s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Luis Carlos Bello Arajo
Nacionalidad:
Portugal
E-mail:
Biografia

A CRIAÇÃO

O Caos decifra-se
Tomando uma posição
Nos alfabetos já existentes.
O Mundo é Espírito
Porque as pessoas falam
Mas pensam na matéria.
Assim também
A energia primordial que é Deus.
Imaterialmente existindo,
Tornou-se sol, tornou-se terra,
Tornou-se lua, estrela, conjunto de estrelas,
Que são formas materiais de espírito.
O Mundo tornou-se Deus
E Deus verteu-se no Mundo,
No momento que os cientistas chamam Big-Bang.
O Big-Bang é um ponto referencial,
Uma necessidade, assim como preciso
Da linguagem para falar.
O acto de transformação é o Big-Bang.
E nós?
Nós somos uma consequência última
Deste acto fecundador, assexuado.
Somos, materialmente falando, frutos do amor divino.
Porquê?
Porque somos simultaneamente matéria e espírito.
Somos, portanto, energia.
Formamos um oceano,
Como todas as gotas da chuva formam o Inverno.

OS NOVOS SENHORES

Neste princípio de século
Assistimos atónitos
Ao apelo do primitivo,
Das emoções canibais
E da putrefação institiva.
O homem é um ser bélico
Se quem da cúpula está
Não possui sensibilidade
E capacidade conceptual
Para expulsar a besta.
A besta está aí:
Encarnada e perto de nós.
Choram poetas, pintores e músicos.
As mães contorcem seus corações
Ao ver homens de focinho disforme
Querer presidir aos destinos do Mundo
Vou acender três velas
Vou comprar rosas sem espinhos
Porque esses têm espinhos sem rosas!

A MÃO E O PENSAMENTO

A mão é pensamento
Mas o pensamento não é mão.
Consigo pensar sem mão
Mas não consigo manusear sem pensamento.
O pensamento na mão
É pensamento menos hierarquizado
Mas não consigo dizer o pensamento sem a mão
Porque a mão escreve.
Quando manuseio o meu pensamento
Ou seja, quando vasculho o que penso
Sinto-me impotente
Porque o pensamento foge à mão...
Pensando que penso
Não preciso da mão
Mas escrevo este pensamento com a mão.
Comecei por utilizar a mão
Em pequeno,
Mas o pensamento cresceu
E a mão ficou na mesma.
Se pensasse sem mão
Ou se tivesse mão sem pensamento
Não seria humano
Ser SER HUMANO
É ter pensamento e mão.

ACONTECIMENTO

Era uma vez uma flor
Vivia no seu vaso,
Ao vento, ao sol, à chuva.
Tão bonita que era!
Cheia de outros produtos
Outros tratamentos,
Secou, sem nunca florescer.
E veio um dia
o homem do lixo
E com a insensível pá
Fora a jogou.
Era uma vez uma flor
Na qual nunca mais se pensou!

biografia:

Luís Carlos Bello Araújo
, nasceu em 26-02-1957, no Lobito [Angola], onde os seus pais de origem portuguesa, viviam nessa altura; no ano de 1970, veio para Portugal com os pais e continuar os seus estudos.
Ainda frequentou o 3º ano de Medicina, mas por motivos de saúde não pode terminar o curs.
Empregou-se na Biblioteca Nacional, tendo-se aposentado oportunamente, para se dedicar à poesia e literatura.
Tendo já publicado um livro de poesia \\\'Os meus Poemas\\\' e participado na \\\'Antologia de Poesia Portuguesa Contemporânea\\\'.
Actualmente, vive com os seus pais no Algueirão, perto das cidades de Sintra e Lisboa.

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s