
Para uma festa animada
Com alegria a granel
Meninos do FIM DE FEIRA
Vo levantando a maior poeira
o maior retetel

Vem menina! Vem, vem ver!
Bota sebo nas canelas
Que a coisa vai derreter

biografia:

MECA MORENO

Pesquisador, poeta, compositor, professor de literatura popular [poesia]. Nasceu da cidade de Palmares, Pernambuco, no dia 03 de maro do ano de 1959; escreve desde os 12 anos de idade; mora no Recife desde 1977; alm de vrios poemas e artigos publicados em revistas e jornais diversos, est presente na antologia Poetas dos Palmares, pela Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, com coordenao do poeta Juarez Correya; um dos autores do livro Petrus Apostolus Princeps Apostolorum - Um Mote Santo e Algumas Sacras Glosas, com o mote BENTO FOI ELEITO PAPA/SEM DAR PAPA PRA NINGUM. Tem mais dois livros publicados: UNIVERSOS e GIRAMUNDO - O Espectador do Fim & Gneros da Poesia Popular, o primeiro em co-autoria com o poeta Alfredo Moraes, numa edio independente. O segundo foi lanado pelas Edies Bagao e tornou-se um dos sucessos da V Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, em outubro de 2005.
estudante de Direito. Membro da Unio dos Cordelistas de Pernambuco - UNICORDEL e coordenador do Movimento Cultural Companhia do Cordel.
Pai de Dulce, Lucas e Caio. Av de Dbora.

mecamoreno@click21.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s